Sobre o artigo “que tem medo do peer-review ?” publicado na revista Science

O fato :

Um artigo falso foi submetido a várias revistas científicas de acesso aberto para avaliação pelos pares. Esse artigo foi aceito pela maioria das revistas em acesso aberto – 157 de 304 revistas para onde o artigo foi enviado. Algumas dessas revistas pertecem a editores internacionais como a Sage e a Elsevier.

O artigo desse escândalo e o seguinte:

Bohannon, John. 4 October 2013. Who’s Afraid of Peer Review? Science :Vol. 342 no. 6154 pp. 60-65.DOI: 10.1126/science.342.6154.60.

O artigo falso decreve uma propriedade anticâncer de uma substância química que os autores dizer ter extraído de uma líquen.

Normalente, esse artigo deveria ser recusado por qualquer um que conhece um pouco de química e de análise de dados. Além disso, o artigo conclui que os resultados não tem muito importância.

O artigo na revista Science descreve e detalha várias práticas das revistas para detectar artigos falsos. E as conclusões são muito interesantes :

Existem revistas Open Access que são predatores do sistema, implementado inicialmente para permitir o acesso livre aos artigos, sem alterar o artigo dos jornais. As maoria dessas revistas não tem a mesma localização do responsável editorial das revistas, o país para pagamento e o editor.

Essas revistas consideradas predatores são conhecidas e listadas por um critério muito claro establicido por Jeffrey Beall, um bibliotecário americano :

Beall’s List: Potential, possible, or probable predatory scholarly open-access publishers.

O DOAJ (Directory of Open Access Journals) é o site de referência com a lista de todas as revistas Open Access. O artigo na Science questiona os critérios do DOAJ e também da lista de Jeaffrey Beall poeque algumas das revistas que aceitaram o artigo estão no diretório da DOAJ e também na lista de Jeaffrey Beall. Veja a figura abaixo.

Peer review reviewed. Few journals did substantial review that identified the paper's flaw

Peer review reviewed. Few journals did substantial review that identified the paper’s flaw”CREDIT: C. SMITH/SCIENCE” http://www.sciencemag.org/content/342/6154/60/F3.expansion.html

 

O mais interessante ainda são alguns dos comentérios nesse artigo :

O Jean-Claude Guedon, um dos iniciadores do movimento  Open Access e que também assinaou a Declaração  de Budapest, em feivero de  2002, [1] diz que os pesquisadores tem cada vez muita pressão para publicar, « publish or perish ».  As revistas Open Access cobram dos autores os custos da publicação, APC (Article Publication Charge) e esses são uma parte pequena dos meios para a difusão dos artigos de acesso livre. JC Guedon acredita que os gorvenos poderiam organisar um sistema de avaliação dos artigos cientificos para que retirar esse papel das mãos das sociedades privadas e comercias.

A OASPA (Open Access Scholarly Publishers Association) foi criada para manter o nível da qualidade na revistas de acesso aberto e, lembrou que, a associação fez uma comunicação sobre esse artigo por uma comunicação e que tem regras rígidas para se entrar na associação. A associação monstrou algumas reservas quanto ao fato do artigo falso não ter sido submetido às revistas tradicionais (o editor chefe da Science também monstrou essa limitação) e sobre os critérios adotados por Beall e o DOAJ para selecionar as revistas. O artigo falso foi enviado princilpameente para  revistas de baixa qualitade. A associação tem interesse em usar os dados da pesquisa do artigo da Science para elaborar mais algumas conclusões e verificar a existência de editores na associação que possam ser incriminados.

Outras observações pertinentes, são os commentários de 4 de outubro feitos por  Audrey  na declaração da OASPA embora não menciona um caso anterior de submissão de artigo generado automaticamente pelos sites Mathgen ou Scigen e enviado para revista tradicionais. O artigo de Bohannon na revista Science falta refêrencias  de casos antigos de artigos falsos submetidos.

A COPE Comittee On Publication Ethics  também escreveu  sobre o artigo de Bohannon [3]. Na parte construtiva  do documento, a COPE lembra da suas diretrizes quanto à avaliação pelos pares e monstra a sua intenção de olhar mais profondamente o funcionamento da avaliação dos editores que pertencem a COPE. “journals or publishers who do not share COPE’s values have no place as members”. diz o documento.

No meu trabalho como profisional da informação, observei que na área de Ciências para a Vida, existem revistas de acesso aberto com comportamento fraudulento que prejudicam muito o movimento de acesso aberto.  Os pesquisadores costumam receber solicitações por e-mail para fazer parte da equipe editorial dessas revistas, avaliar os artigos e publicar. É necessário que os pesquisadores fiquem alertas e reconheçam rapidemente a qualidade de revistas novas.

[1]  Open Access du rêve au cauchemar ? l’avis de J-C Guédon. interview par  Sylvestre Huet, journaliste à Libération
http://sciences.blogs.liberation.fr/home/2013/10/open-access-du-r%C3%AAve-au-cauchemar-bis.html

[2] OASPA has published a statement in response to this article : http://oaspa.org/response-to-the-recent-article-in-science/

[3] COPE response to Science paper submission of fake paper, by Virginia Barbour, on behalf of COPE council. http://publicationethics.org/news/cope-response-science-paper-submission-fake-paper-virginia-barbour-behalf-cope-council


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *