Fazer da ciência aberta uma realidade : relatório da OECD

oecdO OECD publicou um relatório sobre ciênca aberta “Making open science a reality”.

Ciência aberta pode ser considerada como um conceito mais amplo do acesso aberto para publicações e dados de pesquisas. Ciência aberta acontece em todas as etapas das pesquisas (o relatório tem um glossário).  Ela inclui também a interoperabilidade das infraestruturas científificas, metodologias compartilhadas e ferramentas para data mining. O relatório da OECD mostra as tendências recentes em políticas de ciências abertas em particular sobre as iniciativas para promover acesso aos resultados financiados  com fundos públicos (publicação e dados de pesquisas).

O relatório analisa também os papéis dos diferentes atores da ciência aberta : pesquisadores, ministérios dos governos, agência de amparo, universidades e institutos de pesquisas, bibliotecas, data center, repositórios, ongs privadas e fundações,  editores privados e comerciais em geral.

Organizações intergovernamentais (OECD, UNESCO, EU and Worldbank) tem um papel muito importante para a definição de acordos internacionais ou orientações sobre ciências abertas que poderão ser adotadas pelos países por exemplo. Essas organizações são muito atívas nesse domínio.

O relatório destaca as principais conclusões que mostram a importância da ciência aberta para melhorar a qualidade da ciência,  aumentar as colaborações que envolvem  pesquisas e sociedades e pode contribuir para um melhor impacto socio-econômico das pesquisas públicas.

Politicas de incetivo sobre dados abertos são menos estabelecidas do que aquelas sobre publicações. Elas são um princípio de base que devem ser adaptadas em função do domínio (medicina por exemplo ) e das realidades locais.

Iniciativas para promover ciência aberta para os pesquisadores são necessárias. É importante também desenvolver competências para gestão de dados.

O relatório menciona  os planos de  iniciativas sobre politicas do BRICS (Brasil, China e India) para ciênca aberta e data infraestrutura. É  importante para esses países porque a produção de conhecimento, pesquisa e desenvolvimento industrial estão em crescimento.

Desafios globais precisam também de um melhor acesso aos dados nacionais e consequentemente uma melhor cooperação  global.

O capítulo 2 apresenta o acesso aberto sobre publicações com o projeto “open citation advantage“, a duração do embargo em função das disciplinas e a porcentagem de artigos em  acesso livre, os diferentes meios do acesso livre, as novas métricas como Altmetrics e no final a importância da mineração de textos  e da propriedade intelectual. Aborda também o open peer review com a experiência do F1000Research.

O capítulo 3 destaca a situação dos dados abertos de pesquisa. A pesquisa científica é conduto pelos dados (data driven) e permite o desenvolvimento de experimentação como simulação com algaritmo, mesmo em domínio onde dados são menos incentivados. Os dados são também infraestrutura porque eles permitem a construção de vários sistemas para funcionar e responder as demandas de um painel de utilizadores. o Capítulo aborda também a citação de dados e a estrutura jurídica para compartilhar os dados.

O projeto ODE (Opportunity for Data Exchange) desenvolveu uma pirâmide para   visualizar as diferentes etapas da curadoria digital de dados.

O capítulo 4 apresenta a administração da ciência aberta : atores, tendências, e politicas. Os  governos  estabelecem incentivos para os dados governamentais abertos e infraestruturas como Data center, para estocar, curadoria e fornecer acesso nos dados.

A iniciativa do projeto europeu Openaire permite de fornecer um “cross-link” entre publicações , dados de pesquisas e esquemas de agência de amparo.

outros atores são citados como fundações e RDA (Research Data Alliance) criada em 2013 com apoio da NSF, NIST, união Européia e  governo da Austrália  para promover compartilhamento e reutilizabilidade dos dados . RDA é organizada com Working Groups e Interest Groups e tem agora 1600 aderentes de 70 países. O relatório citou também os editores comerciais como atores importantes

Tem  country notes : observações sobre a situação da ciência aberta em cada país no site Innovation Policy Platform  (ver as informações sobre Brasil)

Fonte : OECD (2015), “Making Open Science a Reality”, OECD Science, Technology and Industry Policy Papers, No. 25, OECD Publishing, Paris. http://dx.doi.org/10.1787/5jrs2f963zs1-en. Site Web https://www.innovationpolicyplatform.org/content/open-science.

 

Novas ferramentas para pesquisadores : mudança do workflow

Na hora da transmissão numérica os cientistas poderiam ser desorientados para a multiplicação das ferramentas que aparecem na internete. Essas ferramentas podem ser usadas por um painel de acões amplas, na área professional como pessoal. A oferta é muito grande. Como conhecer, comparar e avaliar as ferramentas disponíveis ? Quais são as tendências de uso ? [L’Hostis 2015 ] .

O site : Innovations in Scholarly Communications. Changing research workflows da Universidade do Ultrecht (Holanda) apresenta um levantamento internacional para conhecer os usos efetivos das ferramentas para os cientistas. Mais de 550 ferramentas são apresentadas e descritas com uma apresentação gráfica original.

O público-alvo do levantamento são os atores da ciência : estudantes, pesquisadores e professores ou pessoas em apoio as pesquisas. Ele ficará ativo até feveireiro 2016. Mais de 4000 pessoas já responderam.  As 1000 primeiras respostas são online. Elas confirmam o uso  cada vez maior das redes socias como ferramentas (em destaque Google Scholar,  ResearchGate, Twitter) e os usos das ferramentas institucionais. Os responsáveis do projeto esperam identificar os hábitos em função de varios parámetros : disciplinas, paises, ….

Por exemplo, a questão : “qual site ou ferramenta você usa para acesso na literatura ?” tem as respostas seguintes :

101 innovations
fonte https://101innovations.files.wordpress.com/2015/06/typeform-1000-access.png

Outra originalidade é a apresentação do tipo de workflow possiveis em função das ferramentas usadas : tradicionais, modernas, open science,  inovantes, experimentais.

101innovationstypicalworkflow

O site lista por tipo de atividade as tendencias, espectativas, oportunidades desafios sobre desenvolvimentos das ferramentas e os usos.

O  poster :101 Innovations in Scholarly Communication – the Changing Research Workflow (abaixo) apresentado pelos responsáveis do projeto na conferência Force2015  (Oxford, Janeiro 2015) sintetisa os resultados.

101innovations

 

 

 

 

 

 

Réferências

Ranking Web of Repositories : a mais famosa colocação para os repositórios em acesso livre inclui redes sociais para acadêmicos para conscientizar os responsáveis de repositórios

A nova edição do Ranking Web of repositories  de janeiro de 2015 está disponível com dados de
julho de 2014.  É uma classificação dos repositórios digitais institucionais ou área temática que disponilizam documentos em acesso livre.

Os critérios para aparecer na classificação são muito simples : os repositórios tem que ter um nome de domínio ou sub-domínio próprio e deve incluir pelo menos artigos científicos “peer-reviewed”.

Número de páginas indexadas pelo Google, excluding rich files  (Peso 10%)
visibilidade : combinação (raiz quadrada) entre número de links exteriores indicando uma página do repositório e o número de domínio citantes seguindo dois bancos de dados  dos links : Majestic SEO and ahref. Os 10 domínios mais citantes são eliminados (Peso 25 %)

Altmetrics : Citações das fontes como Academia.edu, Facebook, LinkedIn, Mendeley, ResearchGate, Slideshare, Twitter, Wikipedia (all editions), Wikipedia (English edition),  YouTube and Scribd (novo nesta edição). (Peso: 25%).  nas tabelas os dados são incluídos com “Visibilidade”.

Rich files:  o número dos arquivos em  pdf, doc+docx e ppt+pptx indexados pelo Google  (peso 10%).

Scholar:  Duas variáveis do  Google Scholar são combinadas: o número de documentos publicados no período 2010-2014 (novo período nesta edição) e o número total de artigos. (Peso 30%)

o mais interessante é o aviso sobre ResearchGate, Academia.edu e Mendeley : O Webometrics inclui esses 3 serviços dentro da classificação dos portais, mais avisa que é porque os autores estão colocando publicações deles  dentro desses serviços em vez de colocar em repositórios institucionais. O pouco valor adicionado fornecido pela geração atual das ferramentas de repositório e a incapacidade dos webmasters dos repositórios para fortalecer gestão de perfil e outros parâmetros individuais são responsáveis dessa tendência “unfortunate”.

   O Webometrics quer mostrar as grandes performances desses 3 serviços concorentes para aumentar a consciência. Ele é extremamente necessário para melhorar os repositórios com  orientação para os utilizadores finais (autores) .

topportalsrespositories

Fonte : Webometrics. JANUARY 2015: New edition with updated info. 16th edition! http://repositories.webometrics.info/en/node/25.
Artigo describing the ranking : Aguillo, I.F., Ortega, J.L., Fernández, M., Utrilla, A.M. (2010). Indicators for a webometric Ranking of Open Access Repositories. Scientometrics, 82 (3): 477-486. ( author’s edition in Open Access)

Redes sociais para acadêmicos : desafios e oportunidades

As redes sociais emergeram nos anos 2008 e revolucionaram a maneira de manter contato com os outros. Redes baseadas sobre publicações oferecem funcionalidades similares dentro do contexto academico começaram em 2008. No inicio a questão do futuro dessas redes estava real, 6 anos depois tem que admitir que muitos pesquisadores são registrados (mais de 5 milhões pelo ResearchGate e 17 milhões pela Academia.edu). Todos pesquisadores registrados não utilizam plenamente essas redes e eles  não tem conhecimento dos problemas de identidade digital ou como beneficiar  dessas ferramentas. O fenomeno dessas redes questiona nossas instituições que deveriam controlar mais o conhecimento e a disseminação das informações, bem como a reputação e a visibilidade das instituições. Outro problema é  a relação entre os sistemas  institucionais onde as informações são controladas, com garantia de qualidade e  de preservação valorizando a  produção dos pesquisadores, dos laboratórios e das instituções e essas redes sociais  que valorizam mais o trabalho em rede de cada pesquisador.

A apresentação introduz as redes sociais para academicos, as funcionalidades delas, como pesquisadores poderiam beneficiar delas e como ajudar eles. Também mostra como as instituições poderiam beneficiar dessas atividades e controlar os usos mantendo ao mesmo tempo um olho sobre as utilizações dos pesquisadores.

Resumo in ingles

Since 2000 social networks have emerged, revolutionizing the way we stay in touch and share content with others. Publication-based social networks have offered similar functions within an academic context, beginning in 2008. Many researchers are registered on these sites. However, although there are some experts in this domain, many do so without fully exploiting them and without the backing of their respective institutions. Further, they proceed without a solid knowledge of the problems of digital identity or how to take advantage of related tools.
This phenomenon has plagued our institutions, with respect to the control of knowledge and the dissemination of information, the reputation and visibility of the institution, the relationship between bodies of information distributed on networks and information systems and relative to each institution’s research. Another problem that arises is that of improving research visibility and the creation of collaborations.
The presentation will introduce some academic networks, their main functions, how researchers can benefit from them and how to help researchers better utilize social networks. Further, the session will show how institutions might benefit from this activity, while also keeping a watchful eye on its use.

Aventurier, P. (2014). Academic social networks: challenges and opportunities. Presented at 7th UNICA Scholarly Communication Seminar, Rome, ITA (2014-11-27 – 2014-11-28).  Slideshare http://prodinra.inra.fr/record/275845.

academic_image_en_tête

Cientistas e as redes sociais : um artigo de Nature

Os gigantes das redes sociais estão utilisando para os cientistas num nivel nunca esperado. O artigo de  Richard Van Noorden publicado  na revista  Nature  apresenta os resultados de uma pesquisa desse jornal que começou em maio do ano passado.  3500 pessoas de  95 paises respoderam e a  novidade é que a pesquisa selecionou unicamente as repostas dos pesquisadores julgados ativos.

As redes sociais examinadas são  Researchgate, Academia.edu, Mendeley, Twitter, Linkedin e Facebook.

o radar
Um do grafico que analisa o rede Academia.edu

 A difusão dos perfis par serem contatados, ganhar mais visibilidade profissional  e a geração de contatos parecem ser os motivos principais para se inscrever.  Os outros argumentos positivos são as possibilidades de compartilhar, o acesso facil para artigos relevantes e recomendados, o uso de metricas novas para a avaliação dos trabalhos acadêmicos.

Uma parte interessante é “A battle for profiles” (batalha por perfis). O trabalho mostra que as atividades das redes para acadêmicos  são em maioria para manter perfis atrativos e atualizados.  Essa parte é ilustrada com o caso Zen Faulkes que depois da publicação de um artigo passa meio dia para atualizar os perfis dele nas diferentes ferramentas : ResearchGate, Academia.edu, ORCID – Open Researcher and Contributor ID e a sua pagina pessoal no site da instituição. O Artigo questiona o problema de manter perfis atualizados para cada instituição que pode recuperar informações nessas redes socias dentro dos sistemas de informações institucionais. O sistema VIVO podera ser uma alternativa no desenvolvimento das redes sociais de sociedades privadas. VIVO é uma ferramenta open source desenvolvida pela Universidade de Cornell. Cada universidade pode implantar ele, criar perfis para cada um dos pesquisadores e ligar o Vivo de uma universidade com aquele das outras 50 universidades que já utilizam esse sistema.

O Artigo critica o comportamento dessas redes com notificações abusivas pelo e-mail e a criação artificial de perfis para dar a ilusão que tem muito mais gente ativas que a realidade e o deposito de documentos pelos autores sobre copyright dos editores.

Para concluir o artigo mostra que essas redes sociais tornaram ferramentas legais de manter e aparecer mais não são ainda indispensaveis. Para Price, o criador da rede Academia.edu., essas redes para acadêmicos mostram a vontade nova dos cientistas de compartilhar resultados e pesquisas de maneira aberta. A implementação em março de 2013 da funcionalidade “Open Review” do ResearchGate que permite de fazer avaliação pelos pares antes ou depois da publicação do artigo numa revista (post publication peer reviewing) ilustra essa tendencia.

Esse artigo é muito interessante e faz refêrencia. Na minha opinião ele não  fala sobre a articulação entre repositorios institucionais e redes socias. Esses repositorios em open access mantidos pelas instituições distribuem os documentos cientificos e os conjuntos de dados de pesquisa de cada institutição. Eles  são indispensaveis para  manter a perenidade do acesso livre a produção cientifica.

fonte :Van Noorden, R. (2014). Scientists and the social network. Nature, 512, 126-129
http://www.nature.com/news/online-collaboration-scientists-and-the-social-network-1.15711

Dados desse artigo estão disponiveis : http://figshare.com/articles/NPG_2014_Social_Networks_survey/1132584

Vivo : http://www.vivoweb.org

Avaliação pelos pares de conjunto de dados (datasets) : quando, porque e como em geociências ?

Fonte : Mayernik, Matthew S. ; Callaghan, Sarah ; Leigh, Roland ; Tedds, Jonathan . Worley, Steven. Peer Review of Datasets: When, Why, and How. Bulletin of the American Meteorological Society 2014 ; e-View doi: http://dx.doi.org/10.1175/BAMS-D-13-00083.1.

Wikipedia http://en.wikipedia.org/wiki/NASA_World_Wind
Moon – Hypsometric Map layer Wikipedia http://en.wikipedia.org/wiki/NASA_World_Wind

Esse artigo mostra o papel central de avaliação pelos pares (peer-review) no sistema de comunicação cientifica e  como ele pode se aplicar na avaliação da qualidade dos datasets (conjuntos de dados) na área da meteorologia. A questão principal é a aplicabilidade da avaliação pelos pares sobre dados para manter qualidade e aumentar a reutilização deles.

Esse estudo faz parte do projeto PREPARDE (the Peer REview for Publication & Accreditation of Research Data in the Earth sciences) (1).

Muitos jornais tem instruções dizendo  que os dados devem ser disponíveis para cientistas, desde que eles peçam , mais na realidade isso pode ser muito dificil para cumprir. Avaliação pelos pares de dados não é muito bem definida ainda. Tem muitas barreiras como por exemplo, poucos pesquisadores podem avaliar dados e essa atividade pode levar muito tempo.

Os cenários explorados no artigo são :

  1. dados analisados dentro dos artigos científicos tradicionais :

    nessa situação os dados são vistos como um apoio logico para as conclusões do artigo de pesquisa

  2. dados publicados dentro de um jornal cientifico :

    Isso é comum em geociências : um artigo clássico apresenta um novo conjunto de dados. 11 dos 20 artigos mais citados das revista Bulletin of the American Meteorological Society são sobre dados. Esse tipo de « data paper » recebe a mesma avaliação do que os outros artigos de pesquisa, sem instruções especificas.
    A preocupação é de manter a perenidade dos dados e o link entre o artigo descrevendo eles através de parcerias entre bibliotecas e jornais com ferramenta de repositórios de dados (por exemplo http://rda.ucar.edu),  de « persistente identifier » como o DOI e da homogenização dos metadados. Esses link entre repositórios e jornais está crescendo rápido e os atores formam uma comunidade de avaliação de dados.

  3. Dados submetidos dentro de repositórios de dados abertos :

    Em geociências os repositórios de dados são criados para instituições ou para centros nacionais de dados. Esse tipo de avaliação é mais tecnica do que cientifica. Mais a situação esta evoluindo e tem repositórios que exigem uma avaliação do conjunto de dados antes de publicá-los.

    Os repositórios de dados tem expertise para implementar “data managment plan” que ensurre antes do deposito a qualidade e controle dos dados.

  4. Conjunto de dados publicados em data journals :

    Data journals são jornais que vão publicar data papers. Esses artigos vão descrever um conjunto de dados que vai ser disponibilizado dentro de um repositório explicando as condições de processamento, a coleção e formato de arquivos. Data papers são uma etapa para fornecer documentação sobre a qualidade e são também o primeiro passo entre utilisadores e produtores. Eles precisam ser avaliados. O artigo completo analisa três data journals :  Earth System Science Data (Copernicus), Geoscience, Data Journal (Wiley), and Scientific Data (Nature). Ver também o pos nesse blog Publicação dos dados em Data journals.

Avaliação de dados de pesquisa não é ainda bem definida. Portanto definir a qualidade de conjuntos de dados é uma tarefa multi-facetas que envolvem processamentos automáticos e manuais.

Adicionar dados de pesquisa dentro do sistema de publicação e avaliação aumenta o estresse sobre o sistema de publicação cientifica. Mais se é feito com preparação e antecedencia poderá aumentar a confiança aos conjuntos de dados individuais, reforçar o sistema de citação dos datasets e a transparência e traçabilidade dos dados e também das publicações.

1 PREPARDE http://www2.le.ac.uk/projects/preparde

Bibliometria : colaboração Brasil-França em ciências agrárias (2004-2013)

Trabalho apresentato no  IV Encontro Brasileiro de Bibliometria e Cientometria (EBBC). Universidade Federal de Pernambuco. Recife (Brasil) May 14-16, 2014. A colaboração Brasil-França na pesquisa em ciências  agrárias  (2004-2013).

Autores :
Sibele Fausto (USP), sifausto@usp.br @sibelefausto (coordenadora do trabalho)
Ricardo Arcanjo De Lima (EMBRAPA), ricardo.arcanjo@embrapa.br @RicardoArcanjo
Pascal Michel Aventurier (INRA), Pascal.Aventurier@paca.inra.fr @Pascal_Av

texto integral –  Apresentação oral no Slideshare

1 INTRODUÇÃO

Entre os vários eixos temáticos dos estudos bibliométricos, incluem-se as análises de colaboração na Ciência, que permitem caracterizar e localizar a atividade científica de elementos como países, regiões, instituições e autores em relação a outros. Segundo Glänzel (2002), o método bibliométrico para análise da colaboração científica é o estudo de coautoria. O Brasil e a França possuem uma longa tradição na pesquisa agrícola, e também colaborações bilaterais (ALVES; CONTINI; HAINZELIN, 2005). Segundo um estudo de Bédu et al. (2012), usando dados da Web of Science (WoS), as coautorias entre Brasil e França estão em segundo lugar nas colaborações internacionais do Intituto Nacional de Pesquisa Agronômica (Institut national de la recherche agronomique – INRA), da França, com 12,6% do total de artigos publicados, atrás apenas dos Estados Unidos com 37,7%. No entanto essas parcerias são desprovidas de análises bibliométricas publicadas documentando mais detalhadamente essa relação. Este trabalho objetiva investigar como se apresenta a colaboração Brasil-França na pesquisa em Ciências Agrárias, verificando aspectos bibliométricos dessa parceria no período de dez (10) anos, entre 2004 a 2013, além de visualizar a rede institucional formada por essas colaborações através de uma ferramenta de Análise de Redes Sociais (ARS).

2 Metodologia

A fonte dos dados a ser usada para realização de estudos de colaboração deve ser multidisciplinar, abrangente e registrar os dados completos de afiliação institucional para cada documento incorporado. Atualmente duas bases apresentam todos os critérios necessários: Web of Science (Thomson Reuters) e Scopus (Editora Elsevier).

Para realização do presente estudo optou-se pela base de dados Scopus[1], fonte que se apresenta com a maior cobertura de publicações internacionais após 1996, compreendendo 20.000 títulos de 5.000 editoras. O intervalo de tempo utilizado no estudo foi de 10 anos, considerando que este período permite identificar e analisar o comportamento e as regularidades da atividade científica na área de Ciências Agrárias.

A formulação de uma estratégia para a recuperação de publicações científicas é complexa, principalmente em áreas como as Ciências Agrárias, que recebem contribuição de diversas áreas do conhecimento. Tendo em vista a dificuldade de trabalhar isoladamente com as disciplinas que compõem a área da pesquisa em Ciências Agrárias, optou-se por utilizar na estratégia de recuperação dos dados a categoria “Agricultural and Biological Sciences” presente na base Scopus (Quadro 1), que é suficientemente abrangente e  considera a interface multidisciplinar das Agrárias

Quadro 1. Estratégia de busca para recuperação de dados sobre publicações científicas brasileiras em colaboração com a França na área de Ciências Agrarias

Expressão
AFFILCOUNTRY (brasil OR brazil OR bresil AND france) AND DOCTYPE(article OR review)
AND PUBYEAR > 2003 AND PUBYEAR < 2014 AND (LIMIT-TO(SUBJAREA, "AGRI"))
Registros: 1.481

Com base na estratégia de busca foi recuperado o universo da produção científica conjunta entre Brasil e França na área de Ciências Agrárias. Os 1.481 registros recuperados foram tratados com o software VantagePoint7, que nos permitiu trabalhar com cada um dos campos da base, listando e agrupando as informações contidas nos registros por matrizes de colaboração, segundo as categorias: (i) evolução quantitativa das colaborações Brasil-França entre 2004-2013; (ii) temáticas mais abordadas; (iii) instituições mais produtivas; e (iv) títulos de revistas com mais publicação.

Complementarmente, procedeu-se a uma análise da rede de colaboração entre os autores através do software Gephi[2] com as listagens obtidas de (iii); e com os dados de (iv), a uma classificação da relevância dos títulos das revistas com a ferramenta NOtoriété des Revues et Indicateurs d’Articles (NORIA)[3], desenvolvida para uso interno no INRA. A NORIA permite a distribuição dos títulos de acordo com um intervalo do quartil do Fator de Impacto (FI) de cada revista, distribuindo-as em 5 categorias de cores diferentes: Excepcional (Exceptionnelle – em vermelho), Excelente (Excellente – em verde), Correto (Correcte – azul escuro), Aceitável (Acceptable – azul claro), e Ruim (Médiocre – em laranja) conforme indicam Désiré, Magri e Solari (2012) em sua metodologia.

4 Resultados e discussão

A colaboração Brasil-França evoluiu entre 2004 e 2013 com uma média de 148,10 publicações por ano, a uma taxa de crescimento anual médio de 11.79%, com destaque para os anos de 2006 (crescimento de 13,13%), 2008 (com um pico de 22,22% de crescimento), 2009 e 2010 (com crescimentos aproximados, de 16,67% e 16,30% respectivamente), e no ano de 2013, com 17,01% de crescimento após um período de decaimento nos dois anos anteriores, 2011 (5,15%) e 2012, que apresentou crescimento negativo de -3,09%, conforme mostra o Gráfico 1.

Image1

Gráfico 1: Evolução da Colaboração Brasil-França em número de publicações

(2004-2013). Fonte: Scopus

Em relação às temáticas nas colaborações Brasil-França no período estudado, verifica-se que há uma ampla variedade de temas comuns, com “Taxonomia” e “Amazônia” liderando em número de publicações, com 35,12% e 34,11% do total da amostra. Também merecem destaque “Eucalipto” e “Cerrado”, com 19,6% e 18,6% do total, respectivamente (Gráfico 2). Segundo uma análise do Observatoire des Sciences et de la Technologie (OST) francês (2010), o Brasil apresenta um perfil particular de áreas de pesquisa em relação a outros países do bloco BRIC, com destaque em Biologia Aplicada e Ecologia, o que pode explicar esse resultado.
Image2

Gráfico 2: Temáticas abordadas na colaboração Brasil-França (2004-2013). Fonte: Scopus

O mapa da rede de colaboração obtido após tratamento dos dados com o VantagePoint7 (Figura 1), com a normalização dos nomes das instituições envolvidas, representa 89 instituições com pelo menos cinco parcerias, 41  instituições francesas e  48 brasileiras, mostrando os principais centros de produção de conhecimento em Ciências Agrárias na cooperação Brasil-França.

Entre as instituições brasileiras a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) e a Universidade de São Paulo (USP) merecem destaque. A primeira é uma instituição voltada exclusivamente para a pesquisa agropecuária e possui um laboratório localizado na Fundação Agropolis em Montpellier-França; a Universidade de São Paulo por sua vez possui uma das mais prestigiadas escolas de Agronomia, a “Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz”. Outras instituições brasileiras que se mostraram bem ativas na cooperação científica agrícola com a França foram a Universidade Federal de Viçosa (UFV), Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE) e Universidade de Brasília, todas contando com importantes institutos agronômicos e excelentes programas de pós-graduação na área das Ciências Agropecuárias e/ou relacionadas.

Já entre as instituições francesas, destacam-se o Centro de Cooperação Internacional em Pesquisa Agronômica para o Desenvolvimento (Centre de coopération internationale en recherche agronomique pour le développement – Cirad), o Instituto de Pesquisa para o Desenvolvimento (Institut de recherche pour le développement – IRD) e o INRA, que são instituições de pesquisa francesas com orientação internacional. A universidade de Montpellier também é muito presente na colaboração, com a citada Fundação Agropolis, pólo de pesquisa em Agronomia; seguida pela Universidade Paris 6, que igualmente desenvolve importantes pesquisas na área agrícola. As colaborações que envolvem uma dessas três instituições brasileiras (USP, Embrapa, UFRJ) e um das quatro instituições francesas (CIRAD, IRD, CNRS e INRA) representam 18% do total das colaborações (498/2.771 relações). Essas instituições apresentam 52% das publicações (1.598/3.097).

Image3

Figura 1: Mapa de rede das colaborações Brasil-França (2004-2013). Fonte: Scopus

FR-BR-mapa completa
CC-BY – Pascal Aventurier

Ver a  a mapa em forma completa

Em relação às revistas, conforme o Gráfico 3, 20 títulos publicaram 383 artigos oriundos da colaboração Brasil-França, e a análise da sua relevância com a ferramenta NORIA mostrou que a maioria desses títulos é classificada como Excepcional (cor vermelha): PloS ONE como a primeira em número de artigos publicados (111 artigos; FI 3.730); New Phytologist (FI 6.736); Journal of Agricultural and Food Chemistry (FI 2.906) e Agriculture, Ecosystems and Environment (FI 2.859) com 14 artigos publicados em cada; Journal of Experimental Botany (FI 5.242) e Biogeosciences (FI 3.754), com 12 artigos cada; PLoS Genetics (FI 8.517); Molecular Ecology Resources (FI 7.432) e Biological Conservation (FI 3.794) com 9 artigos cada, totalizando 204 artigos, 53.26% do total de publicações somente nessas 20 revistas, cujos outros títulos também estão em geral bem classificados, com 5 revistas Excelentes (cor verde, 74 artigos publicados, 19.32% do total); 1 revista Correta (azul escuro, 19 artigos , 4.96% do total) e  2 Aceitáveis (azul claro, 37 artigos, 9.66% do total). Destaca-se que a NORIA é uma ferramenta de classificação de revistas com escopo internacional, e que os títulos brasileiros Revista Brasileira de Ciência do Solo (FI 0.733) e Pesquisa Agropecuária Brasileira (FI 0.661), que juntos publicaram 40 artigos nessa colaboração, são veículos de orientação nacional e muito bem classificados pela lista Qualis, edição 2013[4], classificação que reúne títulos dos periódicos utilizados na divulgação da produção intelectual de pesquisadores brasileiros, produzida e mantida pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), órgão vinculado ao Ministério da Educação (SOUZA, 2004), onde figuram como B1(Revista Brasileira de Ciência do Solo) e A2 (Revista Agropecuária Brasileira) na área de avaliação Ciências Agrárias I.

Image4

Gráfico 3: Revistas com mais publicação no período 2004-2013 e sua relevância

5 Conclusões

Este estudo mostrou como se apresenta a colaboração Brasil-França na área da pesquisa em Ciências Agrárias, evidenciando aspectos dessa parceria no período entre 2004 a 2013. Os resultados mostraram que a colaboração entre esses dois países é importante em volume e aborda temáticas diversas – em especial sobre Taxonomia, Amazônia, Eucalipto e Cerrado; e é publicada em revistas consideradas bem classificadas. Este estudo pode ser expandido, aprofundando a análise de aspectos subjacentes a essa rede de colaboração abordando outros aspectos inerentes à ARS como as propriedades dos laços (simétricos, assimétricos, direcionais, não-direcionais), os graus de representação dos elementos da rede (centralidade, proximidade, intermediação), a abrangência, a conectividade e a densidade, entre outros, bem como quais outros países se agregam a essa colaboração, a evolução das temáticas ao longo dos anos e a classificação da relevância de todos os títulos de revista que publicaram o produto dessa associação tanto com instrumentos como a NORIA como a Qualis-Capes, avaliando veículos de publicação de orientação internacional e nacional, deixando entrever que há uma enorme demanda exploratória nessas relações, contribuindo para sua avaliação e estimulando políticas de fortalecimento da relação bilateral na produção científica na pesquisa em Ciências Agrárias.

REFERÊNCIAS

ALVES, E.; CONTINI, E.; HAINZELIN, E. Transformações da agricultura brasileira e pesquisa agropecuária. Cadernos de Ciência & Tecnologia, Brasília, v. 22, n. 1, p. 37-51, 2005.

DÉSIRÉ, M.; MAGRI, M.-H.; SOLARI, A. Référentiel des notoriétés. Jouy-en-Josas: INRA, 2012. (Version 2).

GLÄNZEL, W. Coauthorship patterns and trends in the sciences (1980-1998): a bibliometric study with implications for database indexing and search strategies. Library Trends, v. 50, p. 461-473, 2002.

BÉDU, O.; FOURNIER, D.; LEISER, H.; TATRY, M.-V. Cartographie des collaborations internationales de l’Inra. Cahier des Techniques de l’INRA, n. esp., p. 35-43, 2012.

OBSERVATOIRE DES SCIENCES ET DES TECHNIQUES (OST). Rapport Biennal OST 2010. Paris: OST, 2010. Disponível em: <http://www.obs-ost.fr/fr/frressources_en_ligne/rapports_analyses_reference/rapport2010VersionTelechargeable>. Acesso em 5 fev. 2014.

SOUZA, M. I. F. SciELO e Qualis: conheça as fontes de divulgação de artigos científicos. AGRInforma, ano II, n. 11, set./out. 2004. Disponível em: <http://www.cnptia.embrapa.br/node/134.html>. Acesso em 17 fev. 2014.

 


[1]  Base de dados Scopus: http://www.info.scopus.com.

[2] Gephi: aplicativo livre de Análise de Redes Sociais (ARS): https://gephi.org/.

[4] Qualis-Capes 2013. Disponível no WebQualis: http://qualis.capes.gov.br/webqualis/principal.seam.

Academic Torrents : um torrent para dados acadêmicos

Dois estudantes da Universidade de Massachusetts  abriram a plataforma  Academic Torrents que permite aos cientistas de compartilhar publicações e dados de pesquisa [1].  A diferência do outros repositorios de dados como  Zenodo, Dryad ou  Figshare, AcademicTorrents usa  o  protocolo bittorrent para oferecer recursos compartilhados (Peer to Peer ou P2P).  O site  indexa mais de  1.5 petabits de dados  [1] e mais de 6.91Tb de dados  disponiveis. Ele tem conteudo em destaque como :  o mapa de março da NASA, ou uma  copia de Wikipedia.

Com Academic Torrents é possivel buscar documentos, dados ou coleções. Em baixo as listas de  coleções :

Esse projeto e interessante porque ele oferece uma resposta no problema da disponibilização dos dados de pesquisa com gerência das instituições de pesquisas [2]. Os dados são repartilhadas no sites que carregarem os dados e o acesso é garantido mesmo sem site principal conectado. O maior problema pode ser as restrições de segurança de uso desse protocolo nas instituições de pesquisa ou universidades. Um cliente bit torrent é indispensavel para usar o site.

http://academictorrents.com/

[1] “Academics Launch Torrent Site to Share Papers and Datasets | TorrentFreak.” Accessed February 26, 2014. http://torrentfreak.com/academics-launch-torrent-site-to-share-papers-and-datasets-140131/.

[2] “Academic Torrents: Bringing P2P Technology to the Academic World.” MyScienceWork. Accessed February 26, 2014. https://www.mysciencework.com/news/11123/academic-torrents-bringing-p2p-technology-to-the-academic-world.