Identificadores de autores e de pesquisadores : OrcID, ResearcherId, ISNI, ….

Um identificador de autor ou de pesquisador é um código digital que permite de identificar de maneira única este pesquisador ou autor dentro de um ambiente digital definido (Web Of Science Scopus, CV Lattes, repositórios digitais etc). Ele permite de atribuir a este pesquisador as produções das quais ele é o autor (publicação, dados científicos etc) evitando as confusões relacionadas a homônimo e associando as diferentes formas de escrever o nome de um autor como o nome com iniciais, mudança de nome do autor. Ele evita aos pesquisadores de escrever as informações sobre ele e permite de exportar ou importar as referências de um banco de dados pelo outro se elas são interconectadas. O identificador representa uma chave única que facilita a pesquisa de informação..

O Orcid (Open Researcher and Contributor ID) parece ser uma boa escolha para as razãos seguintes :  Continuar a ler “Identificadores de autores e de pesquisadores : OrcID, ResearcherId, ISNI, ….”

Novas ferramentas para pesquisadores : mudança do workflow

Na hora da transmissão numérica os cientistas poderiam ser desorientados para a multiplicação das ferramentas que aparecem na internete. Essas ferramentas podem ser usadas por um painel de acões amplas, na área professional como pessoal. A oferta é muito grande. Como conhecer, comparar e avaliar as ferramentas disponíveis ? Quais são as tendências de uso ? [L’Hostis 2015 ] .

O site : Innovations in Scholarly Communications. Changing research workflows da Universidade do Ultrecht (Holanda) apresenta um levantamento internacional para conhecer os usos efetivos das ferramentas para os cientistas. Mais de 550 ferramentas são apresentadas e descritas com uma apresentação gráfica original.

O público-alvo do levantamento são os atores da ciência : estudantes, pesquisadores e professores ou pessoas em apoio as pesquisas. Ele ficará ativo até feveireiro 2016. Mais de 4000 pessoas já responderam.  As 1000 primeiras respostas são online. Elas confirmam o uso  cada vez maior das redes socias como ferramentas (em destaque Google Scholar,  ResearchGate, Twitter) e os usos das ferramentas institucionais. Os responsáveis do projeto esperam identificar os hábitos em função de varios parámetros : disciplinas, paises, ….

Por exemplo, a questão : “qual site ou ferramenta você usa para acesso na literatura ?” tem as respostas seguintes :

101 innovations
fonte https://101innovations.files.wordpress.com/2015/06/typeform-1000-access.png

Outra originalidade é a apresentação do tipo de workflow possiveis em função das ferramentas usadas : tradicionais, modernas, open science,  inovantes, experimentais.

101innovationstypicalworkflow

O site lista por tipo de atividade as tendencias, espectativas, oportunidades desafios sobre desenvolvimentos das ferramentas e os usos.

O  poster :101 Innovations in Scholarly Communication – the Changing Research Workflow (abaixo) apresentado pelos responsáveis do projeto na conferência Force2015  (Oxford, Janeiro 2015) sintetisa os resultados.

101innovations

 

 

 

 

 

 

Réferências

LusOPenEdition

lusopendition

O projeto LusOpenEdition é um projeto orientado em ciências sociais e humanas. Ele disponibiliza à comunidade científica lusofona quatro plataformas de publicação e de informação em ciências sociais e humanas, de âmbito internacional. :
* Books – Coleções de livros
* Revues.org – Revistas em acesso livre
* Calenda – Agenda de evento em ciências sociais e humanas
* Hypotheses – Cadernos de investigação. (Os Cadernos de hypotheses são blogs com WordPress).

LusOpenEdition é a versão portuguese de um projeto françês OpenEdition do Centre pour l’édition électronique ouverte (Cléo – UMS 3287). A versão portuguesa ganha mais dois parceiros : CRIA e a Fundação Calouste Gulbenkian.

Os serviços de Open Edition e os interesse dos cientistas para os contéudo dessa plataforma faz que  ela garanta um impacto cientifico e uma visibilidade dentro das comunidades que olham a plataforma OpenEdition. Aqui estamos bem longe do factor de impacto para avaliação da qualidade dos textos científicos. Um fator importante e que tem profissionais para acompagnar os editores e os cientistas que escrevem nos cadernos..

O revue.org  e uma plataforma completa para a geração de jornais científicos.

O Hypothese  apresenta blogs onde o processo de publicação cientifiçà pode ser experimentado como comentários sobre artigos já publicados,   consolidação de textos antes da submissão a um jornal, e nota de leituras para divulgar um ponto de visto original sobre um artigo.

O OpenEdition Freemium e um novo modelo de acesso livro, que e muito interessante.
Os conteúdos dos jornais e cadernos são em acesso livre, mais as universidades ou instituções, podem participar – Atraves dos serviços de bibliotecas-  para dar mais serviços aos usurários deles.
O serviços da opção freemium são apresentados em seis grupos (ver o site).  Entre eles,  para usurários : acesso aos artigos em vários formatos, formações, para bibliotecas, : recuperação de dados bibliográficos, estatísticas de consultação no formado Counter participação em manifestação como ThatCamp Paris.

Esse modelo tem o vantagem de colocar as bibliotecas no centro do processo de promoção do acesso livre.

Fontes :

Guia para iniciar um jornal em acesso aberto

Starting an Open Access Journal: a step-by-step guide.  Martin Paul Eve.
https://www.martineve.com/2012/07/13/starting-an-open-access-journal-a-step-by-step-guide-table-of-contents/

O autor apresentou uma guia para iniciar um jornal em acesso aberto. O guia esta em inglês e esta mais para as ciencas socias . Tem 5 partes nesse guia. Gostei muito do assunto  do artigo  dele “Tear it down, build it up: the Research Output Team, or the library-as-publisher” sobre a ideia que as bibliotecas poderão também estar na edição de revistas cientificas.

Na parte 1 tem dicas para  os custos  como a constituição do Editorial Board.

Na parte 2 tem pressupostos tecnológicos  para a instalação da ferramenta OJS (Open Journal System).

Parte 3 é dedicada ao lancamento do jornal e ao processo do avaliação por pares (peer review) com OJS. Tem ate modelo de e-mail.

Parte 4 é para copy editing e proof reading

“Copy editing” é  o processo de transformação de um artigo no padrão da revista, para erradicar erores de ortografia e estilo. O typesetting (composição tipográfica)  esta para fazer converção   como ela vai aparecer no documento final ( galley). O proofreading (revisão) é a fase de  verificação do problema durante a  transcrição do “copyedited” versão ate o documento final . Inevitavelmente, tem erros esquecidos. Por isso se torna um processo interativo entre a composição e a revisão.

Parte 5 é como registrar o seu jornal nos sistemas com o ISSN (numeros dos journais); o DOAJ Directory of Open Access Journals e o Crossref.

29/08/2012

No Blog do Prof Kuramoto tem uma critica sobre esse guia .

Para completar  esse assunto, perguntei aos colegas do EASE  (European Association of Scientific Publishers) fontes adicionais.

Estudo sobre o papel das redes sociais na comunicação cientifica

Leitura do estudo Social Networking Sites and their role in Scholarly Communications– maio de 2011   Centre for Research Communications at the University of Nottingham (UK).  Disponível em: <  http://crc.nottingham.ac.uk/projects/rcs/Social_Networking_Report-Duke&Jordan.pdf > Acesso em : 31 jul. 2011.

Este estudo tem como objetivo auxiliar pesquisadores que usam as redes socias e como elas podem ser usadas em relação aos open access repositórios.

O estudo pediu aos pesquisadores e doutorados teorizar sobre a utilização das redes socias em suporte de pesquisas e qual e o conhecimento deles sobre o Open Access.

O foco da pesquisa está nos 6 sites vinculados a área acadêmica:  academia.edu, Peer Evaluation , Mendeley, Research Gate, SciSpace, Zotero.

Linkedin tem uma posição diferente dos outros, porque se definiu mais para contatos de negócio do que para contatos científicos

Os outros sites são Academici (fechado) Epernicus Network, Quartzy (só para material labs), MyScience (só para buscar empregos), CiteUlike, MyExperiment

Quinze universidades foram escolhidas para participar da pesquisa, constituindo um questionário com diversas áreas de interesse. Só 117 respostas voltaram (9%) , 85 respostas dos pesquisadores e 32 respostas dos estudantes.

As repostas são compartilhadas entre jovens pesquisadores, estudantes (59), pesquisadores master (44)  e  seniors  (19).

A primeira questão foi sobre o conhecimento de cada um em relação as redes socias.

Como ninguém conhece  as seguintes : myExperiment, SciSpace, Quartzy, Peer Evaluation e myScience.ch, Epernicus Network. A pesquisa  vai trabalhar só sobre Mendeley, Zotero, CiteULike, Academia.edu, LinkedIn e ResearchGate.

Alguns pesquisadores falam sobre Facebook e sobre o  Twitter para fazer conexão além do Xing, Ning, Second Life and Biomed Experts.

O estudo teve questões sobre

material de publicação
contato com outros pesquisadores
busca de outros pesquisadores
busca de material pertinente (documentos)

Os 3 últimos pontos foram perguntas sobre  o uso do E-mail, do Twitter e da participação em congressos e  eventos

Os resultados são que o e-mail e a participação nos eventos continuam dominando o sistema  de comunicação dos pesquisadores. Fora o LinkedIn , nenhuma outra  rede social está sendo usada mais do que 5% . . 3 sites são usando para publicação, porém  não estão sendo  utilizados  para a publicação do processo de trabalho .

O estudo delinea um grupo, denominado de grupo X,  usuário do Mendeley, Zotero, CiteULike, Academia.edu and ResearchGate . Esse grupo representa 16% dos participantes da pesquisa, mas na sua maioria não usa todas as possibilidades das ferramentas contidas no site. Quanto ao  Linkedin, este é  usado por 19 % dos pesquisados

O mais interessante do estudo e que a maioria dos pesquisados não tem interesse de mudar a maneira de comunicação,  incluindo eventos. Os uso do e-mail esta permanecendo como o preferido  em comparação as redes, como por exemplo: O  Facebook ou  O Twitter. Outras Redes sociais  além do  Facebook  são usadas para um significativo número de  pesquisadores, entretanto apenas para  uma  minoria.

Os autores ficaram  surpresos pois perceberam  na pesquisa que não há sinais de grande procura em relação ao uso das redes socias. Apenas 30 % dos pesquisados usam uma rede social como suporte nas suas pesquisas.

A parte “Open access e redes socias “ mostra que os pesquisadores não conhecem bem os dois caminhos do acesso livre : Open Access jornais e repositórios institucionais. Não existe muita relação entre a publicação (difusão, avaliação) em acesso livre e o uso das redes sociais. O estudo demonstra também que se tem pouco incentivo das instituições em publicações pelo sistema  acesso livre, além do que os publicados numa rede social.

As conclusões que chegaram é  que apenas 16 %  usam outras  redes socias  do que Linkedin, mas na verdade só Zotero e Mendeley são muito usadas, na proporção de um para cada 2 dos pesquisadores.

Muitos pesquisadores pretendem criar uma conta nos sites com o  único objetivo de observar o seu  funcionamento e o perfil dos usuários. Na maioria dos casos, o site não atende às expectativas desses usuários. Eles normalmente se adicionam no site porque  foram convidados por seus colegas.

O esforço para usar esse site é grande e os pesquisadores estão muito ocupados.

A massa crítica não é alcançada… todos tem telefone ou e-mail mais apenas uma pequena parte dos pesquisadores estão presentes nas redes.

O estudo fala também que tem casos de sucesso : ArchivX para os físicos e o Plos Biology, que podem ser usandos como exemplo. E neste último, eu me coloco como um caso típico aqui.

O estudo insiste sobre a importância de guias de boas práticas em comunicação cientifica e a necessidade de dar mais visibilidade aos repositórios institucionais como portais de informação de grande importância para a democratização e divulgação dos conhecimentos