Medindo, classificando, apoiando e fortalecendo a publicação científica em acesso aberto no Brasil [nota de leitura]

 

Esse artigo [1] mostra a influência do modelo acesso livre (ou acesso aberto) na qualidade das revistas cientificas brasileiras  e compara  em diferentes disciplinas  a notoriedade dos jornais brasileiros em relação aos  jornais internacionais.

Esse trabalho analisou um painel impressionante de sistema de referências mais a base de referência é o sistema Qualis da CAPES.  O Qualis é o sistema brasileiro para avaliação dos jornais  como outros bancos de dados para examinar a relação entre qualidade académica e acesso livre no contexto brasileiro. Usando as diferentes fontes citadas acima o estudo mostra a proporção de jornais em  tipo de acesso livre e a avaliação dos jornais brasileiros para cada disciplina.

O artigo mostra que o Brasil de acordo com o Ulrich’s directory tem mais  publicações em acesso livre do que qualquer outro país  (69% dos artigos em Acesso Livre). Continuar a ler “Medindo, classificando, apoiando e fortalecendo a publicação científica em acesso aberto no Brasil [nota de leitura]”

Fazer da ciência aberta uma realidade : relatório da OECD

oecdO OECD publicou um relatório sobre ciênca aberta “Making open science a reality”.

Ciência aberta pode ser considerada como um conceito mais amplo do acesso aberto para publicações e dados de pesquisas. Ciência aberta acontece em todas as etapas das pesquisas (o relatório tem um glossário).  Ela inclui também a interoperabilidade das infraestruturas científificas, metodologias compartilhadas e ferramentas para data mining. O relatório da OECD mostra as tendências recentes em políticas de ciências abertas em particular sobre as iniciativas para promover acesso aos resultados financiados  com fundos públicos (publicação e dados de pesquisas).

O relatório analisa também os papéis dos diferentes atores da ciência aberta : pesquisadores, ministérios dos governos, agência de amparo, universidades e institutos de pesquisas, bibliotecas, data center, repositórios, ongs privadas e fundações,  editores privados e comerciais em geral.

Organizações intergovernamentais (OECD, UNESCO, EU and Worldbank) tem um papel muito importante para a definição de acordos internacionais ou orientações sobre ciências abertas que poderão ser adotadas pelos países por exemplo. Essas organizações são muito atívas nesse domínio.

O relatório destaca as principais conclusões que mostram a importância da ciência aberta para melhorar a qualidade da ciência,  aumentar as colaborações que envolvem  pesquisas e sociedades e pode contribuir para um melhor impacto socio-econômico das pesquisas públicas.

Politicas de incetivo sobre dados abertos são menos estabelecidas do que aquelas sobre publicações. Elas são um princípio de base que devem ser adaptadas em função do domínio (medicina por exemplo ) e das realidades locais.

Iniciativas para promover ciência aberta para os pesquisadores são necessárias. É importante também desenvolver competências para gestão de dados.

O relatório menciona  os planos de  iniciativas sobre politicas do BRICS (Brasil, China e India) para ciênca aberta e data infraestrutura. É  importante para esses países porque a produção de conhecimento, pesquisa e desenvolvimento industrial estão em crescimento.

Desafios globais precisam também de um melhor acesso aos dados nacionais e consequentemente uma melhor cooperação  global.

O capítulo 2 apresenta o acesso aberto sobre publicações com o projeto “open citation advantage“, a duração do embargo em função das disciplinas e a porcentagem de artigos em  acesso livre, os diferentes meios do acesso livre, as novas métricas como Altmetrics e no final a importância da mineração de textos  e da propriedade intelectual. Aborda também o open peer review com a experiência do F1000Research.

O capítulo 3 destaca a situação dos dados abertos de pesquisa. A pesquisa científica é conduto pelos dados (data driven) e permite o desenvolvimento de experimentação como simulação com algaritmo, mesmo em domínio onde dados são menos incentivados. Os dados são também infraestrutura porque eles permitem a construção de vários sistemas para funcionar e responder as demandas de um painel de utilizadores. o Capítulo aborda também a citação de dados e a estrutura jurídica para compartilhar os dados.

O projeto ODE (Opportunity for Data Exchange) desenvolveu uma pirâmide para   visualizar as diferentes etapas da curadoria digital de dados.

O capítulo 4 apresenta a administração da ciência aberta : atores, tendências, e politicas. Os  governos  estabelecem incentivos para os dados governamentais abertos e infraestruturas como Data center, para estocar, curadoria e fornecer acesso nos dados.

A iniciativa do projeto europeu Openaire permite de fornecer um “cross-link” entre publicações , dados de pesquisas e esquemas de agência de amparo.

outros atores são citados como fundações e RDA (Research Data Alliance) criada em 2013 com apoio da NSF, NIST, união Européia e  governo da Austrália  para promover compartilhamento e reutilizabilidade dos dados . RDA é organizada com Working Groups e Interest Groups e tem agora 1600 aderentes de 70 países. O relatório citou também os editores comerciais como atores importantes

Tem  country notes : observações sobre a situação da ciência aberta em cada país no site Innovation Policy Platform  (ver as informações sobre Brasil)

Fonte : OECD (2015), “Making Open Science a Reality”, OECD Science, Technology and Industry Policy Papers, No. 25, OECD Publishing, Paris. http://dx.doi.org/10.1787/5jrs2f963zs1-en. Site Web https://www.innovationpolicyplatform.org/content/open-science.

 

Ranking Web of Repositories : a mais famosa colocação para os repositórios em acesso livre inclui redes sociais para acadêmicos para conscientizar os responsáveis de repositórios

A nova edição do Ranking Web of repositories  de janeiro de 2015 está disponível com dados de
julho de 2014.  É uma classificação dos repositórios digitais institucionais ou área temática que disponilizam documentos em acesso livre.

Os critérios para aparecer na classificação são muito simples : os repositórios tem que ter um nome de domínio ou sub-domínio próprio e deve incluir pelo menos artigos científicos “peer-reviewed”.

Número de páginas indexadas pelo Google, excluding rich files  (Peso 10%)
visibilidade : combinação (raiz quadrada) entre número de links exteriores indicando uma página do repositório e o número de domínio citantes seguindo dois bancos de dados  dos links : Majestic SEO and ahref. Os 10 domínios mais citantes são eliminados (Peso 25 %)

Altmetrics : Citações das fontes como Academia.edu, Facebook, LinkedIn, Mendeley, ResearchGate, Slideshare, Twitter, Wikipedia (all editions), Wikipedia (English edition),  YouTube and Scribd (novo nesta edição). (Peso: 25%).  nas tabelas os dados são incluídos com “Visibilidade”.

Rich files:  o número dos arquivos em  pdf, doc+docx e ppt+pptx indexados pelo Google  (peso 10%).

Scholar:  Duas variáveis do  Google Scholar são combinadas: o número de documentos publicados no período 2010-2014 (novo período nesta edição) e o número total de artigos. (Peso 30%)

o mais interessante é o aviso sobre ResearchGate, Academia.edu e Mendeley : O Webometrics inclui esses 3 serviços dentro da classificação dos portais, mais avisa que é porque os autores estão colocando publicações deles  dentro desses serviços em vez de colocar em repositórios institucionais. O pouco valor adicionado fornecido pela geração atual das ferramentas de repositório e a incapacidade dos webmasters dos repositórios para fortalecer gestão de perfil e outros parâmetros individuais são responsáveis dessa tendência “unfortunate”.

   O Webometrics quer mostrar as grandes performances desses 3 serviços concorentes para aumentar a consciência. Ele é extremamente necessário para melhorar os repositórios com  orientação para os utilizadores finais (autores) .

topportalsrespositories

Fonte : Webometrics. JANUARY 2015: New edition with updated info. 16th edition! http://repositories.webometrics.info/en/node/25.
Artigo describing the ranking : Aguillo, I.F., Ortega, J.L., Fernández, M., Utrilla, A.M. (2010). Indicators for a webometric Ranking of Open Access Repositories. Scientometrics, 82 (3): 477-486. ( author’s edition in Open Access)

Academic Torrents : um torrent para dados acadêmicos

Dois estudantes da Universidade de Massachusetts  abriram a plataforma  Academic Torrents que permite aos cientistas de compartilhar publicações e dados de pesquisa [1].  A diferência do outros repositorios de dados como  Zenodo, Dryad ou  Figshare, AcademicTorrents usa  o  protocolo bittorrent para oferecer recursos compartilhados (Peer to Peer ou P2P).  O site  indexa mais de  1.5 petabits de dados  [1] e mais de 6.91Tb de dados  disponiveis. Ele tem conteudo em destaque como :  o mapa de março da NASA, ou uma  copia de Wikipedia.

Com Academic Torrents é possivel buscar documentos, dados ou coleções. Em baixo as listas de  coleções :

Esse projeto e interessante porque ele oferece uma resposta no problema da disponibilização dos dados de pesquisa com gerência das instituições de pesquisas [2]. Os dados são repartilhadas no sites que carregarem os dados e o acesso é garantido mesmo sem site principal conectado. O maior problema pode ser as restrições de segurança de uso desse protocolo nas instituições de pesquisa ou universidades. Um cliente bit torrent é indispensavel para usar o site.

http://academictorrents.com/

[1] “Academics Launch Torrent Site to Share Papers and Datasets | TorrentFreak.” Accessed February 26, 2014. http://torrentfreak.com/academics-launch-torrent-site-to-share-papers-and-datasets-140131/.

[2] “Academic Torrents: Bringing P2P Technology to the Academic World.” MyScienceWork. Accessed February 26, 2014. https://www.mysciencework.com/news/11123/academic-torrents-bringing-p2p-technology-to-the-academic-world.

Sobre o artigo “que tem medo do peer-review ?” publicado na revista Science

O fato :

Um artigo falso foi submetido a várias revistas científicas de acesso aberto para avaliação pelos pares. Esse artigo foi aceito pela maioria das revistas em acesso aberto – 157 de 304 revistas para onde o artigo foi enviado. Algumas dessas revistas pertecem a editores internacionais como a Sage e a Elsevier.

O artigo desse escândalo e o seguinte:

Bohannon, John. 4 October 2013. Who’s Afraid of Peer Review? Science :Vol. 342 no. 6154 pp. 60-65.DOI: 10.1126/science.342.6154.60.

O artigo falso decreve uma propriedade anticâncer de uma substância química que os autores dizer ter extraído de uma líquen.

Normalente, esse artigo deveria ser recusado por qualquer um que conhece um pouco de química e de análise de dados. Além disso, o artigo conclui que os resultados não tem muito importância.

O artigo na revista Science descreve e detalha várias práticas das revistas para detectar artigos falsos. E as conclusões são muito interesantes :

Existem revistas Open Access que são predatores do sistema, implementado inicialmente para permitir o acesso livre aos artigos, sem alterar o artigo dos jornais. As maoria dessas revistas não tem a mesma localização do responsável editorial das revistas, o país para pagamento e o editor.

Essas revistas consideradas predatores são conhecidas e listadas por um critério muito claro establicido por Jeffrey Beall, um bibliotecário americano :

Beall’s List: Potential, possible, or probable predatory scholarly open-access publishers.

O DOAJ (Directory of Open Access Journals) é o site de referência com a lista de todas as revistas Open Access. O artigo na Science questiona os critérios do DOAJ e também da lista de Jeaffrey Beall poeque algumas das revistas que aceitaram o artigo estão no diretório da DOAJ e também na lista de Jeaffrey Beall. Veja a figura abaixo.

Peer review reviewed. Few journals did substantial review that identified the paper's flaw

Peer review reviewed. Few journals did substantial review that identified the paper’s flaw”CREDIT: C. SMITH/SCIENCE” http://www.sciencemag.org/content/342/6154/60/F3.expansion.html

 

O mais interessante ainda são alguns dos comentérios nesse artigo :

O Jean-Claude Guedon, um dos iniciadores do movimento  Open Access e que também assinaou a Declaração  de Budapest, em feivero de  2002, [1] diz que os pesquisadores tem cada vez muita pressão para publicar, « publish or perish ».  As revistas Open Access cobram dos autores os custos da publicação, APC (Article Publication Charge) e esses são uma parte pequena dos meios para a difusão dos artigos de acesso livre. JC Guedon acredita que os gorvenos poderiam organisar um sistema de avaliação dos artigos cientificos para que retirar esse papel das mãos das sociedades privadas e comercias.

A OASPA (Open Access Scholarly Publishers Association) foi criada para manter o nível da qualidade na revistas de acesso aberto e, lembrou que, a associação fez uma comunicação sobre esse artigo por uma comunicação e que tem regras rígidas para se entrar na associação. A associação monstrou algumas reservas quanto ao fato do artigo falso não ter sido submetido às revistas tradicionais (o editor chefe da Science também monstrou essa limitação) e sobre os critérios adotados por Beall e o DOAJ para selecionar as revistas. O artigo falso foi enviado princilpameente para  revistas de baixa qualitade. A associação tem interesse em usar os dados da pesquisa do artigo da Science para elaborar mais algumas conclusões e verificar a existência de editores na associação que possam ser incriminados.

Outras observações pertinentes, são os commentários de 4 de outubro feitos por  Audrey  na declaração da OASPA embora não menciona um caso anterior de submissão de artigo generado automaticamente pelos sites Mathgen ou Scigen e enviado para revista tradicionais. O artigo de Bohannon na revista Science falta refêrencias  de casos antigos de artigos falsos submetidos.

A COPE Comittee On Publication Ethics  também escreveu  sobre o artigo de Bohannon [3]. Na parte construtiva  do documento, a COPE lembra da suas diretrizes quanto à avaliação pelos pares e monstra a sua intenção de olhar mais profondamente o funcionamento da avaliação dos editores que pertencem a COPE. “journals or publishers who do not share COPE’s values have no place as members”. diz o documento.

No meu trabalho como profisional da informação, observei que na área de Ciências para a Vida, existem revistas de acesso aberto com comportamento fraudulento que prejudicam muito o movimento de acesso aberto.  Os pesquisadores costumam receber solicitações por e-mail para fazer parte da equipe editorial dessas revistas, avaliar os artigos e publicar. É necessário que os pesquisadores fiquem alertas e reconheçam rapidemente a qualidade de revistas novas.

[1]  Open Access du rêve au cauchemar ? l’avis de J-C Guédon. interview par  Sylvestre Huet, journaliste à Libération
http://sciences.blogs.liberation.fr/home/2013/10/open-access-du-r%C3%AAve-au-cauchemar-bis.html

[2] OASPA has published a statement in response to this article : http://oaspa.org/response-to-the-recent-article-in-science/

[3] COPE response to Science paper submission of fake paper, by Virginia Barbour, on behalf of COPE council. http://publicationethics.org/news/cope-response-science-paper-submission-fake-paper-virginia-barbour-behalf-cope-council

Um estudo mostra que 50% dos artigos são acessiveis em open access

A Comissão Europeia publicou um  relatório para medir a porcentagem de publicação em acesso aberto . O estudo mostra resultados com mais de 22 disciplinas cientificas  entre os anos 2004 a 2011, para mais de  40 países incluindo o  Brasil, Canadá, Japão, USA e os países europeus.  Ele mostrou que 2011 é o ponto de mudança onde mais de 50% das publicações estavam em acesso aberto em dezembro de 2012, contra  48%  em  2008.  O estudo foi feito com 320.000 publicações. A curva  “OA Adjusted availability” é uma estimação computacional usando uma contagem de 500 publicações para fazer uma calibração.

 

 

Tem variações entre as 22  disciplinas (Tabela IV do estudo). As ciências humanas estão com 36% de artigos em  acesso livre (OA Open Access, as ciências da comunicação em 21%  contra 61 % para as pesquisas em ciências biomédicas, 44% em Agricultura e 56% para as matemáticas. As ferramentas usadas são Scopus, DOAJ e Pubmedcentral.

Esses resultados estão seguindo a  evolução das  publicações Gold OA indexadas no banco de artigos de Elsevier e  Scopus (Figura 2 e 3 do estudo).

O método usado é detalhado e mostra que a coleção de dados é difícil : o motor que deveria buscar informações no Google e Google Scholar foi bloqueado pelo Google, o documento em texto integral buscado não está sempre nas primeras páginas dos resultados,  enfim, o repertório dos jornais científicos Ulrich database é o mais completo mais insuficiente.

Foram feitas várias pesquisas e corpus para fazer esse estudo :

Primeira etapa : 20 000 referências de artigos do ano 2008 vindo do Scopus, foram fornecidas pelo time de Steve Harnad para mostrar 32% de porcentagem de OA em comparação ao estudo anterior que achou o número de 22%. Pode ser por exemplo porque editores  como  Springer abriram números importantes de artigos, no outono de 2012.

Depois 500 referências entre 20 000 foram escolhidas para fazer testes extensivos para calibrar  o modelo. Três  ferramentas foram usadas : Google, Google Scholar, e Ground Truth (Google Scholar, Google e Microsoft Academics). Essa analise  sugere que 48% dos artigos  de 2008 estavam disponíveis em dezembro de 2012.

A última etapa usou uma outra extraçaõ de 20 000 documentos do ano 2008  aleatoriamente escolhidos do Scopus  com representação  de cada disciplina para – dentro de um primeiro tempo – fazer a calibração de um novo motor de busca de artigos em acesso livre e para fazer estimação da proporção de AO dentro do Scopus usando o Ulrich periodical  database com ajuda para calibração. A lista das disciplinas do Scopus foi comparada a do Ulrich para fazer a repartição em disciplinas do estudo.

Ulrich periodical  database: é o maior banco de dados sobre jornais, mais não existe banco de dados completo, listando todos os jornais científicos.

Esse relatório pode levar a vários comentários porque a identificação dos numéros exato de documentos é difícil e está mundando, por exemplo tem artigos que não estão em acesso livre no momento mais que poderão estar em alguns meses depois.  Portanto,  o crescimento do OA  parece um fato real para todas as disciplinas, mesmo OA verde está  diminuindo.

 

Fontes

E. Archambault et. al., Proportion of Open Access Peer-Reviewed Papers at the European and World Levels–2004-2011, June 2013, Science-Metrix Inc. http://www.science-metrix.com/pdf/SM_EC_OA_Availability_2004-2011.pdf

LusOPenEdition

lusopendition

O projeto LusOpenEdition é um projeto orientado em ciências sociais e humanas. Ele disponibiliza à comunidade científica lusofona quatro plataformas de publicação e de informação em ciências sociais e humanas, de âmbito internacional. :
* Books – Coleções de livros
* Revues.org – Revistas em acesso livre
* Calenda – Agenda de evento em ciências sociais e humanas
* Hypotheses – Cadernos de investigação. (Os Cadernos de hypotheses são blogs com WordPress).

LusOpenEdition é a versão portuguese de um projeto françês OpenEdition do Centre pour l’édition électronique ouverte (Cléo – UMS 3287). A versão portuguesa ganha mais dois parceiros : CRIA e a Fundação Calouste Gulbenkian.

Os serviços de Open Edition e os interesse dos cientistas para os contéudo dessa plataforma faz que  ela garanta um impacto cientifico e uma visibilidade dentro das comunidades que olham a plataforma OpenEdition. Aqui estamos bem longe do factor de impacto para avaliação da qualidade dos textos científicos. Um fator importante e que tem profissionais para acompagnar os editores e os cientistas que escrevem nos cadernos..

O revue.org  e uma plataforma completa para a geração de jornais científicos.

O Hypothese  apresenta blogs onde o processo de publicação cientifiçà pode ser experimentado como comentários sobre artigos já publicados,   consolidação de textos antes da submissão a um jornal, e nota de leituras para divulgar um ponto de visto original sobre um artigo.

O OpenEdition Freemium e um novo modelo de acesso livro, que e muito interessante.
Os conteúdos dos jornais e cadernos são em acesso livre, mais as universidades ou instituções, podem participar – Atraves dos serviços de bibliotecas-  para dar mais serviços aos usurários deles.
O serviços da opção freemium são apresentados em seis grupos (ver o site).  Entre eles,  para usurários : acesso aos artigos em vários formatos, formações, para bibliotecas, : recuperação de dados bibliográficos, estatísticas de consultação no formado Counter participação em manifestação como ThatCamp Paris.

Esse modelo tem o vantagem de colocar as bibliotecas no centro do processo de promoção do acesso livre.

Fontes :

PeerJ : novo modelo para jornais em acesso livre

peerjlogo

 

PeerJ e um jornal cientifico com um processo de avaliacao pelos pares, em ciências  medicinais  e biológicas  criado por um editor do Plos One e uma outra pessoa  do  Mendeley (1). O PeerJ recebeu apoio do fundo de  O’Reilly Alpha­TechVentures em San Francisco.

Esse jornal esta em acesso livre e segue o modelo “via ouro” (gold road) : os artigos estão disponiveis  em acesso livre para os leitores  mais os autores pagam. Só que na maioria dos casos eles pagam entre $1000 e $3000   para a difusão de cada artigo. Por exemplo, o preço para publicar na revista Plos One é de $1 350.

No PeerJ cada usuário paga  só uma vez $ 299 por um numero ilimitado de submissões  e de artigos aceitos, ou $199 ou $99 para um numero de submissões limitado por ano. Esses preços são majorados de $50 (ver a pagina pricing) se os autores pagam depois que o primeiro artigo e aceito. Todos os autores do artigo devem ser registrado e pagam dentro do limite de 12 autores (se tem mais autores, eles não precisam ser registrados).

Cada autor deve também fazer uma revisão de artigo pelo menos uma vez por ano, se não o Peerj pode decidir que ele deve pagar  $99 para a reativação do membership.  Revisão pode ser  também um comentário informal no PeerJPreprint ou sobre um artigo já aceito (ver a FAQ em inglês).

O sistema de avaliação dos artigos e avaliação por pares (peer review).  E possivel conhecer os  editores acadêmicos  (que tem a funcão de editor para uma especialidade) através  dos perfis, o PeerJ funcionando também como uma rede social,  criando uma comunidade.

Todos os artigos são em acesso livre, para leitura e reutilisação. Os autores guardam o copyright a “CC-BY 3.0” license. Os artigos são arquivados com sistemas clássicos  :   PubMedCentral and CLOCKSS).

Tem também possibilidade de submeter um preprint in PeerJ Preprints. Uma funcionalidade  interessante e que o preprint pode ser publico ou privado,compartilhado só com algumas pessoas. Os cientistas em biologia tradicionalmente não usam muito os preprint.

Uma vez que o artigo e aceito, tem possibilidade de adicionar conteúdo como comentários da avaliação.

Desde a data de lançamento do PeerJ , dia 12 de fevereiro, há 51 artigos publicados. Cada artigo tem dados sobre numero de visitantes e  numero de visitas,  alem dos dados de divulgação nas redes sociais : Facebook, Linkedin, Twitter (ver figura).

peerjarticle36-1

peerj-article36

Neste momento o Peerj não tem fator de impacto porque ele não esta indexado no Web of Science e não tem mais de 3 anos de existência para ser candidato no fator de impacto do JCR. Mais ele é indexado no Google Scholar e Pubmed. Vamos seguir esse jornal no futuro. Ele já fez uma divulgação importante através de vários  artigos de apresentação em jornais [2-3].

1 http://en.wikipedia.org/wiki/PeerJ
2 Journal offers flat fee for ‘all you can publish. Nature. 12 june 2012.  http://www.nature.com/news/journal-offers-flat-fee-for-all-you-can-publish-1.10811
3 PeerJ leads a high-quality, low-cost new breed of open-access publisher. http://www.guardian.co.uk/science/blog/2013/feb/12/peerj-open-access-academic-publisher