PeerJ : novo modelo para jornais em acesso livre

peerjlogo

 

PeerJ e um jornal cientifico com um processo de avaliacao pelos pares, em ciências  medicinais  e biológicas  criado por um editor do Plos One e uma outra pessoa  do  Mendeley (1). O PeerJ recebeu apoio do fundo de  O’Reilly Alpha­TechVentures em San Francisco.

Esse jornal esta em acesso livre e segue o modelo “via ouro” (gold road) : os artigos estão disponiveis  em acesso livre para os leitores  mais os autores pagam. Só que na maioria dos casos eles pagam entre $1000 e $3000   para a difusão de cada artigo. Por exemplo, o preço para publicar na revista Plos One é de $1 350.

No PeerJ cada usuário paga  só uma vez $ 299 por um numero ilimitado de submissões  e de artigos aceitos, ou $199 ou $99 para um numero de submissões limitado por ano. Esses preços são majorados de $50 (ver a pagina pricing) se os autores pagam depois que o primeiro artigo e aceito. Todos os autores do artigo devem ser registrado e pagam dentro do limite de 12 autores (se tem mais autores, eles não precisam ser registrados).

Cada autor deve também fazer uma revisão de artigo pelo menos uma vez por ano, se não o Peerj pode decidir que ele deve pagar  $99 para a reativação do membership.  Revisão pode ser  também um comentário informal no PeerJPreprint ou sobre um artigo já aceito (ver a FAQ em inglês).

O sistema de avaliação dos artigos e avaliação por pares (peer review).  E possivel conhecer os  editores acadêmicos  (que tem a funcão de editor para uma especialidade) através  dos perfis, o PeerJ funcionando também como uma rede social,  criando uma comunidade.

Todos os artigos são em acesso livre, para leitura e reutilisação. Os autores guardam o copyright a “CC-BY 3.0” license. Os artigos são arquivados com sistemas clássicos  :   PubMedCentral and CLOCKSS).

Tem também possibilidade de submeter um preprint in PeerJ Preprints. Uma funcionalidade  interessante e que o preprint pode ser publico ou privado,compartilhado só com algumas pessoas. Os cientistas em biologia tradicionalmente não usam muito os preprint.

Uma vez que o artigo e aceito, tem possibilidade de adicionar conteúdo como comentários da avaliação.

Desde a data de lançamento do PeerJ , dia 12 de fevereiro, há 51 artigos publicados. Cada artigo tem dados sobre numero de visitantes e  numero de visitas,  alem dos dados de divulgação nas redes sociais : Facebook, Linkedin, Twitter (ver figura).

peerjarticle36-1

peerj-article36

Neste momento o Peerj não tem fator de impacto porque ele não esta indexado no Web of Science e não tem mais de 3 anos de existência para ser candidato no fator de impacto do JCR. Mais ele é indexado no Google Scholar e Pubmed. Vamos seguir esse jornal no futuro. Ele já fez uma divulgação importante através de vários  artigos de apresentação em jornais [2-3].

1 http://en.wikipedia.org/wiki/PeerJ
2 Journal offers flat fee for ‘all you can publish. Nature. 12 june 2012.  http://www.nature.com/news/journal-offers-flat-fee-for-all-you-can-publish-1.10811
3 PeerJ leads a high-quality, low-cost new breed of open-access publisher. http://www.guardian.co.uk/science/blog/2013/feb/12/peerj-open-access-academic-publisher

3º Seminário de avaliação do desempenho dos periódicos brasileiros no JCR 2011

Revistas científicas brasileiras ainda tem baixo impacto internacional | Agência FAPESP :: Especiais. autor  Elton Alisson, 16/10/2012

Agência FAPESP – O número de revistas científicas brasileiras presentes em índices internacionais, como o Journal Citation Report, vem aumentando nos últimos anos. Entretanto, o fator de impacto – o número médio de citações dos artigos científicos publicados em um periódico – ainda é baixo e não atingiu a média mundial.
A constatação foi feita por participantes do 3º Seminário de Avaliação do Desempenho dos Periódicos Brasileiros no JCR 2011, realizado no dia 27 de setembro no Auditório da FAPESP.
Promovido pelo programa Scientific Eletronic Library Online (SciELO Brasil) – resultado de um projeto financiado pela FAPESP –, o objetivo do evento foi debater avanços e desafios para o desenvolvimento da qualidade dos periódicos brasileiros e para o aumento do impacto internacional, com base no Journal Citation Reports (JCR).

Publicada em julho, a última edição do JCR, atualizada com dados de 2011, mostra avanços significativos, mas revela também a persistência de condições e barreiras que dificultam o aumento do impacto dos periódicos nacionais.

Segundo o artigo, no fim de julho, vai acontecer a integração da base do SciELO à Web of Knowledge, a mais abrangente base internacional de informações científicas.

O artigo destaca a importançia dos periodicos brasileiros que permite a difusão e a avaliação da produção científica, que não recebe espaço nos periódicos internacionais. E importante lembrar que a difusão da ciencia se faz por meio de artigos cientificos submetidos pelos periodicos e avaliados pelos outros pesquisadores.
Os periodicos brasileiros precisam  de políticas e ações para aumentar  o impacto internacional deles.

As apresentações estão no site do evento – http://eventos.scielo.org/jcr2011/  na seção http://eventos.scielo.org/jcr2011/programacao/  (>> Download).

Sue Silver, Editor in Chief of Frontiers in Ecology and the Environment apresentou o que os autores querem de uma revista ,
aumentar o trafico sobre o site da revista na internet com conteudo interessante. entre eles

  • uma boa visibililidade e um bom fator de impacto da revista
  • uma boa qualidade do site com diferentes formatos (e-pub),  blog para completar a revista, ligações com  as redes sociais
  • material, o webinar sobre como estar publicado (curso ou meeting)
  • links sobre serviço de ajuda para o inglês.
  • cursos e links sobre a redação cientifica

Segundo Abel L. Packer, Coordenador do Programa SciELO / FAPESP, tem 111 periodicos indexados no JCR ( com fator de impacto) em 2011 (113 em 2010 e 70-80 em 2009) e 137 periodicos indexados no Web of Science. Tambem mostrou que tem outros indicadores como Scimago onde os periodicos brasileiros estao presentes. Os periodicos da Scielo contem 50 % dos  seus artigos em inglês em 2011e a media do FI para as revistas e de 0,533. Scielo Brazil e o primeiro no ranking de portais de acesso aberto do Webometrics.  As interfaces para o tablets e smartphones estão previstas para 2013.

Rogerio Meneghini, Coordenador Científico da SciELO mostrou que a metade dos periodicos brasileiros são gerados para  a sociedade e a outra metade são institucionais. Eles são poucos profissionalisados e depende das agência de fomento.

Luís Reynaldo Ferracciú Alleoni, Editor da Scientia Agricola mostrou que em Ciências Agrárias, a maioria das publicações estão em português é que o fator de impacto das revistas brasileiras não aumentou e depende das autocitações (30% do total das citações ) – Uma autocitação e uma citação que é feita de um artigo da mesma revista que o artigo citado. As solucões são publicar em inglês, e envolver  mais pesquisadores do exterior no processo de avaliação dos artigos.

Observações  a título pessoal

As dicas para aumentar a visibilidade das revistas brasileiras são efetivamente aumentar as parcerias internacionais entre pesquisadores. O programa Ciencia sem Fronteiras  ou Access4.eu:brazil devem ajudar muito as parcerias.

Também tem a barreira da lingua como no caso dos pesquisadores françeses. Apoio aos  serviços de correçoes da lingua feito por pessoas de lingua nativa em inglês seria muito importante

Mais tem outros meios :
Publicar artigo de sintese (review article). Um artigo de sintese não tem nova descoberta mais apresenta uma sintese de um assunto do ponto de vista dos autores. São os artigos mais citados.  Quando eu faço curso em comunicação cientifica para doutores . Explico que a sintese bibliografica feita por tesis pode fazer um bom artigo de sintese para publicar dentro de uma revista.

Também mesmo que a Scielo esteja  bem visivel  com o acesso livre seria bom que as revistas e os autores ampliam a presença das revistas nas redes sociais gerais -Facebook, Twitter- ou mais especifico –Research Gate, Mendeley. Os cientistas precisam ser  formado para usar bem essas ferramentas.

Então a grande força da Scielo e a divulgação dos resultados das pesquisas brasileiras, em acesso livre. Graças a ele, outros pesquisadores tem materiais para se referir (através de citações) e construir novos conhecimentos.

Howopenisit : O SPARC esta tendanto responder na questão “isso e acesso livre ?”

Todos os tipos de Acesso Aberto não  são iguais. Para esclarecer esse assunto e dar HowOpenIsItdefinições dos diferentes tipos  ou responder simplesmente a questão aparamente simples “É Acesso Livre?”,  três associações ou editores PLoS, SPARC e OASPA [1]  têm colaborado para desenvolver um recurso chamado “HowOpenIsIt?” [2].  Este recurso identifica os componentes do núcleo de acesso aberto (OA) e como são implementados em todo o espectro entre “Open Access” e “Acesso Fechado”.

A definição do Acesso livre começou com a Declaração de Berlim sobre Acesso Livre ao Conhecimento nas Ciências e Humanidades [3]

1. O(s) autor(es) e o(s) detentor(es) dos direitos de tais contribuições concede(m) a todos os utilizadores o direito gratuito, irrevogável e mundial de lhes aceder, e uma licença para copiar, usar, distribuir, transmitir e exibir o trabalho publicamente e realizar e distribuir obras derivadas, em qualquer suporte digital para qualquer propósito responsável, sujeito à correcta atribuição da autoria (as regras da comunidade, continuarão a fornecer mecanismos para impor a atribuição e uso responsável dos trabalhos publicados, como acontece no presente), bem como o direito de fazer um pequeno número de cópias impressas para seu uso pessoal.
2. Uma versão completa da obra e todos os materiais suplementares, incluindo uma cópia da licença como acima definida, é depositada (e portanto publicada) num formato electrónico normalizado e apropriado em pelo menos um repositório que utilize normas técnicas adequadas (como as definições Open Archive) que seja mantido por uma instituição académica, sociedade científica, organismo governamental ou outra organização estabelecida que pretenda promover o acesso livre, a distribuição irrestrita, a interoperabilidade e o arquivo a longo prazo.

E possivel fazer comentarios sobre o document howopenisit. As contribuições são abertas ate   8 de outubro. Acesso diretamente no documento em PDF  e em inglês (2 paginas)

Fontes :

Guia para iniciar um jornal em acesso aberto

Starting an Open Access Journal: a step-by-step guide.  Martin Paul Eve.
https://www.martineve.com/2012/07/13/starting-an-open-access-journal-a-step-by-step-guide-table-of-contents/

O autor apresentou uma guia para iniciar um jornal em acesso aberto. O guia esta em inglês e esta mais para as ciencas socias . Tem 5 partes nesse guia. Gostei muito do assunto  do artigo  dele “Tear it down, build it up: the Research Output Team, or the library-as-publisher” sobre a ideia que as bibliotecas poderão também estar na edição de revistas cientificas.

Na parte 1 tem dicas para  os custos  como a constituição do Editorial Board.

Na parte 2 tem pressupostos tecnológicos  para a instalação da ferramenta OJS (Open Journal System).

Parte 3 é dedicada ao lancamento do jornal e ao processo do avaliação por pares (peer review) com OJS. Tem ate modelo de e-mail.

Parte 4 é para copy editing e proof reading

“Copy editing” é  o processo de transformação de um artigo no padrão da revista, para erradicar erores de ortografia e estilo. O typesetting (composição tipográfica)  esta para fazer converção   como ela vai aparecer no documento final ( galley). O proofreading (revisão) é a fase de  verificação do problema durante a  transcrição do “copyedited” versão ate o documento final . Inevitavelmente, tem erros esquecidos. Por isso se torna um processo interativo entre a composição e a revisão.

Parte 5 é como registrar o seu jornal nos sistemas com o ISSN (numeros dos journais); o DOAJ Directory of Open Access Journals e o Crossref.

29/08/2012

No Blog do Prof Kuramoto tem uma critica sobre esse guia .

Para completar  esse assunto, perguntei aos colegas do EASE  (European Association of Scientific Publishers) fontes adicionais.

Porque acesso livre completo e importante – Why full open access matter

Citation: Carroll MW (2011) Why Full Open Access Matters. PLoS Biol 9(11): e1001210. doi:10.1371/journal.pbio.1001210

Esse artigo da revista open access Plos One é uma demonstração do interesse para um modelo completo em acesso livre.

Autores científicos que pagam por uma publicação dos seus artigos em acesso livre estão de parabéns, mas eles devem saber que as publicações deles não estão em acesso livre completo.

Duas características define uma publicação em acesso livre (open access)

(1) o conteúdo da publicação e de acesso livre na internet é gratuito

(2) os leitores tem a permissão do copyright para republicar ou reusar o conteúdo como eles querem. A única condição é a atribuição do trabalho (a citação) aos autores e editores.

A licenca Creative Commons escolhida e a 3.0. A única condição e que seja dado crédito (atribuição) http://www.creativecommons.org.br/index.php?option=com_content&task=view&id=22&Itemid=35

O artigo também analisa o impacto do modelo acesso livre.

modelo económico

O modelo clássico da  publicação é caracterizado pelo preços em alta e custos de produção reduzidos. Portanto com a difusão eletrônica das revistas, estes preços deveriam abaixar. A explicação é que as bibliotecas tem a missão de inscrever as revistas e que os pesquisadores precisam do acesso as revistas. Não tem competição do nível dos preços nessa área.

– O modelo de acesso livre, (os autores que pagam para ser publicado, depois o acesso esta livre ver nota1) fundamentalmente muda o equilíbrio de poder na publicação de revistas, e, assim, aumenta muito a eficiência e eficácia da comunicação científica.

Esse modelo não tem barreira de uso nem de custos para os leitores porque os autores tem mais revistas para escolher onde publicar que as bibliotecas podem se inscrever. Este aumento da concorrência irá reduzir os custos globais de comunicação científica, ampliando o acesso e reutilização da literatura.

Porque torcer pelo modelo acesso livre ?

Deixar os direitos autorais aos autores para permitir o reuso amplo, garantindo simultaneamente a autores e editores que recebem crédito pelo trabalho que fizeram.

Tem editores do modelo clássico que sugerem aos autores opção open choice : o artigo esta em acesso livre se os autores pagam os custos de publicação. Mais esse tipo de opção não e acesso livre completo, reservando para os editores os direitos de fazer qualquer reutilização
comercial. (Isto é feito através do uso da licença Creative Commons não-comercial ou da Creative Commons Attribution Non-Commercial-Share Alike licença.).

Esse tipo de licença não permite ao autor por exemplo de colocar o texto no Wikipedia que usa um “share alike” licence.

O autor suspeita que esses editores têm o comercio do text mining em mente, como um dos tipos de reutilização que eles gostariam de controlar. Eles podem também vende-los de novo no setor privado.

Um dos grandes benefícios de acesso aberto é que os pesquisadores podem usar qualquer ferramenta de busca baseado na web para se envolver em  análise por computador da literatura publicada.

Para o autor esse tipo de licença são pseudo acesso livre e os autores  não deveriam aceita-las.

 nota 1 Os 2 modelos econômico pelas revistas cientifica

O modelo clássico : os leitores ou as instituições e bibliotecas pagam  para ler o artigo, mas não tem muito mais direito de uso

O modelo acesso livre onde os autores pagam para publicar mais depois o  artigo esta em acesso livre com direitos para os leitores de reusa-los  (ver abaixo).

Tem tambem um modelo hybrido: uma revista do modelo clássico que  permite aos autores pagam os preços das publicações.

 nota 2 Editores que são predadores do modelo acesso livre

Um bibliotecário universitário americano publicou uma lista dos editores  que tem praticas especiais como anunciar muito jornais sem muito  conteúdo: Beall’s List of Predatory, Open-Access Publishers.
http://metadata.posterous.com/83235355 .

 nota 3 : o modelo acesso livre esta em crescimento.

O  DOAJ directory of Open Access Journals lista mais de 8000 revistas  cientificas em acesso livre http://doaj.org .