Novas ferramentas para pesquisadores : mudança do workflow

Na hora da transmissão numérica os cientistas poderiam ser desorientados para a multiplicação das ferramentas que aparecem na internete. Essas ferramentas podem ser usadas por um painel de acões amplas, na área professional como pessoal. A oferta é muito grande. Como conhecer, comparar e avaliar as ferramentas disponíveis ? Quais são as tendências de uso ? [L’Hostis 2015 ] .

O site : Innovations in Scholarly Communications. Changing research workflows da Universidade do Ultrecht (Holanda) apresenta um levantamento internacional para conhecer os usos efetivos das ferramentas para os cientistas. Mais de 550 ferramentas são apresentadas e descritas com uma apresentação gráfica original.

O público-alvo do levantamento são os atores da ciência : estudantes, pesquisadores e professores ou pessoas em apoio as pesquisas. Ele ficará ativo até feveireiro 2016. Mais de 4000 pessoas já responderam.  As 1000 primeiras respostas são online. Elas confirmam o uso  cada vez maior das redes socias como ferramentas (em destaque Google Scholar,  ResearchGate, Twitter) e os usos das ferramentas institucionais. Os responsáveis do projeto esperam identificar os hábitos em função de varios parámetros : disciplinas, paises, ….

Por exemplo, a questão : “qual site ou ferramenta você usa para acesso na literatura ?” tem as respostas seguintes :

101 innovations
fonte https://101innovations.files.wordpress.com/2015/06/typeform-1000-access.png

Outra originalidade é a apresentação do tipo de workflow possiveis em função das ferramentas usadas : tradicionais, modernas, open science,  inovantes, experimentais.

101innovationstypicalworkflow

O site lista por tipo de atividade as tendencias, espectativas, oportunidades desafios sobre desenvolvimentos das ferramentas e os usos.

O  poster :101 Innovations in Scholarly Communication – the Changing Research Workflow (abaixo) apresentado pelos responsáveis do projeto na conferência Force2015  (Oxford, Janeiro 2015) sintetisa os resultados.

101innovations

 

 

 

 

 

 

Réferências

Redes sociais para acadêmicos : desafios e oportunidades

As redes sociais emergeram nos anos 2008 e revolucionaram a maneira de manter contato com os outros. Redes baseadas sobre publicações oferecem funcionalidades similares dentro do contexto academico começaram em 2008. No inicio a questão do futuro dessas redes estava real, 6 anos depois tem que admitir que muitos pesquisadores são registrados (mais de 5 milhões pelo ResearchGate e 17 milhões pela Academia.edu). Todos pesquisadores registrados não utilizam plenamente essas redes e eles  não tem conhecimento dos problemas de identidade digital ou como beneficiar  dessas ferramentas. O fenomeno dessas redes questiona nossas instituições que deveriam controlar mais o conhecimento e a disseminação das informações, bem como a reputação e a visibilidade das instituições. Outro problema é  a relação entre os sistemas  institucionais onde as informações são controladas, com garantia de qualidade e  de preservação valorizando a  produção dos pesquisadores, dos laboratórios e das instituções e essas redes sociais  que valorizam mais o trabalho em rede de cada pesquisador.

A apresentação introduz as redes sociais para academicos, as funcionalidades delas, como pesquisadores poderiam beneficiar delas e como ajudar eles. Também mostra como as instituições poderiam beneficiar dessas atividades e controlar os usos mantendo ao mesmo tempo um olho sobre as utilizações dos pesquisadores.

Resumo in ingles

Since 2000 social networks have emerged, revolutionizing the way we stay in touch and share content with others. Publication-based social networks have offered similar functions within an academic context, beginning in 2008. Many researchers are registered on these sites. However, although there are some experts in this domain, many do so without fully exploiting them and without the backing of their respective institutions. Further, they proceed without a solid knowledge of the problems of digital identity or how to take advantage of related tools.
This phenomenon has plagued our institutions, with respect to the control of knowledge and the dissemination of information, the reputation and visibility of the institution, the relationship between bodies of information distributed on networks and information systems and relative to each institution’s research. Another problem that arises is that of improving research visibility and the creation of collaborations.
The presentation will introduce some academic networks, their main functions, how researchers can benefit from them and how to help researchers better utilize social networks. Further, the session will show how institutions might benefit from this activity, while also keeping a watchful eye on its use.

Aventurier, P. (2014). Academic social networks: challenges and opportunities. Presented at 7th UNICA Scholarly Communication Seminar, Rome, ITA (2014-11-27 – 2014-11-28).  Slideshare http://prodinra.inra.fr/record/275845.

academic_image_en_tête

Cientistas e as redes sociais : um artigo de Nature

Os gigantes das redes sociais estão utilisando para os cientistas num nivel nunca esperado. O artigo de  Richard Van Noorden publicado  na revista  Nature  apresenta os resultados de uma pesquisa desse jornal que começou em maio do ano passado.  3500 pessoas de  95 paises respoderam e a  novidade é que a pesquisa selecionou unicamente as repostas dos pesquisadores julgados ativos.

As redes sociais examinadas são  Researchgate, Academia.edu, Mendeley, Twitter, Linkedin e Facebook.

o radar
Um do grafico que analisa o rede Academia.edu

 A difusão dos perfis par serem contatados, ganhar mais visibilidade profissional  e a geração de contatos parecem ser os motivos principais para se inscrever.  Os outros argumentos positivos são as possibilidades de compartilhar, o acesso facil para artigos relevantes e recomendados, o uso de metricas novas para a avaliação dos trabalhos acadêmicos.

Uma parte interessante é “A battle for profiles” (batalha por perfis). O trabalho mostra que as atividades das redes para acadêmicos  são em maioria para manter perfis atrativos e atualizados.  Essa parte é ilustrada com o caso Zen Faulkes que depois da publicação de um artigo passa meio dia para atualizar os perfis dele nas diferentes ferramentas : ResearchGate, Academia.edu, ORCID – Open Researcher and Contributor ID e a sua pagina pessoal no site da instituição. O Artigo questiona o problema de manter perfis atualizados para cada instituição que pode recuperar informações nessas redes socias dentro dos sistemas de informações institucionais. O sistema VIVO podera ser uma alternativa no desenvolvimento das redes sociais de sociedades privadas. VIVO é uma ferramenta open source desenvolvida pela Universidade de Cornell. Cada universidade pode implantar ele, criar perfis para cada um dos pesquisadores e ligar o Vivo de uma universidade com aquele das outras 50 universidades que já utilizam esse sistema.

O Artigo critica o comportamento dessas redes com notificações abusivas pelo e-mail e a criação artificial de perfis para dar a ilusão que tem muito mais gente ativas que a realidade e o deposito de documentos pelos autores sobre copyright dos editores.

Para concluir o artigo mostra que essas redes sociais tornaram ferramentas legais de manter e aparecer mais não são ainda indispensaveis. Para Price, o criador da rede Academia.edu., essas redes para acadêmicos mostram a vontade nova dos cientistas de compartilhar resultados e pesquisas de maneira aberta. A implementação em março de 2013 da funcionalidade “Open Review” do ResearchGate que permite de fazer avaliação pelos pares antes ou depois da publicação do artigo numa revista (post publication peer reviewing) ilustra essa tendencia.

Esse artigo é muito interessante e faz refêrencia. Na minha opinião ele não  fala sobre a articulação entre repositorios institucionais e redes socias. Esses repositorios em open access mantidos pelas instituições distribuem os documentos cientificos e os conjuntos de dados de pesquisa de cada institutição. Eles  são indispensaveis para  manter a perenidade do acesso livre a produção cientifica.

fonte :Van Noorden, R. (2014). Scientists and the social network. Nature, 512, 126-129
http://www.nature.com/news/online-collaboration-scientists-and-the-social-network-1.15711

Dados desse artigo estão disponiveis : http://figshare.com/articles/NPG_2014_Social_Networks_survey/1132584

Vivo : http://www.vivoweb.org

Wiki França-Brasil sobre Ciência, Inovação e Sociedade

As pesquisas precisam de  interações intensivas através  de uma multidão de atores, com expertisa diferentes que vem de disciplinas diferentes. O assunto da pesquisa colaborativa serve para criar modelos estabelecidos com tecnologias próprias para ajudar essas interações [1]. As ferramentas como os wikis ou os blogs  são indicados para uma escritura colaborativa e construir uma reflexão coletiva para ampliar os trabalhos dos pesquisadores ou dos analistas   [2].

O projeto :  Criado no incentivo do Instituto de Estudos Avançados em Ciência e Tecnologia (IHEST), Este Wiki responde ao desejo de promover a troca de idéias entre o Brasil e a França no campo dos relacionamentos entre a ciência e a sociedade.

Seu objetivo é desenvolver uma perspectiva original franco-brasileira para abrir as relações entre ciência e sociedade em rede, neste processo, especialistas de todas as origens e leigos advertem em uma abordagem multidisciplinar : ciências fundamentais, tecnologias e sociais.

Este Wiki [3] aborda, entre outras, as questões seguintes : Como são consideradas as relações entre ciência, inovação, sociedade em ambos os dois países ? Quais são os termos de uma comparação ? Quais são os pontos onde o Brasil e a França são diferentes ? Quais são os objetivos de desenvolvimento, atender as estratégias nacionais em Ciência, Tecnologia e Inovação ? A quais desafios societais eles respondem ?

O wiki incentiva as contribuições, reflexões compartilhadas, feedback que se encaixam no espírito de IHEST : comparar as opinões para criar uma cultura de ciência e inovação com o respeito das diferenças.

O site é baseado no Semantic mediawiki e usa a mesma ferramenta  colaborativa do que wikipedia mais com funções semânticas. O funcionamento  de publicação é também diferente (ler as instruções para os autores).

– Cada autor registrado  são atores do site e  podem criar ou modificar qualquer página e escrever um comentário. A moderação é coletiva e  funciona depois da publicação (avaliação a posteriori). Cada página tem um histórico de modificação.

-“wikificação” dos textos ja publicados : um texto ja publicado pode ficar colocado dentro do wiki. Isso permite um enriquencimento dos textos : atualização, comentários, link, imagens, bibliografias…

Os textos são acessíveis  através de categorias temáticas, de um motor de busca  ou por tipo de documento :

  • Análises : análise temática
  • Dados :  dados  escolhidos que monstra comparação entre a França e o Brasil
  • Esboço : Rascunho ou inicio de texto
  • Publicação :  artigo ou capitulo de livro ja publicados
  • Fontes : referências bibliográficas  essenciais de uma temática

 

ihestnavigation

Bilinguismo e navegação 

As páginas são em françês e em português e não tem necessariamente tradução  completa correspondente. Cada página é  indexada com uma categoria temática com acesso que aparece na página de entrada do site.

Esse wiki em versão beta ja recebeu mais de 53 500 páginas visitadas e deverá se desenvolver através de colaborações com universidades, editores de revistas e organizações na França e no Brasil.

contato : Pascal.Aventurier, Christelle Tallon (IHEST)

[1]  Romano P.,  Giugno R., Pulvirenti A. (2011). Tools and collaborative environments for bioinformatics research. Briefings in Bioinformatics, 12 (6), 549-561. http://dx.doi.org/10.1093/bib/bbr055.

[2] The future of publishing will be shaped by a more dynamic social reading experience. http://blogs.lse.ac.uk/impactofsocialsciences/2013/04/08/the-future-of-the-book-is-the-future-of-soc/

[3] http://france-bresil.ihest.eu/

Promoção das revistas cientificas em saúde com o Twitter , Facebook e outras redes socias

Um artigo estudou se os jornais em saúde estão usando a technologias do web 2.0 para a promoção deles.

As ferramentas do web 2.O estão mudando o jeito dos pesquisadores ficarem informados sobre a literatura essencial deles. Eles poderem escolher entre visitar os sites das revistas ou de manter informação com o fluxo de informação RSS o com redes socias (Twitter o Facebook…), se o jornal esta divulgando conteúdos na feramenta escolhida. RSS permite aos leitores de accessar a parução de tabela de conteúdo de novos numeros e de novos artigos diretamente, em tempo real, no computador deles. Redes socias tem as vantagens de divulgar a “micro informação” sobre cada artigo e de oferecer as possibilidades de comparthilar ou fazer commentarios sobre eles dentro de sua própria rede de contatos.

248 jornais forma examinados, 42 estão em acesso livre (open access). 29% of jornais tem uma conta Twitter e 25% uma conta Facebook. A maiora tem a função RSS (87%) para permitir aos leitores de seguirem a parução de tabela de conteudo de nova numeros e tb de novos artigos, que são divulgados  primeiro na Internet, e 60 % oferecem no leitor de compartilhar  diretamente a informação na rede social.

Um fato interessante e que os jornais tradicionais estão mais usando (um pouco mais) technologias do web 2.0 que os jornais em accesso livre.
Talvez seja porque as editoras tradicionais colocar mais recursos na promoção de seus jornais. Acha, que seja interessante de comparar as estragias dos jornais no web 2.0 com o rankink – fator de impacto dentro de uma categoria temática, que permite uma classificação dos jornais – do Journal Citation Report.

Fonte : Promoting health sciences journal content with Web 2.0: A snapshot in time
by Sandra L. De Groote. /First Monday/, Volume 17, Number 8 – 6 August 2012
http://www.firstmonday.org/htbin/cgiwrap/bin/ojs/index.php/fm/article/viewArticle/4103/3281

Plos medecine – Twitter

New England Journal of Medecine – Facebook

Titulos das publicações cientificas e tweets : mesmas regras ?

O título de um artigo científico sempre foi um elemento preponderante na  seleção de item por um pesquisador.

Os bancos de dados e os motores de busca exibem-lo de maneira muito legível. E a primeira coisa que os leitores vão ler na internet ou no  celular.  O título deve seguir as  regras seguintes:
– o título deve ser informativo,
– evitar usar palavras como “New observation …”, “Contribution to… ” etc.,
– a primeira escolha de palavras é importante, as palavras informativas são colocadas no início do título,
– os termos “palavras-chave”, descrevendo a pesquisa, devem estar nele.

Para ilustrar os efeitos da leitura na internet, Dan Zarrella, um  influente especialista em mídias sociais, mostrou a influencia dos  conteúdos dos tweets no Twitter  em um gráfico (veja abaixo).

– O tweet vai ser mais clicado se é um texto informativo entre 120 e  130 caracteres (o máximo é de 140 no twitter)
– também é melhor usar verbos que adjetivos.

fontes : http://danzarrella.com/infographic-how-to-get-more-clicks-on-twitter.html#
clickthrough rate (CTR) of the links you’re tweeting. Dan Zarrella
Clickthrough rate (CTR) of the links you’re tweeting. Dan Zarrella

Estudo sobre o papel das redes sociais na comunicação cientifica

Leitura do estudo Social Networking Sites and their role in Scholarly Communications– maio de 2011   Centre for Research Communications at the University of Nottingham (UK).  Disponível em: <  http://crc.nottingham.ac.uk/projects/rcs/Social_Networking_Report-Duke&Jordan.pdf > Acesso em : 31 jul. 2011.

Este estudo tem como objetivo auxiliar pesquisadores que usam as redes socias e como elas podem ser usadas em relação aos open access repositórios.

O estudo pediu aos pesquisadores e doutorados teorizar sobre a utilização das redes socias em suporte de pesquisas e qual e o conhecimento deles sobre o Open Access.

O foco da pesquisa está nos 6 sites vinculados a área acadêmica:  academia.edu, Peer Evaluation , Mendeley, Research Gate, SciSpace, Zotero.

Linkedin tem uma posição diferente dos outros, porque se definiu mais para contatos de negócio do que para contatos científicos

Os outros sites são Academici (fechado) Epernicus Network, Quartzy (só para material labs), MyScience (só para buscar empregos), CiteUlike, MyExperiment

Quinze universidades foram escolhidas para participar da pesquisa, constituindo um questionário com diversas áreas de interesse. Só 117 respostas voltaram (9%) , 85 respostas dos pesquisadores e 32 respostas dos estudantes.

As repostas são compartilhadas entre jovens pesquisadores, estudantes (59), pesquisadores master (44)  e  seniors  (19).

A primeira questão foi sobre o conhecimento de cada um em relação as redes socias.

Como ninguém conhece  as seguintes : myExperiment, SciSpace, Quartzy, Peer Evaluation e myScience.ch, Epernicus Network. A pesquisa  vai trabalhar só sobre Mendeley, Zotero, CiteULike, Academia.edu, LinkedIn e ResearchGate.

Alguns pesquisadores falam sobre Facebook e sobre o  Twitter para fazer conexão além do Xing, Ning, Second Life and Biomed Experts.

O estudo teve questões sobre

material de publicação
contato com outros pesquisadores
busca de outros pesquisadores
busca de material pertinente (documentos)

Os 3 últimos pontos foram perguntas sobre  o uso do E-mail, do Twitter e da participação em congressos e  eventos

Os resultados são que o e-mail e a participação nos eventos continuam dominando o sistema  de comunicação dos pesquisadores. Fora o LinkedIn , nenhuma outra  rede social está sendo usada mais do que 5% . . 3 sites são usando para publicação, porém  não estão sendo  utilizados  para a publicação do processo de trabalho .

O estudo delinea um grupo, denominado de grupo X,  usuário do Mendeley, Zotero, CiteULike, Academia.edu and ResearchGate . Esse grupo representa 16% dos participantes da pesquisa, mas na sua maioria não usa todas as possibilidades das ferramentas contidas no site. Quanto ao  Linkedin, este é  usado por 19 % dos pesquisados

O mais interessante do estudo e que a maioria dos pesquisados não tem interesse de mudar a maneira de comunicação,  incluindo eventos. Os uso do e-mail esta permanecendo como o preferido  em comparação as redes, como por exemplo: O  Facebook ou  O Twitter. Outras Redes sociais  além do  Facebook  são usadas para um significativo número de  pesquisadores, entretanto apenas para  uma  minoria.

Os autores ficaram  surpresos pois perceberam  na pesquisa que não há sinais de grande procura em relação ao uso das redes socias. Apenas 30 % dos pesquisados usam uma rede social como suporte nas suas pesquisas.

A parte “Open access e redes socias “ mostra que os pesquisadores não conhecem bem os dois caminhos do acesso livre : Open Access jornais e repositórios institucionais. Não existe muita relação entre a publicação (difusão, avaliação) em acesso livre e o uso das redes sociais. O estudo demonstra também que se tem pouco incentivo das instituições em publicações pelo sistema  acesso livre, além do que os publicados numa rede social.

As conclusões que chegaram é  que apenas 16 %  usam outras  redes socias  do que Linkedin, mas na verdade só Zotero e Mendeley são muito usadas, na proporção de um para cada 2 dos pesquisadores.

Muitos pesquisadores pretendem criar uma conta nos sites com o  único objetivo de observar o seu  funcionamento e o perfil dos usuários. Na maioria dos casos, o site não atende às expectativas desses usuários. Eles normalmente se adicionam no site porque  foram convidados por seus colegas.

O esforço para usar esse site é grande e os pesquisadores estão muito ocupados.

A massa crítica não é alcançada… todos tem telefone ou e-mail mais apenas uma pequena parte dos pesquisadores estão presentes nas redes.

O estudo fala também que tem casos de sucesso : ArchivX para os físicos e o Plos Biology, que podem ser usandos como exemplo. E neste último, eu me coloco como um caso típico aqui.

O estudo insiste sobre a importância de guias de boas práticas em comunicação cientifica e a necessidade de dar mais visibilidade aos repositórios institucionais como portais de informação de grande importância para a democratização e divulgação dos conhecimentos