Uma política de ciência aberta na França

A França não é campeã do mundo em ciência aberta,  mas um plano nacional recente vai incentivar os pesquisadores a compartilhar o material das pesquisas.

Na  terça-feira , dia 4 de julho de 2018, a ministra da pesquisa, do ensinamento superior e da Frédérique Vidal divulgou um plano nacional para ciência aberta no Congresso  da Associação das bibliotecas universitárias Liber 2018.

O foco principal do plano é  tornar acessível os resultados de pesquisas científicas abertos para todos sem barreiras, sem demora e de forma gratuita.

 

Esse plano faz parte dos compromissos feitos dentro do plano OGP Open Gouvernement Plan  combinando 70 países para desenvolver a transparência da ação pública e se inscreve dentro da iniciativa europeia do Amsterdam Call for Open Science.

O plano cria a obrigação de um acesso aberto para as publicações e para dados de pesquisa financiadas para projetos com dinheiro público. Ele configura um comitê para a ciência aberta e apoia maiores iniciativas de estruturação  para a publicação dos dados. Por fim, o plano tem um componente para a formação dos pesquisadores e um componente internacional.

Esse post apresenta as principais medidas do plano da ciência aberta. Em caso de dúvida o texto de referência é o documento em françês .

Primeiro eixo:  generalizar o acesso às publicações

Os três  grandes princípios deste eixo são : 

1 – A obrigação da publicação em acesso livre dos artigos e dos livros financiados para chamadas de projetos com recursos públicos

2 –  Criar um fundo de amparo para a ciência aberta

3 – Financiar o repositório nacional HALe simplificar o depósito para os pesquisadores que publicam em acesso aberto com outras plataformas.

Nesse eixo o depósito de uma publicação no repositório nacional HAL  para os pesquisadores deveria ser facilitado. Também a publicação  através de novo tipos de publicações como os preprint (publicação de um artigo antes da avaliação pelos pares) e os  artigos de dados (data paper) deveria ser ampliada . A bibliodiversidade dos meios de publicações serão reforçadas seguindo a chamada de Jussieu para a ciência aberta e a bibliodiversidade.

Enfim, o eixo menciona O Initiative for Open Citacoes (IOC) e uma avaliação das pesquisas  seguindo a declaração DORA ( Declaration of research Assessment)e o manifesto de Leiden sobre métricas de avaliação de pesquisas.

Segundo eixo: estruturar e abrir os dados de pesquisas

os grandes princípios desse eixo são : 

4- Obrigação de divulgar abertamente os dados de pesquisas de programas financiados para chamada de projeto com recursos públicos

5 – Criação da função  de administrador dos dados e de rede associados dentro de cada organização ou universidade

6- Criação das condições para  uma política de dados aberta associada aos artigos de pesquisa publicados pelos pesquisadores

Uma chamada de projeto da ANR Agência Nacional de Pesquisas vai incentivar a estruturação de dados de pesquisas com os princípios FAIR. Os gastos ligados ao tratamento dos dados poderão ser incluídos dentro da resposta à chamadas de projeto.

Os pesquisadores serão convidados para depositar os dados dentro de repositórios de dados certificados cuja soberania e as regras de propriedades intelectuais serão em conformidade com as boas práticas.

As infraestruturas nacionais e europeias serão privilegiadas. Os planos de gestão de dados serão generalizados.

Neste eixo as medidas são:

7- A obrigação de publicar abertamente os dados de pesquisa  resultando de programa financiado com fundo público

8- A criação de uma função de administrador de dados no ministério e dentro de cada organização

9- A criação de condições para promover a adoção de uma política de dados abertos para os dados ligados aos artigos.

A ANR  (Agência Nacional da Pesquisa) vai abrir uma “chamada de proposta “flash” para financiar a adopção dos princípios FAIR e a abertura dos dados de pesquisa na França.

O plano prevê também a  criacão de  um prêmio de dados de pesquisas para recompensar os laboratórios de pesquisas ou os projetos.

O plano prevê sustentar  a Research Data Alliance (RDA) criando um capítulo francês RDA France. Um outro projeto que o plano vai apoiar é  o Software heritage,a biblioteca dos códigos informáticas. O plano vai incentivar também as formacões em ciencias abertas  nas escolas de pós graduação (Ecoles Doctorales).

 

Terceiro eixo : se inscrever num dinâmica sustentável , europeia e internacional

Os  três principios são :

7- Desenvolver as competências em ciência aberta principalmente nos programas de pós graduação (école doctorale)

8 – Incitar os operadores de pesquisa a adotar uma política de ciência aberta

9- Contribuir ativamente à estruturação europeia dentro do European Open Science Cloud e de uma participação ao programma  GO FAIR, uma iniciativa  internacional que tem como objetivo construir um ambiente internacional de pesquisa enriquecido para os dados.

A França deve seguir e se inscrever dentro de iniciativas internacionais como EOSC (European Open Science Cloud), GO FAIR, ORCID, OPENAIRESCOSS (Global Sustainability Coalition for Open Science Services ).

Fontes :

 


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.