Altmetric medida nivel de difusão dos artigos no web social

Altmetric [1] é uma empresa privada tipo start-up que avalia o nivel de difusão dos artigos no web social como Facebook, Twitter, Blogs alem  de Mendeley, Connotea e CiteUlike.

A empresa analisa mais de 8.000 revistas e faz mais de 1,5 milhões de  identificações em redes sociais. o número de artigos identificados irá  aumentar de forma constante. o sistema usa o DOI (digital Object  Identifier) à que permite identificar e localizar cada artigo no web.

O Altmetric score usa o volume  como as varias seguintes :

  • O volume : o score para um artigo aumenta quanto mais pessoas mencioná-lo.
  • As fontes : com valores diferentes : um artigo de jornal diário  contribui com mais do que um post de blog que contribui mais do que um  tweet.
  • Os Autores : se  uma pessoa propria conta mais ou um envio automatico do jornal

A métrica se chama “Altmetric score” e esta vizualisada como o Altmetric  Donuts altmetric donut

Como usar o Altmetric Score. ?
Tem um bookmarlet (ferramenta) que cada um pode instalar no seu navegador web (Firefox, Chrome, Safari) na barra de ferramentas [2] . Depois so visitar a pagina de um artigo e cliquar no botão.botão altmetric boormarklet
Exemplo 1 um artigo do journal Nature

altmetric score  exemplo 1- Nature

Exemplo 2 : um artigo do jornal PNAS

altmetric PNAS
Altmetric score com um artigo de revista PNAS

Esse tipo de medida parece muita inovadora e a empresa pode fazer   extrações do seu banco de dados par instituções por exemplo.
Os artigos sem resultados nao sao dentro o banco de dados. Os jornais com impacto forte e jornais em accesso livre (OA journals)  tem maiores scores do que jornais com subscripcões ou jornails com impacto baixo.
Seria muito interessante o mesmo tipo de medida com os conteudo dos repositorios dos arquivos abertos que também são de accesso livre e a maoridade deles mostram os DOI dos artigos (ou um Handle)

[1] www.altmetric.com/
[2] Bookmarklet : http://www.altmetric.com/bookmarklet.php

Titulos das publicações cientificas e tweets : mesmas regras ?

O título de um artigo científico sempre foi um elemento preponderante na  seleção de item por um pesquisador.

Os bancos de dados e os motores de busca exibem-lo de maneira muito legível. E a primeira coisa que os leitores vão ler na internet ou no  celular.  O título deve seguir as  regras seguintes:
– o título deve ser informativo,
– evitar usar palavras como “New observation …”, “Contribution to… ” etc.,
– a primeira escolha de palavras é importante, as palavras informativas são colocadas no início do título,
– os termos “palavras-chave”, descrevendo a pesquisa, devem estar nele.

Para ilustrar os efeitos da leitura na internet, Dan Zarrella, um  influente especialista em mídias sociais, mostrou a influencia dos  conteúdos dos tweets no Twitter  em um gráfico (veja abaixo).

– O tweet vai ser mais clicado se é um texto informativo entre 120 e  130 caracteres (o máximo é de 140 no twitter)
– também é melhor usar verbos que adjetivos.

fontes : http://danzarrella.com/infographic-how-to-get-more-clicks-on-twitter.html#
clickthrough rate (CTR) of the links you’re tweeting. Dan Zarrella
Clickthrough rate (CTR) of the links you’re tweeting. Dan Zarrella

Porque acesso livre completo e importante – Why full open access matter

Citation: Carroll MW (2011) Why Full Open Access Matters. PLoS Biol 9(11): e1001210. doi:10.1371/journal.pbio.1001210

Esse artigo da revista open access Plos One é uma demonstração do interesse para um modelo completo em acesso livre.

Autores científicos que pagam por uma publicação dos seus artigos em acesso livre estão de parabéns, mas eles devem saber que as publicações deles não estão em acesso livre completo.

Duas características define uma publicação em acesso livre (open access)

(1) o conteúdo da publicação e de acesso livre na internet é gratuito

(2) os leitores tem a permissão do copyright para republicar ou reusar o conteúdo como eles querem. A única condição é a atribuição do trabalho (a citação) aos autores e editores.

A licenca Creative Commons escolhida e a 3.0. A única condição e que seja dado crédito (atribuição) http://www.creativecommons.org.br/index.php?option=com_content&task=view&id=22&Itemid=35

O artigo também analisa o impacto do modelo acesso livre.

modelo económico

O modelo clássico da  publicação é caracterizado pelo preços em alta e custos de produção reduzidos. Portanto com a difusão eletrônica das revistas, estes preços deveriam abaixar. A explicação é que as bibliotecas tem a missão de inscrever as revistas e que os pesquisadores precisam do acesso as revistas. Não tem competição do nível dos preços nessa área.

– O modelo de acesso livre, (os autores que pagam para ser publicado, depois o acesso esta livre ver nota1) fundamentalmente muda o equilíbrio de poder na publicação de revistas, e, assim, aumenta muito a eficiência e eficácia da comunicação científica.

Esse modelo não tem barreira de uso nem de custos para os leitores porque os autores tem mais revistas para escolher onde publicar que as bibliotecas podem se inscrever. Este aumento da concorrência irá reduzir os custos globais de comunicação científica, ampliando o acesso e reutilização da literatura.

Porque torcer pelo modelo acesso livre ?

Deixar os direitos autorais aos autores para permitir o reuso amplo, garantindo simultaneamente a autores e editores que recebem crédito pelo trabalho que fizeram.

Tem editores do modelo clássico que sugerem aos autores opção open choice : o artigo esta em acesso livre se os autores pagam os custos de publicação. Mais esse tipo de opção não e acesso livre completo, reservando para os editores os direitos de fazer qualquer reutilização
comercial. (Isto é feito através do uso da licença Creative Commons não-comercial ou da Creative Commons Attribution Non-Commercial-Share Alike licença.).

Esse tipo de licença não permite ao autor por exemplo de colocar o texto no Wikipedia que usa um “share alike” licence.

O autor suspeita que esses editores têm o comercio do text mining em mente, como um dos tipos de reutilização que eles gostariam de controlar. Eles podem também vende-los de novo no setor privado.

Um dos grandes benefícios de acesso aberto é que os pesquisadores podem usar qualquer ferramenta de busca baseado na web para se envolver em  análise por computador da literatura publicada.

Para o autor esse tipo de licença são pseudo acesso livre e os autores  não deveriam aceita-las.

 nota 1 Os 2 modelos econômico pelas revistas cientifica

O modelo clássico : os leitores ou as instituições e bibliotecas pagam  para ler o artigo, mas não tem muito mais direito de uso

O modelo acesso livre onde os autores pagam para publicar mais depois o  artigo esta em acesso livre com direitos para os leitores de reusa-los  (ver abaixo).

Tem tambem um modelo hybrido: uma revista do modelo clássico que  permite aos autores pagam os preços das publicações.

 nota 2 Editores que são predadores do modelo acesso livre

Um bibliotecário universitário americano publicou uma lista dos editores  que tem praticas especiais como anunciar muito jornais sem muito  conteúdo: Beall’s List of Predatory, Open-Access Publishers.
http://metadata.posterous.com/83235355 .

 nota 3 : o modelo acesso livre esta em crescimento.

O  DOAJ directory of Open Access Journals lista mais de 8000 revistas  cientificas em acesso livre http://doaj.org .

Estudo sobre o papel das redes sociais na comunicação cientifica

Leitura do estudo Social Networking Sites and their role in Scholarly Communications– maio de 2011   Centre for Research Communications at the University of Nottingham (UK).  Disponível em: <  http://crc.nottingham.ac.uk/projects/rcs/Social_Networking_Report-Duke&Jordan.pdf > Acesso em : 31 jul. 2011.

Este estudo tem como objetivo auxiliar pesquisadores que usam as redes socias e como elas podem ser usadas em relação aos open access repositórios.

O estudo pediu aos pesquisadores e doutorados teorizar sobre a utilização das redes socias em suporte de pesquisas e qual e o conhecimento deles sobre o Open Access.

O foco da pesquisa está nos 6 sites vinculados a área acadêmica:  academia.edu, Peer Evaluation , Mendeley, Research Gate, SciSpace, Zotero.

Linkedin tem uma posição diferente dos outros, porque se definiu mais para contatos de negócio do que para contatos científicos

Os outros sites são Academici (fechado) Epernicus Network, Quartzy (só para material labs), MyScience (só para buscar empregos), CiteUlike, MyExperiment

Quinze universidades foram escolhidas para participar da pesquisa, constituindo um questionário com diversas áreas de interesse. Só 117 respostas voltaram (9%) , 85 respostas dos pesquisadores e 32 respostas dos estudantes.

As repostas são compartilhadas entre jovens pesquisadores, estudantes (59), pesquisadores master (44)  e  seniors  (19).

A primeira questão foi sobre o conhecimento de cada um em relação as redes socias.

Como ninguém conhece  as seguintes : myExperiment, SciSpace, Quartzy, Peer Evaluation e myScience.ch, Epernicus Network. A pesquisa  vai trabalhar só sobre Mendeley, Zotero, CiteULike, Academia.edu, LinkedIn e ResearchGate.

Alguns pesquisadores falam sobre Facebook e sobre o  Twitter para fazer conexão além do Xing, Ning, Second Life and Biomed Experts.

O estudo teve questões sobre

material de publicação
contato com outros pesquisadores
busca de outros pesquisadores
busca de material pertinente (documentos)

Os 3 últimos pontos foram perguntas sobre  o uso do E-mail, do Twitter e da participação em congressos e  eventos

Os resultados são que o e-mail e a participação nos eventos continuam dominando o sistema  de comunicação dos pesquisadores. Fora o LinkedIn , nenhuma outra  rede social está sendo usada mais do que 5% . . 3 sites são usando para publicação, porém  não estão sendo  utilizados  para a publicação do processo de trabalho .

O estudo delinea um grupo, denominado de grupo X,  usuário do Mendeley, Zotero, CiteULike, Academia.edu and ResearchGate . Esse grupo representa 16% dos participantes da pesquisa, mas na sua maioria não usa todas as possibilidades das ferramentas contidas no site. Quanto ao  Linkedin, este é  usado por 19 % dos pesquisados

O mais interessante do estudo e que a maioria dos pesquisados não tem interesse de mudar a maneira de comunicação,  incluindo eventos. Os uso do e-mail esta permanecendo como o preferido  em comparação as redes, como por exemplo: O  Facebook ou  O Twitter. Outras Redes sociais  além do  Facebook  são usadas para um significativo número de  pesquisadores, entretanto apenas para  uma  minoria.

Os autores ficaram  surpresos pois perceberam  na pesquisa que não há sinais de grande procura em relação ao uso das redes socias. Apenas 30 % dos pesquisados usam uma rede social como suporte nas suas pesquisas.

A parte “Open access e redes socias “ mostra que os pesquisadores não conhecem bem os dois caminhos do acesso livre : Open Access jornais e repositórios institucionais. Não existe muita relação entre a publicação (difusão, avaliação) em acesso livre e o uso das redes sociais. O estudo demonstra também que se tem pouco incentivo das instituições em publicações pelo sistema  acesso livre, além do que os publicados numa rede social.

As conclusões que chegaram é  que apenas 16 %  usam outras  redes socias  do que Linkedin, mas na verdade só Zotero e Mendeley são muito usadas, na proporção de um para cada 2 dos pesquisadores.

Muitos pesquisadores pretendem criar uma conta nos sites com o  único objetivo de observar o seu  funcionamento e o perfil dos usuários. Na maioria dos casos, o site não atende às expectativas desses usuários. Eles normalmente se adicionam no site porque  foram convidados por seus colegas.

O esforço para usar esse site é grande e os pesquisadores estão muito ocupados.

A massa crítica não é alcançada… todos tem telefone ou e-mail mais apenas uma pequena parte dos pesquisadores estão presentes nas redes.

O estudo fala também que tem casos de sucesso : ArchivX para os físicos e o Plos Biology, que podem ser usandos como exemplo. E neste último, eu me coloco como um caso típico aqui.

O estudo insiste sobre a importância de guias de boas práticas em comunicação cientifica e a necessidade de dar mais visibilidade aos repositórios institucionais como portais de informação de grande importância para a democratização e divulgação dos conhecimentos

Meu primeiro post

Caro(a) leitor(a),
Esse Blog é sobre como elaborar  uma publicação científica.  A fase antes da publicação : a redação, a coleta de dados ou de observações, o processo de revista pelo pares (Peer-review),  as ferramentas e rede social e etc.

O  Blog é  também um espaço para informar como  alcançar uma melhor divulgação da sua  publicação : Como valorizar o seu trabalho publicado (com Open access , redes sociais), como as publicações são usadas para avaliação dos laboratórios e para os estudos bibliométricos.

Se é do seu interesse, venha participar desse espaço de troca.

Sugestões serão sempre  bem-vindas

Um abraço,

Pascal…..