Plano S para divulgar publicações de acesso aberto de projetos financiados por agencias de fomentos

planSO Plano S é uma iniciativa editorial de acesso aberto que foi lançada em setembro de 2018. O plano é apoiado pelo cOAlition S, um consórcio internacional de financiamento de pesquisa e organizações de sucesso. 

O Plano S exige que, a partir de 2021, as publicações científicas resultantes de pesquisas com financiamento público sejam publicadas em periódicos ou plataformas de acesso aberto que atendam aos critérios de seleção.

O Plano S envolve mais de 20 doadores internacionais e nacionais, incluindo a Comissão Européia. Ela será implementada progressivamente em 2021. 

O Plano S aceita três vias para a publicação de acesso aberto 

Publicação em uma revista de acesso aberto de todos os artigos ou em uma plataforma de publicação (1). Neste caso, os financiadores cobrirão os custos de publicação.

Favor observar que a publicação em uma revista híbrida (uma revista por assinatura que se oferece para pagar para colocar um artigo em acesso livre) não é aceita. 

O depósito em um arquivo aberto (repositório em inglês). Neste caso, os autores publicam em uma revista por assinatura e disponibilizam a versão final publicada (Versão de Registro (VoR)) ou o Manuscrito Aceito do autor (AAM ou MAA) em um arquivo aberto (serviço gratuito). 

(ver Right Retention Strategy https://www.coalition-s.org/wp-content/uploads/2020/10/RRS_onepager.pdf)  e também o blog sobre Manuscrito  Smith, Arthur. ‘Manuscript Detectives – Submitted, Accepted or Published? | Unlocking Research’. 2020. https://unlockingresearch-blog.lib.cam.ac.uk/?p=1872.

Publicação em uma revista que está empenhada em transformar seu modelo em uma revista de acesso aberto. Neste caso, está prevista uma contribuição parcial.

Os financiadores da coalizão têm a possibilidade de decidir unilateralmente padronizar e limitar o reembolso dos serviços que cobrirão com suas subvenções. A coalizão poderá posteriormente decidir implementar tetos de forma coordenada se forem observados níveis de preços não razoáveis (Princípio 5 de transparência de custos e taxas, ver https://www.coalition-s.org/addendum-to-the-coalition-s-guidance-on-the-implementation-of-plan-s/principles-and-implementation/).

 O Plan S desenvolveu uma ferramenta para verificar se um jornal é compatível com seus critérios de seleção. Esta é a ferramenta Journal Checker Tool https://journalcheckertool.org/(versão beta) . 


Para se enquadrar no âmbito do plano S, os artigos devem ser publicados sob uma licença aberta, de preferência a licença Creative Commons CC BY assim que o artigo for publicado (sem embargo). Os autores devem manter os direitos autorais de suas publicações.

Atualmente, o Plano S diz respeito apenas a artigos científicos, porém o Coalition S incentiva o livre acesso a dados e outros tipos de publicações, tais como capítulos de livros (prévisão para 2021) ou dados de pesquisa.

O Plano S representa uma grande oportunidade para desenvolver o modelo de Acesso Aberto para revistas, mantendo os custos de publicação em um nível razoável, enquanto mantém a possibilidade de depósito em um arquivo aberto.

  No entanto, as regras do Plano S são aceitáveis para publicação para cientistas em países europeus mas  são aceitáveis para os países do Sul?  Como eles terão acesso as revistas pagas de “acesso aberto” para publicar se as agências de fomento não cobrem o preço inteiro ?

 

 É por isso que se deve favorecer o desenvolvimento de periódicos no modelo “Diamond de acesso aberto”, financiados diretamente pelas instituições, mas sem custo para os autores. A plano S esta explorando esse modelo : ‘Exploring Collaborative Non-Commercial Publishing Models for Open Access: Tender Results | Plan S’. 2020. https://www.coalition-s.org/exploring-collaborative-non-commercial-publishing-models-for-open-access-tender-results/.

Pelo menos na Europa,  é muito importante  que os profissionais da informação acompanhem a implementação do plano S e ajudem os pesquisadores para escolher o meio de publicação e a negociar para recuperar sua publicação em conformidade com as regras do Plano S.

Ver Também :

 Plan S — and Article Processing Charges (APCs) [online]. SciELO in Perspective, 2018 [viewed 03 December 2020]. Available from: https://blog.scielo.org/en/2018/11/27/plan-s-and-article-processing-charges-apcs/

Uma política de ciência aberta na França

A França não é campeã do mundo em ciência aberta,  mas um plano nacional recente vai incentivar os pesquisadores a compartilhar o material das pesquisas.

Na  terça-feira , dia 4 de julho de 2018, a ministra da pesquisa, do ensinamento superior e da Frédérique Vidal divulgou um plano nacional para ciência aberta no Congresso  da Associação das bibliotecas universitárias Liber 2018.

O foco principal do plano é  tornar acessível os resultados de pesquisas científicas abertos para todos sem barreiras, sem demora e de forma gratuita.

 

Esse plano faz parte dos compromissos feitos dentro do plano OGP Open Gouvernement Plan  combinando 70 países para desenvolver a transparência da ação pública e se inscreve dentro da iniciativa europeia do Amsterdam Call for Open Science.

O plano cria a obrigação de um acesso aberto para as publicações e para dados de pesquisa financiadas para projetos com dinheiro público. Ele configura um comitê para a ciência aberta e apoia maiores iniciativas de estruturação  para a publicação dos dados. Por fim, o plano tem um componente para a formação dos pesquisadores e um componente internacional.

Esse post apresenta as principais medidas do plano da ciência aberta. Em caso de dúvida o texto de referência é o documento em françês .

Primeiro eixo:  generalizar o acesso às publicações

Os três  grandes princípios deste eixo são : 

1 – A obrigação da publicação em acesso livre dos artigos e dos livros financiados para chamadas de projetos com recursos públicos

2 –  Criar um fundo de amparo para a ciência aberta

3 – Financiar o repositório nacional HALe simplificar o depósito para os pesquisadores que publicam em acesso aberto com outras plataformas.

Nesse eixo o depósito de uma publicação no repositório nacional HAL  para os pesquisadores deveria ser facilitado. Também a publicação  através de novo tipos de publicações como os preprint (publicação de um artigo antes da avaliação pelos pares) e os  artigos de dados (data paper) deveria ser ampliada . A bibliodiversidade dos meios de publicações serão reforçadas seguindo a chamada de Jussieu para a ciência aberta e a bibliodiversidade.

Enfim, o eixo menciona O Initiative for Open Citacoes (IOC) e uma avaliação das pesquisas  seguindo a declaração DORA ( Declaration of research Assessment)e o manifesto de Leiden sobre métricas de avaliação de pesquisas.

Segundo eixo: estruturar e abrir os dados de pesquisas

os grandes princípios desse eixo são : 

4- Obrigação de divulgar abertamente os dados de pesquisas de programas financiados para chamada de projeto com recursos públicos

5 – Criação da função  de administrador dos dados e de rede associados dentro de cada organização ou universidade

6- Criação das condições para  uma política de dados aberta associada aos artigos de pesquisa publicados pelos pesquisadores

Uma chamada de projeto da ANR Agência Nacional de Pesquisas vai incentivar a estruturação de dados de pesquisas com os princípios FAIR. Os gastos ligados ao tratamento dos dados poderão ser incluídos dentro da resposta à chamadas de projeto.

Os pesquisadores serão convidados para depositar os dados dentro de repositórios de dados certificados cuja soberania e as regras de propriedades intelectuais serão em conformidade com as boas práticas.

As infraestruturas nacionais e europeias serão privilegiadas. Os planos de gestão de dados serão generalizados.

Neste eixo as medidas são:

7- A obrigação de publicar abertamente os dados de pesquisa  resultando de programa financiado com fundo público

8- A criação de uma função de administrador de dados no ministério e dentro de cada organização

9- A criação de condições para promover a adoção de uma política de dados abertos para os dados ligados aos artigos.

A ANR  (Agência Nacional da Pesquisa) vai abrir uma “chamada de proposta “flash” para financiar a adopção dos princípios FAIR e a abertura dos dados de pesquisa na França.

O plano prevê também a  criacão de  um prêmio de dados de pesquisas para recompensar os laboratórios de pesquisas ou os projetos.

O plano prevê sustentar  a Research Data Alliance (RDA) criando um capítulo francês RDA France. Um outro projeto que o plano vai apoiar é  o Software heritage,a biblioteca dos códigos informáticas. O plano vai incentivar também as formacões em ciencias abertas  nas escolas de pós graduação (Ecoles Doctorales).

 

Terceiro eixo : se inscrever num dinâmica sustentável , europeia e internacional

Os  três principios são :

7- Desenvolver as competências em ciência aberta principalmente nos programas de pós graduação (école doctorale)

8 – Incitar os operadores de pesquisa a adotar uma política de ciência aberta

9- Contribuir ativamente à estruturação europeia dentro do European Open Science Cloud e de uma participação ao programma  GO FAIR, uma iniciativa  internacional que tem como objetivo construir um ambiente internacional de pesquisa enriquecido para os dados.

A França deve seguir e se inscrever dentro de iniciativas internacionais como EOSC (European Open Science Cloud), GO FAIR, ORCID, OPENAIRESCOSS (Global Sustainability Coalition for Open Science Services ).

Fontes :

 

Ranking das 1200 Universidades usando citações do Google Scholar

O time de Webometrics usou a recente classificação pelas instituições do Google Scholar para establecer um ranking experimental de 1200 institituições.

Sem supresas, as universidades americanas, britânicas e canadenses lideram o ranking. A primeira universidade fora desses 3 países é a National University of Singapore (na quadragésima colocação). Continuar a ler “Ranking das 1200 Universidades usando citações do Google Scholar”

Novas ferramentas para pesquisadores : mudança do workflow

Na hora da transmissão numérica os cientistas poderiam ser desorientados para a multiplicação das ferramentas que aparecem na internete. Essas ferramentas podem ser usadas por um painel de acões amplas, na área professional como pessoal. A oferta é muito grande. Como conhecer, comparar e avaliar as ferramentas disponíveis ? Quais são as tendências de uso ? [L’Hostis 2015 ] .

O site : Innovations in Scholarly Communications. Changing research workflows da Universidade do Ultrecht (Holanda) apresenta um levantamento internacional para conhecer os usos efetivos das ferramentas para os cientistas. Mais de 550 ferramentas são apresentadas e descritas com uma apresentação gráfica original.

O público-alvo do levantamento são os atores da ciência : estudantes, pesquisadores e professores ou pessoas em apoio as pesquisas. Ele ficará ativo até feveireiro 2016. Mais de 4000 pessoas já responderam.  As 1000 primeiras respostas são online. Elas confirmam o uso  cada vez maior das redes socias como ferramentas (em destaque Google Scholar,  ResearchGate, Twitter) e os usos das ferramentas institucionais. Os responsáveis do projeto esperam identificar os hábitos em função de varios parámetros : disciplinas, paises, ….

Por exemplo, a questão : “qual site ou ferramenta você usa para acesso na literatura ?” tem as respostas seguintes :

101 innovations
fonte https://101innovations.files.wordpress.com/2015/06/typeform-1000-access.png

Outra originalidade é a apresentação do tipo de workflow possiveis em função das ferramentas usadas : tradicionais, modernas, open science,  inovantes, experimentais.

101innovationstypicalworkflow

O site lista por tipo de atividade as tendencias, espectativas, oportunidades desafios sobre desenvolvimentos das ferramentas e os usos.

O  poster :101 Innovations in Scholarly Communication – the Changing Research Workflow (abaixo) apresentado pelos responsáveis do projeto na conferência Force2015  (Oxford, Janeiro 2015) sintetisa os resultados.

101innovations

 

 

 

 

 

 

Réferências