Bibliometria : colaboração Brasil-França em ciências agrárias (2004-2013)

Trabalho apresentato no  IV Encontro Brasileiro de Bibliometria e Cientometria (EBBC). Universidade Federal de Pernambuco. Recife (Brasil) May 14-16, 2014. A colaboração Brasil-França na pesquisa em ciências  agrárias  (2004-2013).

Autores :
Sibele Fausto (USP), sifausto@usp.br @sibelefausto (coordenadora do trabalho)
Ricardo Arcanjo De Lima (EMBRAPA), ricardo.arcanjo@embrapa.br @RicardoArcanjo
Pascal Michel Aventurier (INRA), Pascal.Aventurier@paca.inra.fr @Pascal_Av

texto integral –  Apresentação oral no Slideshare

1 INTRODUÇÃO

Entre os vários eixos temáticos dos estudos bibliométricos, incluem-se as análises de colaboração na Ciência, que permitem caracterizar e localizar a atividade científica de elementos como países, regiões, instituições e autores em relação a outros. Segundo Glänzel (2002), o método bibliométrico para análise da colaboração científica é o estudo de coautoria. O Brasil e a França possuem uma longa tradição na pesquisa agrícola, e também colaborações bilaterais (ALVES; CONTINI; HAINZELIN, 2005). Segundo um estudo de Bédu et al. (2012), usando dados da Web of Science (WoS), as coautorias entre Brasil e França estão em segundo lugar nas colaborações internacionais do Intituto Nacional de Pesquisa Agronômica (Institut national de la recherche agronomique – INRA), da França, com 12,6% do total de artigos publicados, atrás apenas dos Estados Unidos com 37,7%. No entanto essas parcerias são desprovidas de análises bibliométricas publicadas documentando mais detalhadamente essa relação. Este trabalho objetiva investigar como se apresenta a colaboração Brasil-França na pesquisa em Ciências Agrárias, verificando aspectos bibliométricos dessa parceria no período de dez (10) anos, entre 2004 a 2013, além de visualizar a rede institucional formada por essas colaborações através de uma ferramenta de Análise de Redes Sociais (ARS).

2 Metodologia

A fonte dos dados a ser usada para realização de estudos de colaboração deve ser multidisciplinar, abrangente e registrar os dados completos de afiliação institucional para cada documento incorporado. Atualmente duas bases apresentam todos os critérios necessários: Web of Science (Thomson Reuters) e Scopus (Editora Elsevier).

Para realização do presente estudo optou-se pela base de dados Scopus[1], fonte que se apresenta com a maior cobertura de publicações internacionais após 1996, compreendendo 20.000 títulos de 5.000 editoras. O intervalo de tempo utilizado no estudo foi de 10 anos, considerando que este período permite identificar e analisar o comportamento e as regularidades da atividade científica na área de Ciências Agrárias.

A formulação de uma estratégia para a recuperação de publicações científicas é complexa, principalmente em áreas como as Ciências Agrárias, que recebem contribuição de diversas áreas do conhecimento. Tendo em vista a dificuldade de trabalhar isoladamente com as disciplinas que compõem a área da pesquisa em Ciências Agrárias, optou-se por utilizar na estratégia de recuperação dos dados a categoria “Agricultural and Biological Sciences” presente na base Scopus (Quadro 1), que é suficientemente abrangente e  considera a interface multidisciplinar das Agrárias

Quadro 1. Estratégia de busca para recuperação de dados sobre publicações científicas brasileiras em colaboração com a França na área de Ciências Agrarias

Expressão
AFFILCOUNTRY (brasil OR brazil OR bresil AND france) AND DOCTYPE(article OR review)
AND PUBYEAR > 2003 AND PUBYEAR < 2014 AND (LIMIT-TO(SUBJAREA, "AGRI"))
Registros: 1.481

Com base na estratégia de busca foi recuperado o universo da produção científica conjunta entre Brasil e França na área de Ciências Agrárias. Os 1.481 registros recuperados foram tratados com o software VantagePoint7, que nos permitiu trabalhar com cada um dos campos da base, listando e agrupando as informações contidas nos registros por matrizes de colaboração, segundo as categorias: (i) evolução quantitativa das colaborações Brasil-França entre 2004-2013; (ii) temáticas mais abordadas; (iii) instituições mais produtivas; e (iv) títulos de revistas com mais publicação.

Complementarmente, procedeu-se a uma análise da rede de colaboração entre os autores através do software Gephi[2] com as listagens obtidas de (iii); e com os dados de (iv), a uma classificação da relevância dos títulos das revistas com a ferramenta NOtoriété des Revues et Indicateurs d’Articles (NORIA)[3], desenvolvida para uso interno no INRA. A NORIA permite a distribuição dos títulos de acordo com um intervalo do quartil do Fator de Impacto (FI) de cada revista, distribuindo-as em 5 categorias de cores diferentes: Excepcional (Exceptionnelle – em vermelho), Excelente (Excellente – em verde), Correto (Correcte – azul escuro), Aceitável (Acceptable – azul claro), e Ruim (Médiocre – em laranja) conforme indicam Désiré, Magri e Solari (2012) em sua metodologia.

4 Resultados e discussão

A colaboração Brasil-França evoluiu entre 2004 e 2013 com uma média de 148,10 publicações por ano, a uma taxa de crescimento anual médio de 11.79%, com destaque para os anos de 2006 (crescimento de 13,13%), 2008 (com um pico de 22,22% de crescimento), 2009 e 2010 (com crescimentos aproximados, de 16,67% e 16,30% respectivamente), e no ano de 2013, com 17,01% de crescimento após um período de decaimento nos dois anos anteriores, 2011 (5,15%) e 2012, que apresentou crescimento negativo de -3,09%, conforme mostra o Gráfico 1.

Image1

Gráfico 1: Evolução da Colaboração Brasil-França em número de publicações

(2004-2013). Fonte: Scopus

Em relação às temáticas nas colaborações Brasil-França no período estudado, verifica-se que há uma ampla variedade de temas comuns, com “Taxonomia” e “Amazônia” liderando em número de publicações, com 35,12% e 34,11% do total da amostra. Também merecem destaque “Eucalipto” e “Cerrado”, com 19,6% e 18,6% do total, respectivamente (Gráfico 2). Segundo uma análise do Observatoire des Sciences et de la Technologie (OST) francês (2010), o Brasil apresenta um perfil particular de áreas de pesquisa em relação a outros países do bloco BRIC, com destaque em Biologia Aplicada e Ecologia, o que pode explicar esse resultado.
Image2

Gráfico 2: Temáticas abordadas na colaboração Brasil-França (2004-2013). Fonte: Scopus

O mapa da rede de colaboração obtido após tratamento dos dados com o VantagePoint7 (Figura 1), com a normalização dos nomes das instituições envolvidas, representa 89 instituições com pelo menos cinco parcerias, 41  instituições francesas e  48 brasileiras, mostrando os principais centros de produção de conhecimento em Ciências Agrárias na cooperação Brasil-França.

Entre as instituições brasileiras a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) e a Universidade de São Paulo (USP) merecem destaque. A primeira é uma instituição voltada exclusivamente para a pesquisa agropecuária e possui um laboratório localizado na Fundação Agropolis em Montpellier-França; a Universidade de São Paulo por sua vez possui uma das mais prestigiadas escolas de Agronomia, a “Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz”. Outras instituições brasileiras que se mostraram bem ativas na cooperação científica agrícola com a França foram a Universidade Federal de Viçosa (UFV), Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE) e Universidade de Brasília, todas contando com importantes institutos agronômicos e excelentes programas de pós-graduação na área das Ciências Agropecuárias e/ou relacionadas.

Já entre as instituições francesas, destacam-se o Centro de Cooperação Internacional em Pesquisa Agronômica para o Desenvolvimento (Centre de coopération internationale en recherche agronomique pour le développement – Cirad), o Instituto de Pesquisa para o Desenvolvimento (Institut de recherche pour le développement – IRD) e o INRA, que são instituições de pesquisa francesas com orientação internacional. A universidade de Montpellier também é muito presente na colaboração, com a citada Fundação Agropolis, pólo de pesquisa em Agronomia; seguida pela Universidade Paris 6, que igualmente desenvolve importantes pesquisas na área agrícola. As colaborações que envolvem uma dessas três instituições brasileiras (USP, Embrapa, UFRJ) e um das quatro instituições francesas (CIRAD, IRD, CNRS e INRA) representam 18% do total das colaborações (498/2.771 relações). Essas instituições apresentam 52% das publicações (1.598/3.097).

Image3

Figura 1: Mapa de rede das colaborações Brasil-França (2004-2013). Fonte: Scopus

FR-BR-mapa completa
CC-BY – Pascal Aventurier

Ver a  a mapa em forma completa

Em relação às revistas, conforme o Gráfico 3, 20 títulos publicaram 383 artigos oriundos da colaboração Brasil-França, e a análise da sua relevância com a ferramenta NORIA mostrou que a maioria desses títulos é classificada como Excepcional (cor vermelha): PloS ONE como a primeira em número de artigos publicados (111 artigos; FI 3.730); New Phytologist (FI 6.736); Journal of Agricultural and Food Chemistry (FI 2.906) e Agriculture, Ecosystems and Environment (FI 2.859) com 14 artigos publicados em cada; Journal of Experimental Botany (FI 5.242) e Biogeosciences (FI 3.754), com 12 artigos cada; PLoS Genetics (FI 8.517); Molecular Ecology Resources (FI 7.432) e Biological Conservation (FI 3.794) com 9 artigos cada, totalizando 204 artigos, 53.26% do total de publicações somente nessas 20 revistas, cujos outros títulos também estão em geral bem classificados, com 5 revistas Excelentes (cor verde, 74 artigos publicados, 19.32% do total); 1 revista Correta (azul escuro, 19 artigos , 4.96% do total) e  2 Aceitáveis (azul claro, 37 artigos, 9.66% do total). Destaca-se que a NORIA é uma ferramenta de classificação de revistas com escopo internacional, e que os títulos brasileiros Revista Brasileira de Ciência do Solo (FI 0.733) e Pesquisa Agropecuária Brasileira (FI 0.661), que juntos publicaram 40 artigos nessa colaboração, são veículos de orientação nacional e muito bem classificados pela lista Qualis, edição 2013[4], classificação que reúne títulos dos periódicos utilizados na divulgação da produção intelectual de pesquisadores brasileiros, produzida e mantida pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), órgão vinculado ao Ministério da Educação (SOUZA, 2004), onde figuram como B1(Revista Brasileira de Ciência do Solo) e A2 (Revista Agropecuária Brasileira) na área de avaliação Ciências Agrárias I.

Image4

Gráfico 3: Revistas com mais publicação no período 2004-2013 e sua relevância

5 Conclusões

Este estudo mostrou como se apresenta a colaboração Brasil-França na área da pesquisa em Ciências Agrárias, evidenciando aspectos dessa parceria no período entre 2004 a 2013. Os resultados mostraram que a colaboração entre esses dois países é importante em volume e aborda temáticas diversas – em especial sobre Taxonomia, Amazônia, Eucalipto e Cerrado; e é publicada em revistas consideradas bem classificadas. Este estudo pode ser expandido, aprofundando a análise de aspectos subjacentes a essa rede de colaboração abordando outros aspectos inerentes à ARS como as propriedades dos laços (simétricos, assimétricos, direcionais, não-direcionais), os graus de representação dos elementos da rede (centralidade, proximidade, intermediação), a abrangência, a conectividade e a densidade, entre outros, bem como quais outros países se agregam a essa colaboração, a evolução das temáticas ao longo dos anos e a classificação da relevância de todos os títulos de revista que publicaram o produto dessa associação tanto com instrumentos como a NORIA como a Qualis-Capes, avaliando veículos de publicação de orientação internacional e nacional, deixando entrever que há uma enorme demanda exploratória nessas relações, contribuindo para sua avaliação e estimulando políticas de fortalecimento da relação bilateral na produção científica na pesquisa em Ciências Agrárias.

REFERÊNCIAS

ALVES, E.; CONTINI, E.; HAINZELIN, E. Transformações da agricultura brasileira e pesquisa agropecuária. Cadernos de Ciência & Tecnologia, Brasília, v. 22, n. 1, p. 37-51, 2005.

DÉSIRÉ, M.; MAGRI, M.-H.; SOLARI, A. Référentiel des notoriétés. Jouy-en-Josas: INRA, 2012. (Version 2).

GLÄNZEL, W. Coauthorship patterns and trends in the sciences (1980-1998): a bibliometric study with implications for database indexing and search strategies. Library Trends, v. 50, p. 461-473, 2002.

BÉDU, O.; FOURNIER, D.; LEISER, H.; TATRY, M.-V. Cartographie des collaborations internationales de l’Inra. Cahier des Techniques de l’INRA, n. esp., p. 35-43, 2012.

OBSERVATOIRE DES SCIENCES ET DES TECHNIQUES (OST). Rapport Biennal OST 2010. Paris: OST, 2010. Disponível em: <http://www.obs-ost.fr/fr/frressources_en_ligne/rapports_analyses_reference/rapport2010VersionTelechargeable>. Acesso em 5 fev. 2014.

SOUZA, M. I. F. SciELO e Qualis: conheça as fontes de divulgação de artigos científicos. AGRInforma, ano II, n. 11, set./out. 2004. Disponível em: <http://www.cnptia.embrapa.br/node/134.html>. Acesso em 17 fev. 2014.

 


[1]  Base de dados Scopus: http://www.info.scopus.com.

[2] Gephi: aplicativo livre de Análise de Redes Sociais (ARS): https://gephi.org/.

[4] Qualis-Capes 2013. Disponível no WebQualis: http://qualis.capes.gov.br/webqualis/principal.seam.

3º Seminário de avaliação do desempenho dos periódicos brasileiros no JCR 2011

Revistas científicas brasileiras ainda tem baixo impacto internacional | Agência FAPESP :: Especiais. autor  Elton Alisson, 16/10/2012

Agência FAPESP – O número de revistas científicas brasileiras presentes em índices internacionais, como o Journal Citation Report, vem aumentando nos últimos anos. Entretanto, o fator de impacto – o número médio de citações dos artigos científicos publicados em um periódico – ainda é baixo e não atingiu a média mundial.
A constatação foi feita por participantes do 3º Seminário de Avaliação do Desempenho dos Periódicos Brasileiros no JCR 2011, realizado no dia 27 de setembro no Auditório da FAPESP.
Promovido pelo programa Scientific Eletronic Library Online (SciELO Brasil) – resultado de um projeto financiado pela FAPESP –, o objetivo do evento foi debater avanços e desafios para o desenvolvimento da qualidade dos periódicos brasileiros e para o aumento do impacto internacional, com base no Journal Citation Reports (JCR).

Publicada em julho, a última edição do JCR, atualizada com dados de 2011, mostra avanços significativos, mas revela também a persistência de condições e barreiras que dificultam o aumento do impacto dos periódicos nacionais.

Segundo o artigo, no fim de julho, vai acontecer a integração da base do SciELO à Web of Knowledge, a mais abrangente base internacional de informações científicas.

O artigo destaca a importançia dos periodicos brasileiros que permite a difusão e a avaliação da produção científica, que não recebe espaço nos periódicos internacionais. E importante lembrar que a difusão da ciencia se faz por meio de artigos cientificos submetidos pelos periodicos e avaliados pelos outros pesquisadores.
Os periodicos brasileiros precisam  de políticas e ações para aumentar  o impacto internacional deles.

As apresentações estão no site do evento – http://eventos.scielo.org/jcr2011/  na seção http://eventos.scielo.org/jcr2011/programacao/  (>> Download).

Sue Silver, Editor in Chief of Frontiers in Ecology and the Environment apresentou o que os autores querem de uma revista ,
aumentar o trafico sobre o site da revista na internet com conteudo interessante. entre eles

  • uma boa visibililidade e um bom fator de impacto da revista
  • uma boa qualidade do site com diferentes formatos (e-pub),  blog para completar a revista, ligações com  as redes sociais
  • material, o webinar sobre como estar publicado (curso ou meeting)
  • links sobre serviço de ajuda para o inglês.
  • cursos e links sobre a redação cientifica

Segundo Abel L. Packer, Coordenador do Programa SciELO / FAPESP, tem 111 periodicos indexados no JCR ( com fator de impacto) em 2011 (113 em 2010 e 70-80 em 2009) e 137 periodicos indexados no Web of Science. Tambem mostrou que tem outros indicadores como Scimago onde os periodicos brasileiros estao presentes. Os periodicos da Scielo contem 50 % dos  seus artigos em inglês em 2011e a media do FI para as revistas e de 0,533. Scielo Brazil e o primeiro no ranking de portais de acesso aberto do Webometrics.  As interfaces para o tablets e smartphones estão previstas para 2013.

Rogerio Meneghini, Coordenador Científico da SciELO mostrou que a metade dos periodicos brasileiros são gerados para  a sociedade e a outra metade são institucionais. Eles são poucos profissionalisados e depende das agência de fomento.

Luís Reynaldo Ferracciú Alleoni, Editor da Scientia Agricola mostrou que em Ciências Agrárias, a maioria das publicações estão em português é que o fator de impacto das revistas brasileiras não aumentou e depende das autocitações (30% do total das citações ) – Uma autocitação e uma citação que é feita de um artigo da mesma revista que o artigo citado. As solucões são publicar em inglês, e envolver  mais pesquisadores do exterior no processo de avaliação dos artigos.

Observações  a título pessoal

As dicas para aumentar a visibilidade das revistas brasileiras são efetivamente aumentar as parcerias internacionais entre pesquisadores. O programa Ciencia sem Fronteiras  ou Access4.eu:brazil devem ajudar muito as parcerias.

Também tem a barreira da lingua como no caso dos pesquisadores françeses. Apoio aos  serviços de correçoes da lingua feito por pessoas de lingua nativa em inglês seria muito importante

Mais tem outros meios :
Publicar artigo de sintese (review article). Um artigo de sintese não tem nova descoberta mais apresenta uma sintese de um assunto do ponto de vista dos autores. São os artigos mais citados.  Quando eu faço curso em comunicação cientifica para doutores . Explico que a sintese bibliografica feita por tesis pode fazer um bom artigo de sintese para publicar dentro de uma revista.

Também mesmo que a Scielo esteja  bem visivel  com o acesso livre seria bom que as revistas e os autores ampliam a presença das revistas nas redes sociais gerais -Facebook, Twitter- ou mais especifico –Research Gate, Mendeley. Os cientistas precisam ser  formado para usar bem essas ferramentas.

Então a grande força da Scielo e a divulgação dos resultados das pesquisas brasileiras, em acesso livre. Graças a ele, outros pesquisadores tem materiais para se referir (através de citações) e construir novos conhecimentos.

O que os cientistas acham sobre o fator de impacto ?

Esse estudo e uma analise de 1704 pesquisadores de 86 paises diferentes  sobre a percepção do fator de impacto.

O fator de impacto (FI) e uma medida criada por Eugene Garfield em 1955. Esta  ligada a cada jornal cientifico presente no banco JCR (Journal Citation  Report do Thomson Reuters) para avaliar o impacto do jornal através das  citações dos artigos.

Em termos matemáticos, em um dado ano o FI de um periódico é calculado como o número médio de citações dos artigos que foram publicados durante o biênio anterior (wikipedia)

Por exemplo o jornal Memorias do Instituto Oswaldo Cruz tem o fator de impacto de 2010 de 2.058

Citações em 2010 dos artigos publicados em 2009 (504) e 2008 (276),
total = 780
Numero de artigos em 2009 (231) e 2008 (148) , total = 379

Fator de impacto (FI) = 780/379 = 2.058

Não tem correlação entre o fator de impacto de um jornal e o numero de  citações de cada artigo desse jornal

O FI e muito usado, não sempre da melhor maneira, para o ranking da  importância dos jornais no mundo acadêmico com a avaliação dos projetos, das instituições e dos laboratórios.

O FI tem desvantagens importantes que são listada na tabela 1 do artigo  : Entre elas , lingua de publicação, temática da pesquisa, limite nos 2  anos unicamente, tipo de artigo (review article) , período no ano, leva  em consideração unicamente o banco de dados Web of Science,  self-citações. Mais alem dessas imperfeições, ele e a melhor metrica  para a avaliação dos jornais.

Os resultados mostram que :
– o uso do FI para avaliação e considerado “importante”,
– tem diferencas entre temáticas : Agricultura, silvicultura e da pesca é
o campo de conhecimento com a opinião mais positiva sobre o FI e  Matemática e estatística é o campo com a opinião mais negativa, embora,
-também tem diferencas as regioes : a Asia, a Africa e a América do sul  estão considerando o FI mais importante que a Europa, A América do Norte  ou a Austrália.

Os resultados mostram correlação positiva entre a importância do FI para a politica de avaliação nos países dos participantes e a  opinião deles  sobre o FI.

Surpreendentemente, há uma correlação negativa entre  o número de artigos publicados pelos pesquisadores entrevistados e sua  opinião sobre o FI.  Quanto mais artigos eles têm, menos eles acreditam que o FI é uma boa métrica. Uma das explicações possíveis para este resultado  poderia ser o fato de que os cientistas mais produtivos não precisam mais da métrica.

Em geral as respostas mostram um situação “nem positiva, nem negativa “.  A reposta mais evidente e que os entrevistados acham o IF útil para a avaliação das revistas.

Fonte : Buela-Casal, Gualberto and  Zych, Izabela. 2012. What do the scientists  think about the impact factor? Scientometrics. Feb 2012 -Online First.  DOI: 10.1007/s11192-012-0676-y
http://www.springerlink.com/content/mk1w6m8117kl374n/
outro artigo importante : Vanclay, J. K. (2012). Impact factor: Outdated artefact or stepping stone to journal certification? Scientometrics/. doi:10.1007/s11192-011-0561-0 <http://dx.doi.org/10.1007/s11192-011-0561-0>.