Uma política de ciência aberta na França

A França não é campeã do mundo em ciência aberta,  mas um plano nacional recente vai incentivar os pesquisadores a compartilhar o material das pesquisas.

Na  terça-feira , dia 4 de julho de 2018, a ministra da pesquisa, do ensinamento superior e da Frédérique Vidal divulgou um plano nacional para ciência aberta no Congresso  da Associação das bibliotecas universitárias Liber 2018.

O foco principal do plano é  tornar acessível os resultados de pesquisas científicas abertos para todos sem barreiras, sem demora e de forma gratuita.

 

Esse plano faz parte dos compromissos feitos dentro do plano OGP Open Gouvernement Plan  combinando 70 países para desenvolver a transparência da ação pública e se inscreve dentro da iniciativa europeia do Amsterdam Call for Open Science.

O plano cria a obrigação de um acesso aberto para as publicações e para dados de pesquisa financiadas para projetos com dinheiro público. Ele configura um comitê para a ciência aberta e apoia maiores iniciativas de estruturação  para a publicação dos dados. Por fim, o plano tem um componente para a formação dos pesquisadores e um componente internacional.

Esse post apresenta as principais medidas do plano da ciência aberta. Em caso de dúvida o texto de referência é o documento em françês .

Primeiro eixo:  generalizar o acesso às publicações

Os três  grandes princípios deste eixo são : 

1 – A obrigação da publicação em acesso livre dos artigos e dos livros financiados para chamadas de projetos com recursos públicos

2 –  Criar um fundo de amparo para a ciência aberta

3 – Financiar o repositório nacional HALe simplificar o depósito para os pesquisadores que publicam em acesso aberto com outras plataformas.

Nesse eixo o depósito de uma publicação no repositório nacional HAL  para os pesquisadores deveria ser facilitado. Também a publicação  através de novo tipos de publicações como os preprint (publicação de um artigo antes da avaliação pelos pares) e os  artigos de dados (data paper) deveria ser ampliada . A bibliodiversidade dos meios de publicações serão reforçadas seguindo a chamada de Jussieu para a ciência aberta e a bibliodiversidade.

Enfim, o eixo menciona O Initiative for Open Citacoes (IOC) e uma avaliação das pesquisas  seguindo a declaração DORA ( Declaration of research Assessment)e o manifesto de Leiden sobre métricas de avaliação de pesquisas.

Segundo eixo: estruturar e abrir os dados de pesquisas

os grandes princípios desse eixo são : 

4- Obrigação de divulgar abertamente os dados de pesquisas de programas financiados para chamada de projeto com recursos públicos

5 – Criação da função  de administrador dos dados e de rede associados dentro de cada organização ou universidade

6- Criação das condições para  uma política de dados aberta associada aos artigos de pesquisa publicados pelos pesquisadores

Uma chamada de projeto da ANR Agência Nacional de Pesquisas vai incentivar a estruturação de dados de pesquisas com os princípios FAIR. Os gastos ligados ao tratamento dos dados poderão ser incluídos dentro da resposta à chamadas de projeto.

Os pesquisadores serão convidados para depositar os dados dentro de repositórios de dados certificados cuja soberania e as regras de propriedades intelectuais serão em conformidade com as boas práticas.

As infraestruturas nacionais e europeias serão privilegiadas. Os planos de gestão de dados serão generalizados.

Neste eixo as medidas são:

7- A obrigação de publicar abertamente os dados de pesquisa  resultando de programa financiado com fundo público

8- A criação de uma função de administrador de dados no ministério e dentro de cada organização

9- A criação de condições para promover a adoção de uma política de dados abertos para os dados ligados aos artigos.

A ANR  (Agência Nacional da Pesquisa) vai abrir uma “chamada de proposta “flash” para financiar a adopção dos princípios FAIR e a abertura dos dados de pesquisa na França.

O plano prevê também a  criacão de  um prêmio de dados de pesquisas para recompensar os laboratórios de pesquisas ou os projetos.

O plano prevê sustentar  a Research Data Alliance (RDA) criando um capítulo francês RDA France. Um outro projeto que o plano vai apoiar é  o Software heritage,a biblioteca dos códigos informáticas. O plano vai incentivar também as formacões em ciencias abertas  nas escolas de pós graduação (Ecoles Doctorales).

 

Terceiro eixo : se inscrever num dinâmica sustentável , europeia e internacional

Os  três principios são :

7- Desenvolver as competências em ciência aberta principalmente nos programas de pós graduação (école doctorale)

8 – Incitar os operadores de pesquisa a adotar uma política de ciência aberta

9- Contribuir ativamente à estruturação europeia dentro do European Open Science Cloud e de uma participação ao programma  GO FAIR, uma iniciativa  internacional que tem como objetivo construir um ambiente internacional de pesquisa enriquecido para os dados.

A França deve seguir e se inscrever dentro de iniciativas internacionais como EOSC (European Open Science Cloud), GO FAIR, ORCID, OPENAIRESCOSS (Global Sustainability Coalition for Open Science Services ).

Fontes :

 

Fazer da ciência aberta uma realidade : relatório da OECD

oecdO OECD publicou um relatório sobre ciênca aberta “Making open science a reality”.

Ciência aberta pode ser considerada como um conceito mais amplo do acesso aberto para publicações e dados de pesquisas. Ciência aberta acontece em todas as etapas das pesquisas (o relatório tem um glossário).  Ela inclui também a interoperabilidade das infraestruturas científificas, metodologias compartilhadas e ferramentas para data mining. O relatório da OECD mostra as tendências recentes em políticas de ciências abertas em particular sobre as iniciativas para promover acesso aos resultados financiados  com fundos públicos (publicação e dados de pesquisas).

O relatório analisa também os papéis dos diferentes atores da ciência aberta : pesquisadores, ministérios dos governos, agência de amparo, universidades e institutos de pesquisas, bibliotecas, data center, repositórios, ongs privadas e fundações,  editores privados e comerciais em geral.

Organizações intergovernamentais (OECD, UNESCO, EU and Worldbank) tem um papel muito importante para a definição de acordos internacionais ou orientações sobre ciências abertas que poderão ser adotadas pelos países por exemplo. Essas organizações são muito atívas nesse domínio.

O relatório destaca as principais conclusões que mostram a importância da ciência aberta para melhorar a qualidade da ciência,  aumentar as colaborações que envolvem  pesquisas e sociedades e pode contribuir para um melhor impacto socio-econômico das pesquisas públicas.

Politicas de incetivo sobre dados abertos são menos estabelecidas do que aquelas sobre publicações. Elas são um princípio de base que devem ser adaptadas em função do domínio (medicina por exemplo ) e das realidades locais.

Iniciativas para promover ciência aberta para os pesquisadores são necessárias. É importante também desenvolver competências para gestão de dados.

O relatório menciona  os planos de  iniciativas sobre politicas do BRICS (Brasil, China e India) para ciênca aberta e data infraestrutura. É  importante para esses países porque a produção de conhecimento, pesquisa e desenvolvimento industrial estão em crescimento.

Desafios globais precisam também de um melhor acesso aos dados nacionais e consequentemente uma melhor cooperação  global.

O capítulo 2 apresenta o acesso aberto sobre publicações com o projeto “open citation advantage“, a duração do embargo em função das disciplinas e a porcentagem de artigos em  acesso livre, os diferentes meios do acesso livre, as novas métricas como Altmetrics e no final a importância da mineração de textos  e da propriedade intelectual. Aborda também o open peer review com a experiência do F1000Research.

O capítulo 3 destaca a situação dos dados abertos de pesquisa. A pesquisa científica é conduto pelos dados (data driven) e permite o desenvolvimento de experimentação como simulação com algaritmo, mesmo em domínio onde dados são menos incentivados. Os dados são também infraestrutura porque eles permitem a construção de vários sistemas para funcionar e responder as demandas de um painel de utilizadores. o Capítulo aborda também a citação de dados e a estrutura jurídica para compartilhar os dados.

O projeto ODE (Opportunity for Data Exchange) desenvolveu uma pirâmide para   visualizar as diferentes etapas da curadoria digital de dados.

O capítulo 4 apresenta a administração da ciência aberta : atores, tendências, e politicas. Os  governos  estabelecem incentivos para os dados governamentais abertos e infraestruturas como Data center, para estocar, curadoria e fornecer acesso nos dados.

A iniciativa do projeto europeu Openaire permite de fornecer um “cross-link” entre publicações , dados de pesquisas e esquemas de agência de amparo.

outros atores são citados como fundações e RDA (Research Data Alliance) criada em 2013 com apoio da NSF, NIST, união Européia e  governo da Austrália  para promover compartilhamento e reutilizabilidade dos dados . RDA é organizada com Working Groups e Interest Groups e tem agora 1600 aderentes de 70 países. O relatório citou também os editores comerciais como atores importantes

Tem  country notes : observações sobre a situação da ciência aberta em cada país no site Innovation Policy Platform  (ver as informações sobre Brasil)

Fonte : OECD (2015), “Making Open Science a Reality”, OECD Science, Technology and Industry Policy Papers, No. 25, OECD Publishing, Paris. http://dx.doi.org/10.1787/5jrs2f963zs1-en. Site Web https://www.innovationpolicyplatform.org/content/open-science.