Os desafios de dados de pesquisa abertos [artigo]

Aventurier, P. ; de Alencar, MC ( 2016). Os desafios de dados de pesquisa abertos. Revista Eletrônica de Comunicação, Informação & Inovação em Saúde; v. 10, n. 3.  http://www.reciis.icict.fiocruz.br/index.php/reciis/article/view/1069 ou no repositorio do INRA http://prodinra.inra.fr/record/372582.

  • Pascal Aventurier; Institut National de la Recherche Scientifique. Centre de Recherche PACA. Avignon, France.
  • Maria Cleofas de Alencar; Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. Embrapa Meio Ambiente. Jaguariúna, SP, Brasil.
Resumo

A gestão, a disponibilização e a preservação dos dados de pesquisas são preocupações cada vez mais centrais para os pesquisadores, as instituições de pesquisas e também para as agências de fomento e revistas cientificas. Todos esses têm o objetivo de desenvolver boas práticas de pesquisa que permitam a verificação e a reutilização dos dados, a valorização dos trabalhos de construção de conjuntos de dados e o desenvolvimento de novas maneiras de pesquisar utilizando dados já produzidos. Este artigo apresenta as diferentes etapas do ciclo de vida dos dados e mostra as iniciativas internacionais e nacionais tomadas para desenvolver esse campo que tem grande interesse para a área da saúde.

Abstract
Increasingly, the management, availability and preservation of research data concern researchers, research institutions as well as research funding agencies and scientific journals. All of them aim to develop good research practices allowing the data confirmation and their reuse, the improvement of the dataset building and the development of new ways of searching through the use of data already produced. This paper presents the different stages of the data life cycle and shows the international and national initiatives to develop these important issues to the health field.

Dados de pesquisa : descrição do ciclo de vida de gestão de dados

Os Dados bem organizados e com documentação, com garantia para preservação e enfim compartilhados são essenciais para  a investigação científica e para reforçar as oportunidades de aprender e de inovar.

Os dados de pesquisa tem uma vida alem do projeto que os criam. Pesquisadores devem continuar a trabalhar nos dados depois que os financiamentos acabam, e seguir projetos para que os dados possam ser analisados, citados, atualizados ou qualquer forma de reutilização para outros pesquisadores. Desta forma, a reutilização de dados para criar novas pesquisas alimenta um ciclo de vida.

O ciclo de vida dos dados de pesquisa tem varias representações e envolvem as principais etapas seguintes (ver a figura 1) :

Continuar a ler “Dados de pesquisa : descrição do ciclo de vida de gestão de dados”

Fazer da ciência aberta uma realidade : relatório da OECD

oecdO OECD publicou um relatório sobre ciênca aberta “Making open science a reality”.

Ciência aberta pode ser considerada como um conceito mais amplo do acesso aberto para publicações e dados de pesquisas. Ciência aberta acontece em todas as etapas das pesquisas (o relatório tem um glossário).  Ela inclui também a interoperabilidade das infraestruturas científificas, metodologias compartilhadas e ferramentas para data mining. O relatório da OECD mostra as tendências recentes em políticas de ciências abertas em particular sobre as iniciativas para promover acesso aos resultados financiados  com fundos públicos (publicação e dados de pesquisas).

O relatório analisa também os papéis dos diferentes atores da ciência aberta : pesquisadores, ministérios dos governos, agência de amparo, universidades e institutos de pesquisas, bibliotecas, data center, repositórios, ongs privadas e fundações,  editores privados e comerciais em geral.

Organizações intergovernamentais (OECD, UNESCO, EU and Worldbank) tem um papel muito importante para a definição de acordos internacionais ou orientações sobre ciências abertas que poderão ser adotadas pelos países por exemplo. Essas organizações são muito atívas nesse domínio.

O relatório destaca as principais conclusões que mostram a importância da ciência aberta para melhorar a qualidade da ciência,  aumentar as colaborações que envolvem  pesquisas e sociedades e pode contribuir para um melhor impacto socio-econômico das pesquisas públicas.

Politicas de incetivo sobre dados abertos são menos estabelecidas do que aquelas sobre publicações. Elas são um princípio de base que devem ser adaptadas em função do domínio (medicina por exemplo ) e das realidades locais.

Iniciativas para promover ciência aberta para os pesquisadores são necessárias. É importante também desenvolver competências para gestão de dados.

O relatório menciona  os planos de  iniciativas sobre politicas do BRICS (Brasil, China e India) para ciênca aberta e data infraestrutura. É  importante para esses países porque a produção de conhecimento, pesquisa e desenvolvimento industrial estão em crescimento.

Desafios globais precisam também de um melhor acesso aos dados nacionais e consequentemente uma melhor cooperação  global.

O capítulo 2 apresenta o acesso aberto sobre publicações com o projeto “open citation advantage“, a duração do embargo em função das disciplinas e a porcentagem de artigos em  acesso livre, os diferentes meios do acesso livre, as novas métricas como Altmetrics e no final a importância da mineração de textos  e da propriedade intelectual. Aborda também o open peer review com a experiência do F1000Research.

O capítulo 3 destaca a situação dos dados abertos de pesquisa. A pesquisa científica é conduto pelos dados (data driven) e permite o desenvolvimento de experimentação como simulação com algaritmo, mesmo em domínio onde dados são menos incentivados. Os dados são também infraestrutura porque eles permitem a construção de vários sistemas para funcionar e responder as demandas de um painel de utilizadores. o Capítulo aborda também a citação de dados e a estrutura jurídica para compartilhar os dados.

O projeto ODE (Opportunity for Data Exchange) desenvolveu uma pirâmide para   visualizar as diferentes etapas da curadoria digital de dados.

O capítulo 4 apresenta a administração da ciência aberta : atores, tendências, e politicas. Os  governos  estabelecem incentivos para os dados governamentais abertos e infraestruturas como Data center, para estocar, curadoria e fornecer acesso nos dados.

A iniciativa do projeto europeu Openaire permite de fornecer um “cross-link” entre publicações , dados de pesquisas e esquemas de agência de amparo.

outros atores são citados como fundações e RDA (Research Data Alliance) criada em 2013 com apoio da NSF, NIST, união Européia e  governo da Austrália  para promover compartilhamento e reutilizabilidade dos dados . RDA é organizada com Working Groups e Interest Groups e tem agora 1600 aderentes de 70 países. O relatório citou também os editores comerciais como atores importantes

Tem  country notes : observações sobre a situação da ciência aberta em cada país no site Innovation Policy Platform  (ver as informações sobre Brasil)

Fonte : OECD (2015), “Making Open Science a Reality”, OECD Science, Technology and Industry Policy Papers, No. 25, OECD Publishing, Paris. http://dx.doi.org/10.1787/5jrs2f963zs1-en. Site Web https://www.innovationpolicyplatform.org/content/open-science.

 

Academic Torrents : um torrent para dados acadêmicos

Dois estudantes da Universidade de Massachusetts  abriram a plataforma  Academic Torrents que permite aos cientistas de compartilhar publicações e dados de pesquisa [1].  A diferência do outros repositorios de dados como  Zenodo, Dryad ou  Figshare, AcademicTorrents usa  o  protocolo bittorrent para oferecer recursos compartilhados (Peer to Peer ou P2P).  O site  indexa mais de  1.5 petabits de dados  [1] e mais de 6.91Tb de dados  disponiveis. Ele tem conteudo em destaque como :  o mapa de março da NASA, ou uma  copia de Wikipedia.

Com Academic Torrents é possivel buscar documentos, dados ou coleções. Em baixo as listas de  coleções :

Esse projeto e interessante porque ele oferece uma resposta no problema da disponibilização dos dados de pesquisa com gerência das instituições de pesquisas [2]. Os dados são repartilhadas no sites que carregarem os dados e o acesso é garantido mesmo sem site principal conectado. O maior problema pode ser as restrições de segurança de uso desse protocolo nas instituições de pesquisa ou universidades. Um cliente bit torrent é indispensavel para usar o site.

http://academictorrents.com/

[1] “Academics Launch Torrent Site to Share Papers and Datasets | TorrentFreak.” Accessed February 26, 2014. http://torrentfreak.com/academics-launch-torrent-site-to-share-papers-and-datasets-140131/.

[2] “Academic Torrents: Bringing P2P Technology to the Academic World.” MyScienceWork. Accessed February 26, 2014. https://www.mysciencework.com/news/11123/academic-torrents-bringing-p2p-technology-to-the-academic-world.

Dados de pesquisa ligados a publicações: Uma comparação de 4 principais ferramentas

Os Dados illusblogdatareposioriesde pesquisa são os dados produzidos como objetivo de pesquisa cientifica :  significa dados como fatos, observações , imagens, programas de computador, gravações,  ou experiências para o  argumento, teoria ou teste de hipóteses. Esses dados podem ser brutos, limpos ou ja com tratamento processado,  pode ser realizado em qualquer formato ou mídia [1].

Dados abertos de pesquisas  fazem parte do movimento para o  acesso livre. Ver a declaração do Berlim : Berlin Declaration on Open Access (2003).

As universidades e os orgãos institucionais estão divulgando regras para a conservação digital e a divulgação dos dados (em acesso livre ou não) [2]. O Projeto DataCite ajuda na identificação de 484 repositorios de dados de pesquisa atraves da lista de repositórios de dados [3]. Ver também Databib ou lista da universidade de Oregon [4] . Esses dados estão ligados a publicações cientificas que vão usa-los para os fins de demonstração de novos resultados.

Os editores  também estão adotando políticas para que os dados de pesquisa que são usadas em publicações estejam disponíveis. Ver o  Joint Data Archiving Policy (JDAP) [5].
Escolhi 4 projetos internacionais  (Dryad, Figshare, Pangea, ICPSR)  para divulgar os dados de pesquisa.  Os dados são de 2013.

Nome Tipo de projeto Temáticas Número de depósitos Relações com editores
Dryad nonprofit organization Biociências 2521 data packages , 6888 data files dados são associados com artigos de 182 journais.por exemplo :
Figshare private (Digital Sciences) com parceirias com universidades Todas nd __
Pangea universitario/ união européia observação da Terra, dos oceanos é do atmosfere Dados de mais de 100 projetos arquivos do jornal Earth System Science Data (ESSD)
ICPSR Inter-universidade Ciencias socias nd nd

 

nd : não determinado

Nome Formato de dados Metadados Licença
Dryad

Planilha eletrônica, ficheros planos, imagens, mapas…

Pricing (1st September 2013)

doi, titulo, jornal ,numero, volume, ano autores

, contato, résumo palavra-chave, nome taxonômico, localização geographica, geologia infomarção,titulo e descrição de dados, embargo

Creative Commons Zero (CC0)
Figshare todos tipos : imagens (figure) Planilha eletrônica, dataset, midia, fileset, artigo, poster, presentação Titulo

Autores

Categoria

Tags

Descrição
DOI em previsão

Creative commons
Pangea todos tipos. Os arquivos são convertidas automaticamente AutoresTitulo

Descrição

palavra-chaves

Licença (diferentes CC)
identificação de projeto, instituição etc…

Artigo ligado : identificação com o DOI ou a citação completa

Creative commons
ICPSR formatos formulario Specifico em  Accesso livre

 

[*] Dryad tem varias editores participantes

Accesso o documento no Google Docs 

[1] The University of Melbourne draft policy on the Management of Research Data
OECD Principles and Guidelines for Access to Research Data from Public Funding.

[2] Ten recommendations for libraries to get started with research data management. Liber Group. 2012

[3] Datacite.org

[4] Databib ou lista da universidade do Oregon

[5] Joint Data Archiving Policy (JDAP)