3º Seminário de avaliação do desempenho dos periódicos brasileiros no JCR 2011

Revistas científicas brasileiras ainda tem baixo impacto internacional | Agência FAPESP :: Especiais. autor  Elton Alisson, 16/10/2012

Agência FAPESP – O número de revistas científicas brasileiras presentes em índices internacionais, como o Journal Citation Report, vem aumentando nos últimos anos. Entretanto, o fator de impacto – o número médio de citações dos artigos científicos publicados em um periódico – ainda é baixo e não atingiu a média mundial.
A constatação foi feita por participantes do 3º Seminário de Avaliação do Desempenho dos Periódicos Brasileiros no JCR 2011, realizado no dia 27 de setembro no Auditório da FAPESP.
Promovido pelo programa Scientific Eletronic Library Online (SciELO Brasil) – resultado de um projeto financiado pela FAPESP –, o objetivo do evento foi debater avanços e desafios para o desenvolvimento da qualidade dos periódicos brasileiros e para o aumento do impacto internacional, com base no Journal Citation Reports (JCR).

Publicada em julho, a última edição do JCR, atualizada com dados de 2011, mostra avanços significativos, mas revela também a persistência de condições e barreiras que dificultam o aumento do impacto dos periódicos nacionais.

Segundo o artigo, no fim de julho, vai acontecer a integração da base do SciELO à Web of Knowledge, a mais abrangente base internacional de informações científicas.

O artigo destaca a importançia dos periodicos brasileiros que permite a difusão e a avaliação da produção científica, que não recebe espaço nos periódicos internacionais. E importante lembrar que a difusão da ciencia se faz por meio de artigos cientificos submetidos pelos periodicos e avaliados pelos outros pesquisadores.
Os periodicos brasileiros precisam  de políticas e ações para aumentar  o impacto internacional deles.

As apresentações estão no site do evento – http://eventos.scielo.org/jcr2011/  na seção http://eventos.scielo.org/jcr2011/programacao/  (>> Download).

Sue Silver, Editor in Chief of Frontiers in Ecology and the Environment apresentou o que os autores querem de uma revista ,
aumentar o trafico sobre o site da revista na internet com conteudo interessante. entre eles

  • uma boa visibililidade e um bom fator de impacto da revista
  • uma boa qualidade do site com diferentes formatos (e-pub),  blog para completar a revista, ligações com  as redes sociais
  • material, o webinar sobre como estar publicado (curso ou meeting)
  • links sobre serviço de ajuda para o inglês.
  • cursos e links sobre a redação cientifica

Segundo Abel L. Packer, Coordenador do Programa SciELO / FAPESP, tem 111 periodicos indexados no JCR ( com fator de impacto) em 2011 (113 em 2010 e 70-80 em 2009) e 137 periodicos indexados no Web of Science. Tambem mostrou que tem outros indicadores como Scimago onde os periodicos brasileiros estao presentes. Os periodicos da Scielo contem 50 % dos  seus artigos em inglês em 2011e a media do FI para as revistas e de 0,533. Scielo Brazil e o primeiro no ranking de portais de acesso aberto do Webometrics.  As interfaces para o tablets e smartphones estão previstas para 2013.

Rogerio Meneghini, Coordenador Científico da SciELO mostrou que a metade dos periodicos brasileiros são gerados para  a sociedade e a outra metade são institucionais. Eles são poucos profissionalisados e depende das agência de fomento.

Luís Reynaldo Ferracciú Alleoni, Editor da Scientia Agricola mostrou que em Ciências Agrárias, a maioria das publicações estão em português é que o fator de impacto das revistas brasileiras não aumentou e depende das autocitações (30% do total das citações ) – Uma autocitação e uma citação que é feita de um artigo da mesma revista que o artigo citado. As solucões são publicar em inglês, e envolver  mais pesquisadores do exterior no processo de avaliação dos artigos.

Observações  a título pessoal

As dicas para aumentar a visibilidade das revistas brasileiras são efetivamente aumentar as parcerias internacionais entre pesquisadores. O programa Ciencia sem Fronteiras  ou Access4.eu:brazil devem ajudar muito as parcerias.

Também tem a barreira da lingua como no caso dos pesquisadores françeses. Apoio aos  serviços de correçoes da lingua feito por pessoas de lingua nativa em inglês seria muito importante

Mais tem outros meios :
Publicar artigo de sintese (review article). Um artigo de sintese não tem nova descoberta mais apresenta uma sintese de um assunto do ponto de vista dos autores. São os artigos mais citados.  Quando eu faço curso em comunicação cientifica para doutores . Explico que a sintese bibliografica feita por tesis pode fazer um bom artigo de sintese para publicar dentro de uma revista.

Também mesmo que a Scielo esteja  bem visivel  com o acesso livre seria bom que as revistas e os autores ampliam a presença das revistas nas redes sociais gerais -Facebook, Twitter- ou mais especifico –Research Gate, Mendeley. Os cientistas precisam ser  formado para usar bem essas ferramentas.

Então a grande força da Scielo e a divulgação dos resultados das pesquisas brasileiras, em acesso livre. Graças a ele, outros pesquisadores tem materiais para se referir (através de citações) e construir novos conhecimentos.

O que os cientistas acham sobre o fator de impacto ?

Esse estudo e uma analise de 1704 pesquisadores de 86 paises diferentes  sobre a percepção do fator de impacto.

O fator de impacto (FI) e uma medida criada por Eugene Garfield em 1955. Esta  ligada a cada jornal cientifico presente no banco JCR (Journal Citation  Report do Thomson Reuters) para avaliar o impacto do jornal através das  citações dos artigos.

Em termos matemáticos, em um dado ano o FI de um periódico é calculado como o número médio de citações dos artigos que foram publicados durante o biênio anterior (wikipedia)

Por exemplo o jornal Memorias do Instituto Oswaldo Cruz tem o fator de impacto de 2010 de 2.058

Citações em 2010 dos artigos publicados em 2009 (504) e 2008 (276),
total = 780
Numero de artigos em 2009 (231) e 2008 (148) , total = 379

Fator de impacto (FI) = 780/379 = 2.058

Não tem correlação entre o fator de impacto de um jornal e o numero de  citações de cada artigo desse jornal

O FI e muito usado, não sempre da melhor maneira, para o ranking da  importância dos jornais no mundo acadêmico com a avaliação dos projetos, das instituições e dos laboratórios.

O FI tem desvantagens importantes que são listada na tabela 1 do artigo  : Entre elas , lingua de publicação, temática da pesquisa, limite nos 2  anos unicamente, tipo de artigo (review article) , período no ano, leva  em consideração unicamente o banco de dados Web of Science,  self-citações. Mais alem dessas imperfeições, ele e a melhor metrica  para a avaliação dos jornais.

Os resultados mostram que :
– o uso do FI para avaliação e considerado “importante”,
– tem diferencas entre temáticas : Agricultura, silvicultura e da pesca é
o campo de conhecimento com a opinião mais positiva sobre o FI e  Matemática e estatística é o campo com a opinião mais negativa, embora,
-também tem diferencas as regioes : a Asia, a Africa e a América do sul  estão considerando o FI mais importante que a Europa, A América do Norte  ou a Austrália.

Os resultados mostram correlação positiva entre a importância do FI para a politica de avaliação nos países dos participantes e a  opinião deles  sobre o FI.

Surpreendentemente, há uma correlação negativa entre  o número de artigos publicados pelos pesquisadores entrevistados e sua  opinião sobre o FI.  Quanto mais artigos eles têm, menos eles acreditam que o FI é uma boa métrica. Uma das explicações possíveis para este resultado  poderia ser o fato de que os cientistas mais produtivos não precisam mais da métrica.

Em geral as respostas mostram um situação “nem positiva, nem negativa “.  A reposta mais evidente e que os entrevistados acham o IF útil para a avaliação das revistas.

Fonte : Buela-Casal, Gualberto and  Zych, Izabela. 2012. What do the scientists  think about the impact factor? Scientometrics. Feb 2012 -Online First.  DOI: 10.1007/s11192-012-0676-y
http://www.springerlink.com/content/mk1w6m8117kl374n/
outro artigo importante : Vanclay, J. K. (2012). Impact factor: Outdated artefact or stepping stone to journal certification? Scientometrics/. doi:10.1007/s11192-011-0561-0 <http://dx.doi.org/10.1007/s11192-011-0561-0>.