Novas ferramentas para pesquisadores : mudança do workflow

Na hora da transmissão numérica os cientistas poderiam ser desorientados para a multiplicação das ferramentas que aparecem na internete. Essas ferramentas podem ser usadas por um painel de acões amplas, na área professional como pessoal. A oferta é muito grande. Como conhecer, comparar e avaliar as ferramentas disponíveis ? Quais são as tendências de uso ? [L’Hostis 2015 ] .

O site : Innovations in Scholarly Communications. Changing research workflows da Universidade do Ultrecht (Holanda) apresenta um levantamento internacional para conhecer os usos efetivos das ferramentas para os cientistas. Mais de 550 ferramentas são apresentadas e descritas com uma apresentação gráfica original.

O público-alvo do levantamento são os atores da ciência : estudantes, pesquisadores e professores ou pessoas em apoio as pesquisas. Ele ficará ativo até feveireiro 2016. Mais de 4000 pessoas já responderam.  As 1000 primeiras respostas são online. Elas confirmam o uso  cada vez maior das redes socias como ferramentas (em destaque Google Scholar,  ResearchGate, Twitter) e os usos das ferramentas institucionais. Os responsáveis do projeto esperam identificar os hábitos em função de varios parámetros : disciplinas, paises, ….

Por exemplo, a questão : “qual site ou ferramenta você usa para acesso na literatura ?” tem as respostas seguintes :

101 innovations
fonte https://101innovations.files.wordpress.com/2015/06/typeform-1000-access.png

Outra originalidade é a apresentação do tipo de workflow possiveis em função das ferramentas usadas : tradicionais, modernas, open science,  inovantes, experimentais.

101innovationstypicalworkflow

O site lista por tipo de atividade as tendencias, espectativas, oportunidades desafios sobre desenvolvimentos das ferramentas e os usos.

O  poster :101 Innovations in Scholarly Communication – the Changing Research Workflow (abaixo) apresentado pelos responsáveis do projeto na conferência Force2015  (Oxford, Janeiro 2015) sintetisa os resultados.

101innovations

 

 

 

 

 

 

Réferências

PeerJ : novo modelo para jornais em acesso livre

peerjlogo

 

PeerJ e um jornal cientifico com um processo de avaliacao pelos pares, em ciências  medicinais  e biológicas  criado por um editor do Plos One e uma outra pessoa  do  Mendeley (1). O PeerJ recebeu apoio do fundo de  O’Reilly Alpha­TechVentures em San Francisco.

Esse jornal esta em acesso livre e segue o modelo “via ouro” (gold road) : os artigos estão disponiveis  em acesso livre para os leitores  mais os autores pagam. Só que na maioria dos casos eles pagam entre $1000 e $3000   para a difusão de cada artigo. Por exemplo, o preço para publicar na revista Plos One é de $1 350.

No PeerJ cada usuário paga  só uma vez $ 299 por um numero ilimitado de submissões  e de artigos aceitos, ou $199 ou $99 para um numero de submissões limitado por ano. Esses preços são majorados de $50 (ver a pagina pricing) se os autores pagam depois que o primeiro artigo e aceito. Todos os autores do artigo devem ser registrado e pagam dentro do limite de 12 autores (se tem mais autores, eles não precisam ser registrados).

Cada autor deve também fazer uma revisão de artigo pelo menos uma vez por ano, se não o Peerj pode decidir que ele deve pagar  $99 para a reativação do membership.  Revisão pode ser  também um comentário informal no PeerJPreprint ou sobre um artigo já aceito (ver a FAQ em inglês).

O sistema de avaliação dos artigos e avaliação por pares (peer review).  E possivel conhecer os  editores acadêmicos  (que tem a funcão de editor para uma especialidade) através  dos perfis, o PeerJ funcionando também como uma rede social,  criando uma comunidade.

Todos os artigos são em acesso livre, para leitura e reutilisação. Os autores guardam o copyright a “CC-BY 3.0” license. Os artigos são arquivados com sistemas clássicos  :   PubMedCentral and CLOCKSS).

Tem também possibilidade de submeter um preprint in PeerJ Preprints. Uma funcionalidade  interessante e que o preprint pode ser publico ou privado,compartilhado só com algumas pessoas. Os cientistas em biologia tradicionalmente não usam muito os preprint.

Uma vez que o artigo e aceito, tem possibilidade de adicionar conteúdo como comentários da avaliação.

Desde a data de lançamento do PeerJ , dia 12 de fevereiro, há 51 artigos publicados. Cada artigo tem dados sobre numero de visitantes e  numero de visitas,  alem dos dados de divulgação nas redes sociais : Facebook, Linkedin, Twitter (ver figura).

peerjarticle36-1

peerj-article36

Neste momento o Peerj não tem fator de impacto porque ele não esta indexado no Web of Science e não tem mais de 3 anos de existência para ser candidato no fator de impacto do JCR. Mais ele é indexado no Google Scholar e Pubmed. Vamos seguir esse jornal no futuro. Ele já fez uma divulgação importante através de vários  artigos de apresentação em jornais [2-3].

1 http://en.wikipedia.org/wiki/PeerJ
2 Journal offers flat fee for ‘all you can publish. Nature. 12 june 2012.  http://www.nature.com/news/journal-offers-flat-fee-for-all-you-can-publish-1.10811
3 PeerJ leads a high-quality, low-cost new breed of open-access publisher. http://www.guardian.co.uk/science/blog/2013/feb/12/peerj-open-access-academic-publisher