Plano S para divulgar publicações de acesso aberto de projetos financiados por agencias de fomentos

planSO Plano S é uma iniciativa editorial de acesso aberto que foi lançada em setembro de 2018. O plano é apoiado pelo cOAlition S, um consórcio internacional de financiamento de pesquisa e organizações de sucesso. 

O Plano S exige que, a partir de 2021, as publicações científicas resultantes de pesquisas com financiamento público sejam publicadas em periódicos ou plataformas de acesso aberto que atendam aos critérios de seleção.

O Plano S envolve mais de 20 doadores internacionais e nacionais, incluindo a Comissão Européia. Ela será implementada progressivamente em 2021. 

O Plano S aceita três vias para a publicação de acesso aberto 

Publicação em uma revista de acesso aberto de todos os artigos ou em uma plataforma de publicação (1). Neste caso, os financiadores cobrirão os custos de publicação.

Favor observar que a publicação em uma revista híbrida (uma revista por assinatura que se oferece para pagar para colocar um artigo em acesso livre) não é aceita. 

O depósito em um arquivo aberto (repositório em inglês). Neste caso, os autores publicam em uma revista por assinatura e disponibilizam a versão final publicada (Versão de Registro (VoR)) ou o Manuscrito Aceito do autor (AAM ou MAA) em um arquivo aberto (serviço gratuito). 

(ver Right Retention Strategy https://www.coalition-s.org/wp-content/uploads/2020/10/RRS_onepager.pdf)  e também o blog sobre Manuscrito  Smith, Arthur. ‘Manuscript Detectives – Submitted, Accepted or Published? | Unlocking Research’. 2020. https://unlockingresearch-blog.lib.cam.ac.uk/?p=1872.

Publicação em uma revista que está empenhada em transformar seu modelo em uma revista de acesso aberto. Neste caso, está prevista uma contribuição parcial.

Os financiadores da coalizão têm a possibilidade de decidir unilateralmente padronizar e limitar o reembolso dos serviços que cobrirão com suas subvenções. A coalizão poderá posteriormente decidir implementar tetos de forma coordenada se forem observados níveis de preços não razoáveis (Princípio 5 de transparência de custos e taxas, ver https://www.coalition-s.org/addendum-to-the-coalition-s-guidance-on-the-implementation-of-plan-s/principles-and-implementation/).

 O Plan S desenvolveu uma ferramenta para verificar se um jornal é compatível com seus critérios de seleção. Esta é a ferramenta Journal Checker Tool https://journalcheckertool.org/(versão beta) . 


Para se enquadrar no âmbito do plano S, os artigos devem ser publicados sob uma licença aberta, de preferência a licença Creative Commons CC BY assim que o artigo for publicado (sem embargo). Os autores devem manter os direitos autorais de suas publicações.

Atualmente, o Plano S diz respeito apenas a artigos científicos, porém o Coalition S incentiva o livre acesso a dados e outros tipos de publicações, tais como capítulos de livros (prévisão para 2021) ou dados de pesquisa.

O Plano S representa uma grande oportunidade para desenvolver o modelo de Acesso Aberto para revistas, mantendo os custos de publicação em um nível razoável, enquanto mantém a possibilidade de depósito em um arquivo aberto.

  No entanto, as regras do Plano S são aceitáveis para publicação para cientistas em países europeus mas  são aceitáveis para os países do Sul?  Como eles terão acesso as revistas pagas de “acesso aberto” para publicar se as agências de fomento não cobrem o preço inteiro ?

 

 É por isso que se deve favorecer o desenvolvimento de periódicos no modelo “Diamond de acesso aberto”, financiados diretamente pelas instituições, mas sem custo para os autores. A plano S esta explorando esse modelo : ‘Exploring Collaborative Non-Commercial Publishing Models for Open Access: Tender Results | Plan S’. 2020. https://www.coalition-s.org/exploring-collaborative-non-commercial-publishing-models-for-open-access-tender-results/.

Pelo menos na Europa,  é muito importante  que os profissionais da informação acompanhem a implementação do plano S e ajudem os pesquisadores para escolher o meio de publicação e a negociar para recuperar sua publicação em conformidade com as regras do Plano S.

Ver Também :

 Plan S — and Article Processing Charges (APCs) [online]. SciELO in Perspective, 2018 [viewed 03 December 2020]. Available from: https://blog.scielo.org/en/2018/11/27/plan-s-and-article-processing-charges-apcs/

Ranking Web of Repositories : a mais famosa colocação para os repositórios em acesso livre inclui redes sociais para acadêmicos para conscientizar os responsáveis de repositórios

A nova edição do Ranking Web of repositories  de janeiro de 2015 está disponível com dados de
julho de 2014.  É uma classificação dos repositórios digitais institucionais ou área temática que disponilizam documentos em acesso livre.

Os critérios para aparecer na classificação são muito simples : os repositórios tem que ter um nome de domínio ou sub-domínio próprio e deve incluir pelo menos artigos científicos “peer-reviewed”.

Número de páginas indexadas pelo Google, excluding rich files  (Peso 10%)
visibilidade : combinação (raiz quadrada) entre número de links exteriores indicando uma página do repositório e o número de domínio citantes seguindo dois bancos de dados  dos links : Majestic SEO and ahref. Os 10 domínios mais citantes são eliminados (Peso 25 %)

Altmetrics : Citações das fontes como Academia.edu, Facebook, LinkedIn, Mendeley, ResearchGate, Slideshare, Twitter, Wikipedia (all editions), Wikipedia (English edition),  YouTube and Scribd (novo nesta edição). (Peso: 25%).  nas tabelas os dados são incluídos com “Visibilidade”.

Rich files:  o número dos arquivos em  pdf, doc+docx e ppt+pptx indexados pelo Google  (peso 10%).

Scholar:  Duas variáveis do  Google Scholar são combinadas: o número de documentos publicados no período 2010-2014 (novo período nesta edição) e o número total de artigos. (Peso 30%)

o mais interessante é o aviso sobre ResearchGate, Academia.edu e Mendeley : O Webometrics inclui esses 3 serviços dentro da classificação dos portais, mais avisa que é porque os autores estão colocando publicações deles  dentro desses serviços em vez de colocar em repositórios institucionais. O pouco valor adicionado fornecido pela geração atual das ferramentas de repositório e a incapacidade dos webmasters dos repositórios para fortalecer gestão de perfil e outros parâmetros individuais são responsáveis dessa tendência “unfortunate”.

   O Webometrics quer mostrar as grandes performances desses 3 serviços concorentes para aumentar a consciência. Ele é extremamente necessário para melhorar os repositórios com  orientação para os utilizadores finais (autores) .

topportalsrespositories

Fonte : Webometrics. JANUARY 2015: New edition with updated info. 16th edition! http://repositories.webometrics.info/en/node/25.
Artigo describing the ranking : Aguillo, I.F., Ortega, J.L., Fernández, M., Utrilla, A.M. (2010). Indicators for a webometric Ranking of Open Access Repositories. Scientometrics, 82 (3): 477-486. ( author’s edition in Open Access)