Cientistas e as redes sociais : um artigo de Nature

Os gigantes das redes sociais estão utilisando para os cientistas num nivel nunca esperado. O artigo de  Richard Van Noorden publicado  na revista  Nature  apresenta os resultados de uma pesquisa desse jornal que começou em maio do ano passado.  3500 pessoas de  95 paises respoderam e a  novidade é que a pesquisa selecionou unicamente as repostas dos pesquisadores julgados ativos.

As redes sociais examinadas são  Researchgate, Academia.edu, Mendeley, Twitter, Linkedin e Facebook.

o radar
Um do grafico que analisa o rede Academia.edu

 A difusão dos perfis par serem contatados, ganhar mais visibilidade profissional  e a geração de contatos parecem ser os motivos principais para se inscrever.  Os outros argumentos positivos são as possibilidades de compartilhar, o acesso facil para artigos relevantes e recomendados, o uso de metricas novas para a avaliação dos trabalhos acadêmicos.

Uma parte interessante é “A battle for profiles” (batalha por perfis). O trabalho mostra que as atividades das redes para acadêmicos  são em maioria para manter perfis atrativos e atualizados.  Essa parte é ilustrada com o caso Zen Faulkes que depois da publicação de um artigo passa meio dia para atualizar os perfis dele nas diferentes ferramentas : ResearchGate, Academia.edu, ORCID – Open Researcher and Contributor ID e a sua pagina pessoal no site da instituição. O Artigo questiona o problema de manter perfis atualizados para cada instituição que pode recuperar informações nessas redes socias dentro dos sistemas de informações institucionais. O sistema VIVO podera ser uma alternativa no desenvolvimento das redes sociais de sociedades privadas. VIVO é uma ferramenta open source desenvolvida pela Universidade de Cornell. Cada universidade pode implantar ele, criar perfis para cada um dos pesquisadores e ligar o Vivo de uma universidade com aquele das outras 50 universidades que já utilizam esse sistema.

O Artigo critica o comportamento dessas redes com notificações abusivas pelo e-mail e a criação artificial de perfis para dar a ilusão que tem muito mais gente ativas que a realidade e o deposito de documentos pelos autores sobre copyright dos editores.

Para concluir o artigo mostra que essas redes sociais tornaram ferramentas legais de manter e aparecer mais não são ainda indispensaveis. Para Price, o criador da rede Academia.edu., essas redes para acadêmicos mostram a vontade nova dos cientistas de compartilhar resultados e pesquisas de maneira aberta. A implementação em março de 2013 da funcionalidade “Open Review” do ResearchGate que permite de fazer avaliação pelos pares antes ou depois da publicação do artigo numa revista (post publication peer reviewing) ilustra essa tendencia.

Esse artigo é muito interessante e faz refêrencia. Na minha opinião ele não  fala sobre a articulação entre repositorios institucionais e redes socias. Esses repositorios em open access mantidos pelas instituições distribuem os documentos cientificos e os conjuntos de dados de pesquisa de cada institutição. Eles  são indispensaveis para  manter a perenidade do acesso livre a produção cientifica.

fonte :Van Noorden, R. (2014). Scientists and the social network. Nature, 512, 126-129
http://www.nature.com/news/online-collaboration-scientists-and-the-social-network-1.15711

Dados desse artigo estão disponiveis : http://figshare.com/articles/NPG_2014_Social_Networks_survey/1132584

Vivo : http://www.vivoweb.org

Titulos das publicações cientificas e tweets : mesmas regras ?

O título de um artigo científico sempre foi um elemento preponderante na  seleção de item por um pesquisador.

Os bancos de dados e os motores de busca exibem-lo de maneira muito legível. E a primeira coisa que os leitores vão ler na internet ou no  celular.  O título deve seguir as  regras seguintes:
– o título deve ser informativo,
– evitar usar palavras como “New observation …”, “Contribution to… ” etc.,
– a primeira escolha de palavras é importante, as palavras informativas são colocadas no início do título,
– os termos “palavras-chave”, descrevendo a pesquisa, devem estar nele.

Para ilustrar os efeitos da leitura na internet, Dan Zarrella, um  influente especialista em mídias sociais, mostrou a influencia dos  conteúdos dos tweets no Twitter  em um gráfico (veja abaixo).

– O tweet vai ser mais clicado se é um texto informativo entre 120 e  130 caracteres (o máximo é de 140 no twitter)
– também é melhor usar verbos que adjetivos.

fontes : http://danzarrella.com/infographic-how-to-get-more-clicks-on-twitter.html#
clickthrough rate (CTR) of the links you’re tweeting. Dan Zarrella
Clickthrough rate (CTR) of the links you’re tweeting. Dan Zarrella