Mapas globais da ciência no Brazil 2012 e 2010

Os mapas seguintes mostram uma analise  de todos os artigos  do web of Sciences (WOS) com pelo menos um autor trabalhando num laboratório brasileiro.

O WOS  classifica os jornais em categorias temáticas (Subject categories). Ha mais de 200  diferentes. VETERINARY SCIENCES , AGRONOMY e PUBLIC ENVIRONMENTAL OCCUPATIONAL HEALTH or exemplo. Cada jornal pode ser indexado com varias  categorias (4 max).

A tabela abaixo mostra o número depublicações e dados para as 4 categorias principais :

WOS 2010 WOS 2012
33253 referencias 37932 referencias
Main Subject category , number, purcent of total
Main Subject category , number, purcent of total
VETERINARY SCIENCES 1285 3.864
AGRONOMY 1169 3.515
PUBLIC ENVIRONMENTAL OCCUPATIONAL HEALTH 1122 3.374
BIOCHEMISTRY MOLECULAR BIOLOGY 1085 3.263
PUBLIC ENVIRONMENTAL OCCUPATIONAL HEALTH 1540 4.060
VETERINARY SCIENCES 1490 3.928
BIOCHEMISTRY MOLECULAR BIOLOGY 1325 3.493
PLANT SCIENCES 1198 3.158

 

Os mapas presente em baixo seguem a metodologia do artigo” Global Maps of Science Based on the New Web-of-Science Categories. 2010. JASIST.[1].  A metodologia que expliqua como usar o software VosViewer é explicada no documento : “A User-friendly Method for Generating Overlay Maps.” [2]

 

Global mapa das ciências : Brazil 2012
 Mapa das ciências do Brazil 2012
Global mapa das ciências : Brazil 2010
Global mapa das ciências : Brazil 2010
Os mapas representam as tematicas com a mesma intensitade pois e mais facil comparar as evoluções . Por exemplo : “Public Environnemental Science” foi a categoria mais importante em 2012 e em 2010  Veterinary sciences.

[1] Rafols, Ismael, Alan L. Porter, and Loet Leydesdorff. “Science Overlay Maps: a New Tool for Research Policy and Library Management.” Journal of the American Society for Information Science & Technology 61, no. 9 (2010): 1871–1887.

[2]Leydesdorff, Loet, Ismael Rafols, and Stephen Carley. “Global Maps of Science Based on the New Web-of-Science Categories.” Scientometrics, In Press. http://arxiv.org/abs/1202.1914.
[3] Riopelle, Ken. “A User-friendly Method for Generating Overlay Maps.” Http://www.leydesdorff.net, 2012. http://www.leydesdorff.net/overlaytoolkit/.

3º Seminário de avaliação do desempenho dos periódicos brasileiros no JCR 2011

Revistas científicas brasileiras ainda tem baixo impacto internacional | Agência FAPESP :: Especiais. autor  Elton Alisson, 16/10/2012

Agência FAPESP – O número de revistas científicas brasileiras presentes em índices internacionais, como o Journal Citation Report, vem aumentando nos últimos anos. Entretanto, o fator de impacto – o número médio de citações dos artigos científicos publicados em um periódico – ainda é baixo e não atingiu a média mundial.
A constatação foi feita por participantes do 3º Seminário de Avaliação do Desempenho dos Periódicos Brasileiros no JCR 2011, realizado no dia 27 de setembro no Auditório da FAPESP.
Promovido pelo programa Scientific Eletronic Library Online (SciELO Brasil) – resultado de um projeto financiado pela FAPESP –, o objetivo do evento foi debater avanços e desafios para o desenvolvimento da qualidade dos periódicos brasileiros e para o aumento do impacto internacional, com base no Journal Citation Reports (JCR).

Publicada em julho, a última edição do JCR, atualizada com dados de 2011, mostra avanços significativos, mas revela também a persistência de condições e barreiras que dificultam o aumento do impacto dos periódicos nacionais.

Segundo o artigo, no fim de julho, vai acontecer a integração da base do SciELO à Web of Knowledge, a mais abrangente base internacional de informações científicas.

O artigo destaca a importançia dos periodicos brasileiros que permite a difusão e a avaliação da produção científica, que não recebe espaço nos periódicos internacionais. E importante lembrar que a difusão da ciencia se faz por meio de artigos cientificos submetidos pelos periodicos e avaliados pelos outros pesquisadores.
Os periodicos brasileiros precisam  de políticas e ações para aumentar  o impacto internacional deles.

As apresentações estão no site do evento – http://eventos.scielo.org/jcr2011/  na seção http://eventos.scielo.org/jcr2011/programacao/  (>> Download).

Sue Silver, Editor in Chief of Frontiers in Ecology and the Environment apresentou o que os autores querem de uma revista ,
aumentar o trafico sobre o site da revista na internet com conteudo interessante. entre eles

  • uma boa visibililidade e um bom fator de impacto da revista
  • uma boa qualidade do site com diferentes formatos (e-pub),  blog para completar a revista, ligações com  as redes sociais
  • material, o webinar sobre como estar publicado (curso ou meeting)
  • links sobre serviço de ajuda para o inglês.
  • cursos e links sobre a redação cientifica

Segundo Abel L. Packer, Coordenador do Programa SciELO / FAPESP, tem 111 periodicos indexados no JCR ( com fator de impacto) em 2011 (113 em 2010 e 70-80 em 2009) e 137 periodicos indexados no Web of Science. Tambem mostrou que tem outros indicadores como Scimago onde os periodicos brasileiros estao presentes. Os periodicos da Scielo contem 50 % dos  seus artigos em inglês em 2011e a media do FI para as revistas e de 0,533. Scielo Brazil e o primeiro no ranking de portais de acesso aberto do Webometrics.  As interfaces para o tablets e smartphones estão previstas para 2013.

Rogerio Meneghini, Coordenador Científico da SciELO mostrou que a metade dos periodicos brasileiros são gerados para  a sociedade e a outra metade são institucionais. Eles são poucos profissionalisados e depende das agência de fomento.

Luís Reynaldo Ferracciú Alleoni, Editor da Scientia Agricola mostrou que em Ciências Agrárias, a maioria das publicações estão em português é que o fator de impacto das revistas brasileiras não aumentou e depende das autocitações (30% do total das citações ) – Uma autocitação e uma citação que é feita de um artigo da mesma revista que o artigo citado. As solucões são publicar em inglês, e envolver  mais pesquisadores do exterior no processo de avaliação dos artigos.

Observações  a título pessoal

As dicas para aumentar a visibilidade das revistas brasileiras são efetivamente aumentar as parcerias internacionais entre pesquisadores. O programa Ciencia sem Fronteiras  ou Access4.eu:brazil devem ajudar muito as parcerias.

Também tem a barreira da lingua como no caso dos pesquisadores françeses. Apoio aos  serviços de correçoes da lingua feito por pessoas de lingua nativa em inglês seria muito importante

Mais tem outros meios :
Publicar artigo de sintese (review article). Um artigo de sintese não tem nova descoberta mais apresenta uma sintese de um assunto do ponto de vista dos autores. São os artigos mais citados.  Quando eu faço curso em comunicação cientifica para doutores . Explico que a sintese bibliografica feita por tesis pode fazer um bom artigo de sintese para publicar dentro de uma revista.

Também mesmo que a Scielo esteja  bem visivel  com o acesso livre seria bom que as revistas e os autores ampliam a presença das revistas nas redes sociais gerais -Facebook, Twitter- ou mais especifico –Research Gate, Mendeley. Os cientistas precisam ser  formado para usar bem essas ferramentas.

Então a grande força da Scielo e a divulgação dos resultados das pesquisas brasileiras, em acesso livre. Graças a ele, outros pesquisadores tem materiais para se referir (através de citações) e construir novos conhecimentos.