Identificadores de autores e de pesquisadores : OrcID, ResearcherId, ISNI, ….

Um identificador de autor ou de pesquisador é um código digital que permite de identificar de maneira única este pesquisador ou autor dentro de um ambiente digital definido (Web Of Science Scopus, CV Lattes, repositórios digitais etc). Ele permite de atribuir a este pesquisador as produções das quais ele é o autor (publicação, dados científicos etc) evitando as confusões relacionadas a homônimo e associando as diferentes formas de escrever o nome de um autor como o nome com iniciais, mudança de nome do autor. Ele evita aos pesquisadores de escrever as informações sobre ele e permite de exportar ou importar as referências de um banco de dados pelo outro se elas são interconectadas. O identificador representa uma chave única que facilita a pesquisa de informação..

O Orcid (Open Researcher and Contributor ID) parece ser uma boa escolha para as razãos seguintes :  Continuar a ler “Identificadores de autores e de pesquisadores : OrcID, ResearcherId, ISNI, ….”

Medindo, classificando, apoiando e fortalecendo a publicação científica em acesso aberto no Brasil [nota de leitura]

 

Esse artigo [1] mostra a influência do modelo acesso livre (ou acesso aberto) na qualidade das revistas cientificas brasileiras  e compara  em diferentes disciplinas  a notoriedade dos jornais brasileiros em relação aos  jornais internacionais.

Esse trabalho analisou um painel impressionante de sistema de referências mais a base de referência é o sistema Qualis da CAPES.  O Qualis é o sistema brasileiro para avaliação dos jornais  como outros bancos de dados para examinar a relação entre qualidade académica e acesso livre no contexto brasileiro. Usando as diferentes fontes citadas acima o estudo mostra a proporção de jornais em  tipo de acesso livre e a avaliação dos jornais brasileiros para cada disciplina.

O artigo mostra que o Brasil de acordo com o Ulrich’s directory tem mais  publicações em acesso livre do que qualquer outro país  (69% dos artigos em Acesso Livre). Continuar a ler “Medindo, classificando, apoiando e fortalecendo a publicação científica em acesso aberto no Brasil [nota de leitura]”

Ranking das 1200 Universidades usando citações do Google Scholar

O time de Webometrics usou a recente classificação pelas instituições do Google Scholar para establecer um ranking experimental de 1200 institituições.

Sem supresas, as universidades americanas, britânicas e canadenses lideram o ranking. A primeira universidade fora desses 3 países é a National University of Singapore (na quadragésima colocação). Continuar a ler “Ranking das 1200 Universidades usando citações do Google Scholar”

Fazer da ciência aberta uma realidade : relatório da OECD

oecdO OECD publicou um relatório sobre ciênca aberta “Making open science a reality”.

Ciência aberta pode ser considerada como um conceito mais amplo do acesso aberto para publicações e dados de pesquisas. Ciência aberta acontece em todas as etapas das pesquisas (o relatório tem um glossário).  Ela inclui também a interoperabilidade das infraestruturas científificas, metodologias compartilhadas e ferramentas para data mining. O relatório da OECD mostra as tendências recentes em políticas de ciências abertas em particular sobre as iniciativas para promover acesso aos resultados financiados  com fundos públicos (publicação e dados de pesquisas).

O relatório analisa também os papéis dos diferentes atores da ciência aberta : pesquisadores, ministérios dos governos, agência de amparo, universidades e institutos de pesquisas, bibliotecas, data center, repositórios, ongs privadas e fundações,  editores privados e comerciais em geral.

Organizações intergovernamentais (OECD, UNESCO, EU and Worldbank) tem um papel muito importante para a definição de acordos internacionais ou orientações sobre ciências abertas que poderão ser adotadas pelos países por exemplo. Essas organizações são muito atívas nesse domínio.

O relatório destaca as principais conclusões que mostram a importância da ciência aberta para melhorar a qualidade da ciência,  aumentar as colaborações que envolvem  pesquisas e sociedades e pode contribuir para um melhor impacto socio-econômico das pesquisas públicas.

Politicas de incetivo sobre dados abertos são menos estabelecidas do que aquelas sobre publicações. Elas são um princípio de base que devem ser adaptadas em função do domínio (medicina por exemplo ) e das realidades locais.

Iniciativas para promover ciência aberta para os pesquisadores são necessárias. É importante também desenvolver competências para gestão de dados.

O relatório menciona  os planos de  iniciativas sobre politicas do BRICS (Brasil, China e India) para ciênca aberta e data infraestrutura. É  importante para esses países porque a produção de conhecimento, pesquisa e desenvolvimento industrial estão em crescimento.

Desafios globais precisam também de um melhor acesso aos dados nacionais e consequentemente uma melhor cooperação  global.

O capítulo 2 apresenta o acesso aberto sobre publicações com o projeto “open citation advantage“, a duração do embargo em função das disciplinas e a porcentagem de artigos em  acesso livre, os diferentes meios do acesso livre, as novas métricas como Altmetrics e no final a importância da mineração de textos  e da propriedade intelectual. Aborda também o open peer review com a experiência do F1000Research.

O capítulo 3 destaca a situação dos dados abertos de pesquisa. A pesquisa científica é conduto pelos dados (data driven) e permite o desenvolvimento de experimentação como simulação com algaritmo, mesmo em domínio onde dados são menos incentivados. Os dados são também infraestrutura porque eles permitem a construção de vários sistemas para funcionar e responder as demandas de um painel de utilizadores. o Capítulo aborda também a citação de dados e a estrutura jurídica para compartilhar os dados.

O projeto ODE (Opportunity for Data Exchange) desenvolveu uma pirâmide para   visualizar as diferentes etapas da curadoria digital de dados.

O capítulo 4 apresenta a administração da ciência aberta : atores, tendências, e politicas. Os  governos  estabelecem incentivos para os dados governamentais abertos e infraestruturas como Data center, para estocar, curadoria e fornecer acesso nos dados.

A iniciativa do projeto europeu Openaire permite de fornecer um “cross-link” entre publicações , dados de pesquisas e esquemas de agência de amparo.

outros atores são citados como fundações e RDA (Research Data Alliance) criada em 2013 com apoio da NSF, NIST, união Européia e  governo da Austrália  para promover compartilhamento e reutilizabilidade dos dados . RDA é organizada com Working Groups e Interest Groups e tem agora 1600 aderentes de 70 países. O relatório citou também os editores comerciais como atores importantes

Tem  country notes : observações sobre a situação da ciência aberta em cada país no site Innovation Policy Platform  (ver as informações sobre Brasil)

Fonte : OECD (2015), “Making Open Science a Reality”, OECD Science, Technology and Industry Policy Papers, No. 25, OECD Publishing, Paris. http://dx.doi.org/10.1787/5jrs2f963zs1-en. Site Web https://www.innovationpolicyplatform.org/content/open-science.

 

Novas ferramentas para pesquisadores : mudança do workflow

Na hora da transmissão numérica os cientistas poderiam ser desorientados para a multiplicação das ferramentas que aparecem na internete. Essas ferramentas podem ser usadas por um painel de acões amplas, na área professional como pessoal. A oferta é muito grande. Como conhecer, comparar e avaliar as ferramentas disponíveis ? Quais são as tendências de uso ? [L’Hostis 2015 ] .

O site : Innovations in Scholarly Communications. Changing research workflows da Universidade do Ultrecht (Holanda) apresenta um levantamento internacional para conhecer os usos efetivos das ferramentas para os cientistas. Mais de 550 ferramentas são apresentadas e descritas com uma apresentação gráfica original.

O público-alvo do levantamento são os atores da ciência : estudantes, pesquisadores e professores ou pessoas em apoio as pesquisas. Ele ficará ativo até feveireiro 2016. Mais de 4000 pessoas já responderam.  As 1000 primeiras respostas são online. Elas confirmam o uso  cada vez maior das redes socias como ferramentas (em destaque Google Scholar,  ResearchGate, Twitter) e os usos das ferramentas institucionais. Os responsáveis do projeto esperam identificar os hábitos em função de varios parámetros : disciplinas, paises, ….

Por exemplo, a questão : “qual site ou ferramenta você usa para acesso na literatura ?” tem as respostas seguintes :

101 innovations
fonte https://101innovations.files.wordpress.com/2015/06/typeform-1000-access.png

Outra originalidade é a apresentação do tipo de workflow possiveis em função das ferramentas usadas : tradicionais, modernas, open science,  inovantes, experimentais.

101innovationstypicalworkflow

O site lista por tipo de atividade as tendencias, espectativas, oportunidades desafios sobre desenvolvimentos das ferramentas e os usos.

O  poster :101 Innovations in Scholarly Communication – the Changing Research Workflow (abaixo) apresentado pelos responsáveis do projeto na conferência Force2015  (Oxford, Janeiro 2015) sintetisa os resultados.

101innovations

 

 

 

 

 

 

Réferências

Ranking Web of Repositories : a mais famosa colocação para os repositórios em acesso livre inclui redes sociais para acadêmicos para conscientizar os responsáveis de repositórios

A nova edição do Ranking Web of repositories  de janeiro de 2015 está disponível com dados de
julho de 2014.  É uma classificação dos repositórios digitais institucionais ou área temática que disponilizam documentos em acesso livre.

Os critérios para aparecer na classificação são muito simples : os repositórios tem que ter um nome de domínio ou sub-domínio próprio e deve incluir pelo menos artigos científicos “peer-reviewed”.

Número de páginas indexadas pelo Google, excluding rich files  (Peso 10%)
visibilidade : combinação (raiz quadrada) entre número de links exteriores indicando uma página do repositório e o número de domínio citantes seguindo dois bancos de dados  dos links : Majestic SEO and ahref. Os 10 domínios mais citantes são eliminados (Peso 25 %)

Altmetrics : Citações das fontes como Academia.edu, Facebook, LinkedIn, Mendeley, ResearchGate, Slideshare, Twitter, Wikipedia (all editions), Wikipedia (English edition),  YouTube and Scribd (novo nesta edição). (Peso: 25%).  nas tabelas os dados são incluídos com “Visibilidade”.

Rich files:  o número dos arquivos em  pdf, doc+docx e ppt+pptx indexados pelo Google  (peso 10%).

Scholar:  Duas variáveis do  Google Scholar são combinadas: o número de documentos publicados no período 2010-2014 (novo período nesta edição) e o número total de artigos. (Peso 30%)

o mais interessante é o aviso sobre ResearchGate, Academia.edu e Mendeley : O Webometrics inclui esses 3 serviços dentro da classificação dos portais, mais avisa que é porque os autores estão colocando publicações deles  dentro desses serviços em vez de colocar em repositórios institucionais. O pouco valor adicionado fornecido pela geração atual das ferramentas de repositório e a incapacidade dos webmasters dos repositórios para fortalecer gestão de perfil e outros parâmetros individuais são responsáveis dessa tendência “unfortunate”.

   O Webometrics quer mostrar as grandes performances desses 3 serviços concorentes para aumentar a consciência. Ele é extremamente necessário para melhorar os repositórios com  orientação para os utilizadores finais (autores) .

topportalsrespositories

Fonte : Webometrics. JANUARY 2015: New edition with updated info. 16th edition! http://repositories.webometrics.info/en/node/25.
Artigo describing the ranking : Aguillo, I.F., Ortega, J.L., Fernández, M., Utrilla, A.M. (2010). Indicators for a webometric Ranking of Open Access Repositories. Scientometrics, 82 (3): 477-486. ( author’s edition in Open Access)

Redes sociais para acadêmicos : desafios e oportunidades

As redes sociais emergeram nos anos 2008 e revolucionaram a maneira de manter contato com os outros. Redes baseadas sobre publicações oferecem funcionalidades similares dentro do contexto academico começaram em 2008. No inicio a questão do futuro dessas redes estava real, 6 anos depois tem que admitir que muitos pesquisadores são registrados (mais de 5 milhões pelo ResearchGate e 17 milhões pela Academia.edu). Todos pesquisadores registrados não utilizam plenamente essas redes e eles  não tem conhecimento dos problemas de identidade digital ou como beneficiar  dessas ferramentas. O fenomeno dessas redes questiona nossas instituições que deveriam controlar mais o conhecimento e a disseminação das informações, bem como a reputação e a visibilidade das instituições. Outro problema é  a relação entre os sistemas  institucionais onde as informações são controladas, com garantia de qualidade e  de preservação valorizando a  produção dos pesquisadores, dos laboratórios e das instituções e essas redes sociais  que valorizam mais o trabalho em rede de cada pesquisador.

A apresentação introduz as redes sociais para academicos, as funcionalidades delas, como pesquisadores poderiam beneficiar delas e como ajudar eles. Também mostra como as instituições poderiam beneficiar dessas atividades e controlar os usos mantendo ao mesmo tempo um olho sobre as utilizações dos pesquisadores.

Resumo in ingles

Since 2000 social networks have emerged, revolutionizing the way we stay in touch and share content with others. Publication-based social networks have offered similar functions within an academic context, beginning in 2008. Many researchers are registered on these sites. However, although there are some experts in this domain, many do so without fully exploiting them and without the backing of their respective institutions. Further, they proceed without a solid knowledge of the problems of digital identity or how to take advantage of related tools.
This phenomenon has plagued our institutions, with respect to the control of knowledge and the dissemination of information, the reputation and visibility of the institution, the relationship between bodies of information distributed on networks and information systems and relative to each institution’s research. Another problem that arises is that of improving research visibility and the creation of collaborations.
The presentation will introduce some academic networks, their main functions, how researchers can benefit from them and how to help researchers better utilize social networks. Further, the session will show how institutions might benefit from this activity, while also keeping a watchful eye on its use.

Aventurier, P. (2014). Academic social networks: challenges and opportunities. Presented at 7th UNICA Scholarly Communication Seminar, Rome, ITA (2014-11-27 – 2014-11-28).  Slideshare http://prodinra.inra.fr/record/275845.

academic_image_en_tête

Cientistas e as redes sociais : um artigo de Nature

Os gigantes das redes sociais estão utilisando para os cientistas num nivel nunca esperado. O artigo de  Richard Van Noorden publicado  na revista  Nature  apresenta os resultados de uma pesquisa desse jornal que começou em maio do ano passado.  3500 pessoas de  95 paises respoderam e a  novidade é que a pesquisa selecionou unicamente as repostas dos pesquisadores julgados ativos.

As redes sociais examinadas são  Researchgate, Academia.edu, Mendeley, Twitter, Linkedin e Facebook.

o radar
Um do grafico que analisa o rede Academia.edu

 A difusão dos perfis par serem contatados, ganhar mais visibilidade profissional  e a geração de contatos parecem ser os motivos principais para se inscrever.  Os outros argumentos positivos são as possibilidades de compartilhar, o acesso facil para artigos relevantes e recomendados, o uso de metricas novas para a avaliação dos trabalhos acadêmicos.

Uma parte interessante é “A battle for profiles” (batalha por perfis). O trabalho mostra que as atividades das redes para acadêmicos  são em maioria para manter perfis atrativos e atualizados.  Essa parte é ilustrada com o caso Zen Faulkes que depois da publicação de um artigo passa meio dia para atualizar os perfis dele nas diferentes ferramentas : ResearchGate, Academia.edu, ORCID – Open Researcher and Contributor ID e a sua pagina pessoal no site da instituição. O Artigo questiona o problema de manter perfis atualizados para cada instituição que pode recuperar informações nessas redes socias dentro dos sistemas de informações institucionais. O sistema VIVO podera ser uma alternativa no desenvolvimento das redes sociais de sociedades privadas. VIVO é uma ferramenta open source desenvolvida pela Universidade de Cornell. Cada universidade pode implantar ele, criar perfis para cada um dos pesquisadores e ligar o Vivo de uma universidade com aquele das outras 50 universidades que já utilizam esse sistema.

O Artigo critica o comportamento dessas redes com notificações abusivas pelo e-mail e a criação artificial de perfis para dar a ilusão que tem muito mais gente ativas que a realidade e o deposito de documentos pelos autores sobre copyright dos editores.

Para concluir o artigo mostra que essas redes sociais tornaram ferramentas legais de manter e aparecer mais não são ainda indispensaveis. Para Price, o criador da rede Academia.edu., essas redes para acadêmicos mostram a vontade nova dos cientistas de compartilhar resultados e pesquisas de maneira aberta. A implementação em março de 2013 da funcionalidade “Open Review” do ResearchGate que permite de fazer avaliação pelos pares antes ou depois da publicação do artigo numa revista (post publication peer reviewing) ilustra essa tendencia.

Esse artigo é muito interessante e faz refêrencia. Na minha opinião ele não  fala sobre a articulação entre repositorios institucionais e redes socias. Esses repositorios em open access mantidos pelas instituições distribuem os documentos cientificos e os conjuntos de dados de pesquisa de cada institutição. Eles  são indispensaveis para  manter a perenidade do acesso livre a produção cientifica.

fonte :Van Noorden, R. (2014). Scientists and the social network. Nature, 512, 126-129
http://www.nature.com/news/online-collaboration-scientists-and-the-social-network-1.15711

Dados desse artigo estão disponiveis : http://figshare.com/articles/NPG_2014_Social_Networks_survey/1132584

Vivo : http://www.vivoweb.org