Os desafios de dados de pesquisa abertos [artigo]

Aventurier, P. ; de Alencar, MC ( 2016). Os desafios de dados de pesquisa abertos. Revista Eletrônica de Comunicação, Informação & Inovação em Saúde; v. 10, n. 3.  http://www.reciis.icict.fiocruz.br/index.php/reciis/article/view/1069 ou no repositorio do INRA http://prodinra.inra.fr/record/372582.

  • Pascal Aventurier; Institut National de la Recherche Scientifique. Centre de Recherche PACA. Avignon, France.
  • Maria Cleofas de Alencar; Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. Embrapa Meio Ambiente. Jaguariúna, SP, Brasil.
Resumo

A gestão, a disponibilização e a preservação dos dados de pesquisas são preocupações cada vez mais centrais para os pesquisadores, as instituições de pesquisas e também para as agências de fomento e revistas cientificas. Todos esses têm o objetivo de desenvolver boas práticas de pesquisa que permitam a verificação e a reutilização dos dados, a valorização dos trabalhos de construção de conjuntos de dados e o desenvolvimento de novas maneiras de pesquisar utilizando dados já produzidos. Este artigo apresenta as diferentes etapas do ciclo de vida dos dados e mostra as iniciativas internacionais e nacionais tomadas para desenvolver esse campo que tem grande interesse para a área da saúde.

Abstract
Increasingly, the management, availability and preservation of research data concern researchers, research institutions as well as research funding agencies and scientific journals. All of them aim to develop good research practices allowing the data confirmation and their reuse, the improvement of the dataset building and the development of new ways of searching through the use of data already produced. This paper presents the different stages of the data life cycle and shows the international and national initiatives to develop these important issues to the health field.

Dados de pesquisa : descrição do ciclo de vida de gestão de dados

Os Dados bem organizados e com documentação, com garantia para preservação e enfim compartilhados são essenciais para  a investigação científica e para reforçar as oportunidades de aprender e de inovar.

Os dados de pesquisa tem uma vida alem do projeto que os criam. Pesquisadores devem continuar a trabalhar nos dados depois que os financiamentos acabam, e seguir projetos para que os dados possam ser analisados, citados, atualizados ou qualquer forma de reutilização para outros pesquisadores. Desta forma, a reutilização de dados para criar novas pesquisas alimenta um ciclo de vida.

O ciclo de vida dos dados de pesquisa tem varias representações e envolvem as principais etapas seguintes (ver a figura 1) :

Continuar a ler “Dados de pesquisa : descrição do ciclo de vida de gestão de dados”

Identificadores de autores e de pesquisadores : OrcID, ResearcherId, ISNI, ….

Um identificador de autor ou de pesquisador é um código digital que permite de identificar de maneira única este pesquisador ou autor dentro de um ambiente digital definido (Web Of Science Scopus, CV Lattes, repositórios digitais etc). Ele permite de atribuir a este pesquisador as produções das quais ele é o autor (publicação, dados científicos etc) evitando as confusões relacionadas a homônimo e associando as diferentes formas de escrever o nome de um autor como o nome com iniciais, mudança de nome do autor. Ele evita aos pesquisadores de escrever as informações sobre ele e permite de exportar ou importar as referências de um banco de dados pelo outro se elas são interconectadas. O identificador representa uma chave única que facilita a pesquisa de informação..

O Orcid (Open Researcher and Contributor ID) parece ser uma boa escolha para as razãos seguintes :  Continuar a ler “Identificadores de autores e de pesquisadores : OrcID, ResearcherId, ISNI, ….”

Medindo, classificando, apoiando e fortalecendo a publicação científica em acesso aberto no Brasil [nota de leitura]

 

Esse artigo [1] mostra a influência do modelo acesso livre (ou acesso aberto) na qualidade das revistas cientificas brasileiras  e compara  em diferentes disciplinas  a notoriedade dos jornais brasileiros em relação aos  jornais internacionais.

Esse trabalho analisou um painel impressionante de sistema de referências mais a base de referência é o sistema Qualis da CAPES.  O Qualis é o sistema brasileiro para avaliação dos jornais  como outros bancos de dados para examinar a relação entre qualidade académica e acesso livre no contexto brasileiro. Usando as diferentes fontes citadas acima o estudo mostra a proporção de jornais em  tipo de acesso livre e a avaliação dos jornais brasileiros para cada disciplina.

O artigo mostra que o Brasil de acordo com o Ulrich’s directory tem mais  publicações em acesso livre do que qualquer outro país  (69% dos artigos em Acesso Livre). Continuar a ler “Medindo, classificando, apoiando e fortalecendo a publicação científica em acesso aberto no Brasil [nota de leitura]”

Ranking das 1200 Universidades usando citações do Google Scholar

O time de Webometrics usou a recente classificação pelas instituições do Google Scholar para establecer um ranking experimental de 1200 institituições.

Sem supresas, as universidades americanas, britânicas e canadenses lideram o ranking. A primeira universidade fora desses 3 países é a National University of Singapore (na quadragésima colocação). Continuar a ler “Ranking das 1200 Universidades usando citações do Google Scholar”

Fazer da ciência aberta uma realidade : relatório da OECD

oecdO OECD publicou um relatório sobre ciênca aberta “Making open science a reality”.

Ciência aberta pode ser considerada como um conceito mais amplo do acesso aberto para publicações e dados de pesquisas. Ciência aberta acontece em todas as etapas das pesquisas (o relatório tem um glossário).  Ela inclui também a interoperabilidade das infraestruturas científificas, metodologias compartilhadas e ferramentas para data mining. O relatório da OECD mostra as tendências recentes em políticas de ciências abertas em particular sobre as iniciativas para promover acesso aos resultados financiados  com fundos públicos (publicação e dados de pesquisas).

O relatório analisa também os papéis dos diferentes atores da ciência aberta : pesquisadores, ministérios dos governos, agência de amparo, universidades e institutos de pesquisas, bibliotecas, data center, repositórios, ongs privadas e fundações,  editores privados e comerciais em geral.

Organizações intergovernamentais (OECD, UNESCO, EU and Worldbank) tem um papel muito importante para a definição de acordos internacionais ou orientações sobre ciências abertas que poderão ser adotadas pelos países por exemplo. Essas organizações são muito atívas nesse domínio.

O relatório destaca as principais conclusões que mostram a importância da ciência aberta para melhorar a qualidade da ciência,  aumentar as colaborações que envolvem  pesquisas e sociedades e pode contribuir para um melhor impacto socio-econômico das pesquisas públicas.

Politicas de incetivo sobre dados abertos são menos estabelecidas do que aquelas sobre publicações. Elas são um princípio de base que devem ser adaptadas em função do domínio (medicina por exemplo ) e das realidades locais.

Iniciativas para promover ciência aberta para os pesquisadores são necessárias. É importante também desenvolver competências para gestão de dados.

O relatório menciona  os planos de  iniciativas sobre politicas do BRICS (Brasil, China e India) para ciênca aberta e data infraestrutura. É  importante para esses países porque a produção de conhecimento, pesquisa e desenvolvimento industrial estão em crescimento.

Desafios globais precisam também de um melhor acesso aos dados nacionais e consequentemente uma melhor cooperação  global.

O capítulo 2 apresenta o acesso aberto sobre publicações com o projeto “open citation advantage“, a duração do embargo em função das disciplinas e a porcentagem de artigos em  acesso livre, os diferentes meios do acesso livre, as novas métricas como Altmetrics e no final a importância da mineração de textos  e da propriedade intelectual. Aborda também o open peer review com a experiência do F1000Research.

O capítulo 3 destaca a situação dos dados abertos de pesquisa. A pesquisa científica é conduto pelos dados (data driven) e permite o desenvolvimento de experimentação como simulação com algaritmo, mesmo em domínio onde dados são menos incentivados. Os dados são também infraestrutura porque eles permitem a construção de vários sistemas para funcionar e responder as demandas de um painel de utilizadores. o Capítulo aborda também a citação de dados e a estrutura jurídica para compartilhar os dados.

O projeto ODE (Opportunity for Data Exchange) desenvolveu uma pirâmide para   visualizar as diferentes etapas da curadoria digital de dados.

O capítulo 4 apresenta a administração da ciência aberta : atores, tendências, e politicas. Os  governos  estabelecem incentivos para os dados governamentais abertos e infraestruturas como Data center, para estocar, curadoria e fornecer acesso nos dados.

A iniciativa do projeto europeu Openaire permite de fornecer um “cross-link” entre publicações , dados de pesquisas e esquemas de agência de amparo.

outros atores são citados como fundações e RDA (Research Data Alliance) criada em 2013 com apoio da NSF, NIST, união Européia e  governo da Austrália  para promover compartilhamento e reutilizabilidade dos dados . RDA é organizada com Working Groups e Interest Groups e tem agora 1600 aderentes de 70 países. O relatório citou também os editores comerciais como atores importantes

Tem  country notes : observações sobre a situação da ciência aberta em cada país no site Innovation Policy Platform  (ver as informações sobre Brasil)

Fonte : OECD (2015), “Making Open Science a Reality”, OECD Science, Technology and Industry Policy Papers, No. 25, OECD Publishing, Paris. http://dx.doi.org/10.1787/5jrs2f963zs1-en. Site Web https://www.innovationpolicyplatform.org/content/open-science.

 

Novas ferramentas para pesquisadores : mudança do workflow

Na hora da transmissão numérica os cientistas poderiam ser desorientados para a multiplicação das ferramentas que aparecem na internete. Essas ferramentas podem ser usadas por um painel de acões amplas, na área professional como pessoal. A oferta é muito grande. Como conhecer, comparar e avaliar as ferramentas disponíveis ? Quais são as tendências de uso ? [L’Hostis 2015 ] .

O site : Innovations in Scholarly Communications. Changing research workflows da Universidade do Ultrecht (Holanda) apresenta um levantamento internacional para conhecer os usos efetivos das ferramentas para os cientistas. Mais de 550 ferramentas são apresentadas e descritas com uma apresentação gráfica original.

O público-alvo do levantamento são os atores da ciência : estudantes, pesquisadores e professores ou pessoas em apoio as pesquisas. Ele ficará ativo até feveireiro 2016. Mais de 4000 pessoas já responderam.  As 1000 primeiras respostas são online. Elas confirmam o uso  cada vez maior das redes socias como ferramentas (em destaque Google Scholar,  ResearchGate, Twitter) e os usos das ferramentas institucionais. Os responsáveis do projeto esperam identificar os hábitos em função de varios parámetros : disciplinas, paises, ….

Por exemplo, a questão : “qual site ou ferramenta você usa para acesso na literatura ?” tem as respostas seguintes :

101 innovations
fonte https://101innovations.files.wordpress.com/2015/06/typeform-1000-access.png

Outra originalidade é a apresentação do tipo de workflow possiveis em função das ferramentas usadas : tradicionais, modernas, open science,  inovantes, experimentais.

101innovationstypicalworkflow

O site lista por tipo de atividade as tendencias, espectativas, oportunidades desafios sobre desenvolvimentos das ferramentas e os usos.

O  poster :101 Innovations in Scholarly Communication – the Changing Research Workflow (abaixo) apresentado pelos responsáveis do projeto na conferência Force2015  (Oxford, Janeiro 2015) sintetisa os resultados.

101innovations

 

 

 

 

 

 

Réferências

Ranking Web of Repositories : a mais famosa colocação para os repositórios em acesso livre inclui redes sociais para acadêmicos para conscientizar os responsáveis de repositórios

A nova edição do Ranking Web of repositories  de janeiro de 2015 está disponível com dados de
julho de 2014.  É uma classificação dos repositórios digitais institucionais ou área temática que disponilizam documentos em acesso livre.

Os critérios para aparecer na classificação são muito simples : os repositórios tem que ter um nome de domínio ou sub-domínio próprio e deve incluir pelo menos artigos científicos “peer-reviewed”.

Número de páginas indexadas pelo Google, excluding rich files  (Peso 10%)
visibilidade : combinação (raiz quadrada) entre número de links exteriores indicando uma página do repositório e o número de domínio citantes seguindo dois bancos de dados  dos links : Majestic SEO and ahref. Os 10 domínios mais citantes são eliminados (Peso 25 %)

Altmetrics : Citações das fontes como Academia.edu, Facebook, LinkedIn, Mendeley, ResearchGate, Slideshare, Twitter, Wikipedia (all editions), Wikipedia (English edition),  YouTube and Scribd (novo nesta edição). (Peso: 25%).  nas tabelas os dados são incluídos com “Visibilidade”.

Rich files:  o número dos arquivos em  pdf, doc+docx e ppt+pptx indexados pelo Google  (peso 10%).

Scholar:  Duas variáveis do  Google Scholar são combinadas: o número de documentos publicados no período 2010-2014 (novo período nesta edição) e o número total de artigos. (Peso 30%)

o mais interessante é o aviso sobre ResearchGate, Academia.edu e Mendeley : O Webometrics inclui esses 3 serviços dentro da classificação dos portais, mais avisa que é porque os autores estão colocando publicações deles  dentro desses serviços em vez de colocar em repositórios institucionais. O pouco valor adicionado fornecido pela geração atual das ferramentas de repositório e a incapacidade dos webmasters dos repositórios para fortalecer gestão de perfil e outros parâmetros individuais são responsáveis dessa tendência “unfortunate”.

   O Webometrics quer mostrar as grandes performances desses 3 serviços concorentes para aumentar a consciência. Ele é extremamente necessário para melhorar os repositórios com  orientação para os utilizadores finais (autores) .

topportalsrespositories

Fonte : Webometrics. JANUARY 2015: New edition with updated info. 16th edition! http://repositories.webometrics.info/en/node/25.
Artigo describing the ranking : Aguillo, I.F., Ortega, J.L., Fernández, M., Utrilla, A.M. (2010). Indicators for a webometric Ranking of Open Access Repositories. Scientometrics, 82 (3): 477-486. ( author’s edition in Open Access)